EN­TRE­VIS­TA EX­CLU­SI­VA: LE­O­NAR­DO DICA­PRIO

Con­ver­sa so­bre o seu no­vo fil­me, o avas­sa­la­dor “The Re­ve­nant: O Re­nas­ci­do”

Metro Portugal (Lisbon) - - FOCUS - JOHN-MIGUEL SA­CRA­MEN­TO EM HOLLYWO­OD

O miú­do, fi­lho de mãe ale­mã e pai ame­ri­ca­no, mas de ten­dên­cia ita­li­a­na, tem ago­ra 41 anos. Pa­re­ce que cres­ce­mos e con­ti­nu­a­mos a cres­cer com ele. Há to­da uma re­vo­a­da ju­ve­nil que se lem­bra do Leo na te­le­vi­são, de­pois a su­bir ao es­tre­la­to a bor­do do pa­que­te Ti­ta­nic, a se­guir car­rei­ra com Mar­tin Scor­se­se, a trans­for­mar-se nu­ma pi­lha de ener­gia dra­má­ti­ca que é sem­pre um pra­zer ob­ser­var. O seu es­for­ço mais re­cen­te apre­sen­ta-o no gran­de céu aber­to, vis­ce­ral­men­te, em tom pri­mi­ti­vo co­mo nun­ca se vi­ra an­tes, a fa­zer de pai que ten­ta vin­gar a mor­te do fi­lho num ce­ná­rio de ga­nân­cia e bar­bá­rie. Sim, aque­le que al­guns con­si­de­ram ser o ator mais vul­câ­ni­co e ati­vis­ta vem con­tar-nos co­mo é que es­ta­mos a des­truir o pa­raí­so. Des­ta vez a his­tó­ria vem nas asas dos ce­ná­ri­os mais vas­tos que, uma vez fo­ca­dos na mes­ma ce­na, nos dei­xam ob­ser­var o por­me­nor da vi­da, da al­ma, na pe­le e nos olhos, da­que­le ser hu­ma­no es­pe­ci­fi­ca­men­te. No fil­me “The Re­ve­nant: O Re­nas­ci­do”, pen­sa­do pe­la gran­de du­pla me­xi­ca­na Ale­jan­dro Iñár­ri­tu e ci­ne­ma­tó­gra­fo Em­ma­nu­el Lu­bez­ki (no­me de guer­ra Chi­vo), Leo sub­me­te-se aos ta­len­tos e aos es­for­ços mai­o­res, só pa­ra sair ven­ce­dor ou­tra vez. Pos­sí­vel Ós­car de me­lhor ator. Já não era sem tem­po.

Fa­le-me um pou­co das si­tu­a­ções ex­tre­mas a que se sub­me­teu du­ran­te as fil-

ma­gens. Co­meu mes­mo pei­xe vi­vo?

Uma coi­sa lhe pos­so ga­ran­tir: na ce­na em que co­mo fí­ga­do de bú­fa­lo, aqui­lo era mes­mo fí­ga­do de bú­fa­lo. Mas va­mos lá ver se nos en­ten­de­mos: já pas­sei por inú­me­ras si­tu­a­ções ex­tre­mas, fos­se por­que dei co­mi­go a fa­zer pros­pe­ção sub­ma­ri­na ou a sal­tar de um avião com pa­ra­que­das nas cos­tas, mas na­da dis­so se com­pa­ra ao que o ser hu­ma­no ti­nha de pas­sar nos tem­pos da fron­tei­ra ame­ri­ca­na. Hou­ve um diá­rio que trou­xe sem­pre co­mi­go, cha­ma­do “Diá­rio do Co­mer­ci­an­te de Pe­les”, que des­cre­via por­me­no­ri­za­da­men­te o que a vi­da era na­que­las cir­cuns­tân­ci­as. Uma pro­sa es­pan­to­sa, mas ao mes­mo tem­po cho­can­te. Eram vi­das mui­to di­fí­ceis. A mi­nha vi­da de ho­je não se com­pa­ra. Por mais ris­cos que ti­ves­se cor­ri­do, ao fim de um dia de fil­ma­gens con­ti­nu­a­va a ter di­rei­to a uma ca­ma fo­fi­nha num ho­tel da re­gião.

Até que pon­to es­sa vi­da vi­vi­da há 200 anos re­fle­te aqui­lo que é o mun­do atu­al?

É uma ques­tão de gran­de in­te­res­se por­que es­ta par­te da his­tó­ria ame­ri­ca­na não foi es­cri­ta. Não te­mos mui­tos do­cu­men­tos re­di­gi­dos so­bre o que se pas­sa­va. Pa­ra mim foi co­mo fa­zer um fil­me de fic­ção ci­en­tí­fi­ca em que nos era pe­di­do que ex­pli­cás­se­mos uma Amé­ri­ca que ain­da não era Amé­ri­ca. Ao tem­po, is­to era mais co­mo a Ama­zó­nia, ter­ra sem lei, lu­gar dis­pu­ta­do por co­mer­ci­an­tes de pe­les vin­dos de Fran­ça e do Rei­no Uni­do, to­dos à guer­ra com os ín­di­os, to­dos a ten­tar con­tro­lar os re­cur­sos na­tu­rais. O nos­so tra­ba­lho era li­gar os per­cur­sos dis­tin­tos de tan­ta gen­te di­ver­sa, sem­pre pe­la mão de um ho­mem que ten­ta so­bre­vi­ver à na­tu­re­za e à vi­da. É uma his­tó­ria de so­bre­vi­vên­cia. E a re­le­vân­cia do te­ma pa­ra o mun­do de ho­je? Por trás des­se per­cur­so

mais pes­so­al há to­dos os te­mas que fa­zem o fil­me. O re­a­li­za­dor e eu fa­lá­mos mui­to so­bre is­so, so­bre co­mo a re­vo­lu­ção in­dus­tri­al eu­ro­peia veio cri­ar si­tu­a­ções de ge­no­cí­dio em vá­ri­as par­tes do mun­do. Co­me­çou por ser ao óleo de ba­leia, de­pois a cor­ri­da ao ou­ro, de­pois a eli­mi­na­ção do bi­son­te e de ou­tras es­pé­ci­es, tu­do acom­pa­nha­do pe­la des­lo­ca­ção e eli­mi­na­ção de na­ções ín­di­as in­tei­ras. O pri­mei­ro gran­de fô­le­go ame­ri­ca­no, em ter­mos de de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co, veio des­sa al­tu­ra. Ora bem, tu­do is­so é per­ti­nen­te pa­ra o mun­do de ho­je. Aliás, à me­di­da que ia fa­zen­do es­te fil­me, es­ta­va tam­bém a aca­bar um do­cu­men­tá­rio so­bre as mu­dan­ças cli­má­ti­cas, e no­tei que o pa­drão des­tru­ti­vo é o mes­mo. Es­te­ja o oci­den­te a ex­trair pe­tró­leo das arei­as ca­na­di­a­nas, a aba­ter ár­vo­res na Ama­zó­nia ou a des­truir flo­res­tas na Pa­pua No­va-Gui­né, a his­tó­ria é a mes­ma. Con­ti­nu­a­mos a ex­pul­sar gen­te das su­as ter­ras e a des­truir cul­tu­ras in­tei­ras. O ob­je­ti­vo con­ti­nua a ser a ex­tra­ção de re­cur­sos.

O fil­me, em par­te por con­tras­tar Ho­mem e Na­tu­re­za, tam­bém se­gue um per­cur­so exis­ten­ci­al. À me­di­da que o Le­o­nar­do se trans­for­ma em pes­soa adul­ta, que re­gras de vi­da se­gue?

O meu pai tem uma ma­nei­ra de ver as coi­sas que acho per­fei­ta. Diz ele que há dois as­pe­tos mui­to im­por­tan­tes na nos­sa ma­nei­ra de es­tar. Um de­les é: es­co­lhe a vi­da que qui­se­res, mas es­co­lhe uma vi­da que se­ja in­te­res­san­te. A ou­tra é: qual­quer que te­nha si­do a tua es­co­lha de vi­da, quan­do acor­da­res de ma­nhã ten­ta sen­tir-te fe­liz com as coi­sas mais sim­ples, por exem­plo es­ta­res su­fi­ci­en­te­men­te em for­ma pa­ra ves­tir um par de cal­ças. De­vo di­zer que te­nho con­se­gui­do se­guir os con­se­lhos de­le. Sei que a mi­nha pro­fis­são po­de ser vis­ta ape­nas co­mo uma gran­de ilu­são, mas acho que con­se­gui reu­nir, ao lon­go do tem­po, um gran­de gru­po de pes­so­as à mi­nha vol­ta. Te­nho imen­sa sor­te. Com tu­do. Não es­tou só a re­fe­rir-me à mi­nha car­rei­ra.

Que re­la­ção man­tém com a sua mãe?

A mi­nha mãe é co­mo um vi­nho que vai me­lho­ran­do com o pas­sar do tem­po. A sua ho­nes­ti­da­de, a ma­nei­ra co­mo ela vai di­re­ta ao as­sun­to, é ma­té­ria de len­da. Faz lem­brar a mi­nha avó, em­bo­ra não es­te­ja em con­di­ções de afir­mar is­so nos mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al. A mi­nha mãe de­tes­ta­ria ler tal coi­sa. Mas, meu Deus, se não é ver­da­de! Es­tá ago­ra a apro­xi­mar-se da ida­de da re­for­ma e a sua fal­ta de ro­dei­os es­tá ca­da vez mais ab­so­lu­ta, im­pa­rá­vel, ina­cre­di­tá­vel. Pas­sou a ser um pon­to de hon­ra e or­gu­lho. In­sis­te em di­zer às pes­so­as exa­ta­men­te o que pen­sa. A si­tu­a­ção é tal que, por ve­zes, sou eu quem tem de ex­pli­car pos­te­ri­or­men­te aqui­lo que ela quis di­zer. Sin­to-me en­cur­ra­la­do. Se­ja co­mo for, a mi­nha mãe es­tá a pas­sar por uma fa­se es­pan­to­sa, mui­to di­ver­ti­da e to­tal­men­te fan­tás­ti­ca. Há mo­men­tos em que te­nho de lhe aba­far tan­ta fron­ta­li­da­de. Que vai fa­zer com es­se “pro­ble­ma”? Só me res­ta rir – se ca­lhar por­que, se­cre­ta­men­te, am­bi­ci­o­no ser co­mo ela e ter aque­la ca­pa­ci­da­de de dis­pen­sar ver­da­des a tor­to e a di­rei­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.