He­róis por to­da a eter­ni­da­de

Metro Portugal (Lisbon) - - LAZER -

Cha­ma­vam-lhe o “ca­ma­leão,” mas, pa­ra mim, Da­vid Bowie era um mu­tan­te ali­e­ní­ge­na que trou­xe co­nhe­ci­men­to e ino­va­ção ao mun­do ter­res­tre do “rock and roll”. O mú­si­co mar­cou e con­ti­nu­a­rá a mar­car ge­ra­ções, vi­das co­lo­ri­das por me­lan­có­li­cos de­ci­béis que vi­a­ja­vam en­tre o “pop”, o “soul” e o “punk”, pe­la fú­ria ele­tró­ni­ca, por ba­la­das ar­re­ba­ta­do­ras, por ban­das so­no­ras que fa­zem par­te da nos­sa es­sên­cia. Em Bowie, a con­di­ção hu­ma­na li­ber­ta-se na ar­te, pe­la pin­tu­ra, pe­lo ci­ne­ma e te­a­tro, pe­la mo­da, por per­so­na­gens e com­por­ta­men­tos re­pri­mi­dos, pois sem­pre fo­mos re­bel­des, in­do­má­veis, he­róis co­mo es­te, não ape­nas por um dia mas por to­da a eter­ni­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.