Con­ver­sa com Os Azei­to­nas an­tes do en­cer­ra­men­to da di­gres­são no Por­to

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MARTINS

Contem-nos co­mo es­tão a pre­pa­rar es­te con­cer­to de ama­nhã, no Co­li­seu do Por­to. É um mo­men­to bem es­pe­ci­al na car­rei­ra da ban­da?

Mar­lon (M) – Sim, é mais um co­li­seu, mas não é só “mais um”. O que fi­ze­mos em 2013 foi a es­treia – nos co­li­seus do Por­to e Lisboa – e era com o pú­bli­co sen­ta­do. Nes­te ca­so, op­tá­mos por fa­zer com pla­teia em pé, por­que é mais re­pre­sen­ta­ti­vo da mai­o­ria dos nos­sos es­pe­tá­cu­los que fa­ze­mos pe­lo País fo­ra. A ener­gia é di­fe­ren­te.

Ne­na (N)– O nos­so ti­po de música é mais pa­ra o pú­bli­co es­tar de pé. O pri­mei­ro con­cer­to é que foi fo­ra do ha­bi­tu­al. Des­ta vez vão ter con­vi­da­dos? Já se po­de adi­an­tar al­gu­ma coi­sa?

N– Na­da dis­so! Sur­pre­sa, mes­mo sur­pre­sa! Es­te é o úl­ti­mo con­cer­to da di­gres­são “Ser­vi­ço Oca­si­o­nal”. Qual é o ba­lan­ço que fa­zem des­ta vi­a­gem?

N– Cor­reu mui­to bem. E ti­ve­mos a gra­va­ção de um con­cer­to em Cor­roi­os. Mas o con­cer­to que, acha­mos to­dos, mar­cou mais foi o que fi­ze­mos no Cra­to.

M– Fo­ram três mui­to bons: o Cra- to, Grân­do­la e de­pois Cor­roi­os, on­de gra­vá­mos o ví­deo e áu­dio. A di­gres­são cor­reu mui­to bem e foi por is­so que de­ci­di­mos fa­zer um co­li­seu. Até por­que já não fa­zía­mos um con­cer­to no Por­to há mui­to tem­po. Es­tes concertos em ca­sa sen­tem-se de uma for­ma di­fe­ren­te?

M– Sim, sen­te-se sem­pre de for­ma di­fe­ren­te. E no co­li­seu, pa­ra mim, é mui­to mar­can­te: eu tra­ba­lhei lá. Era as­sis­ten­te, le­va­va as pes­so­as aos lu­ga­res. Vi lá imen­sos concertos e es­pe­tá­cu­los e nun­ca me ima­gi­nei es­tar na­que­le pal­co. Mas é sem­pre uma pres­são ex­tra, da boa, por­que es­ta­mos ali a to­car pa­ra ami­gos e fa­mí­lia. E de­pois do con­cer­to? Já co­me­çam a pen­sar num no­vo ál­bum de ori­gi­nais d’Os Azei­to­nas? Po­de­mos con­tar com can­ções no­vas nes­te re­gres­so a ca­sa?

N– O no­vo dis­co, pa­ra já, não vai sair. Mas há mú­si­cas no­vas. Já há três!

M– Se ca­lhar, nes­ta al­tu­ra, te­mos mais von­ta­de de lan­çar sin­gles do que fa­zer ál­buns. Tal­vez pos­sa­mos adi­an­tar que no con­cer­to va­mos to­car, pe­lo me­nos, uma música no­va! Me­nos dis­cos e mais sin­gles: is­so quer di­zer que têm me­nos von­ta­de de ter um com­pro­me­ti­men­to com a cri­a­ção de um dis­co e fa­zer as coi­sas de uma for­ma mais des­con­traí­da?

M– Não, é ape­nas mais prá­ti­ca. A for­ma co­mo se ou­ve música mu­dou mui­to. Ho­je é nas pla­ta­for­mas di­gi­tais, em play­lists, atra­vés de sugestões de ou­tros e das pró­pri­as apli­ca­ções. Já não se ou­ve tan­to um ál­bum in­tei­ro! A dis­po­ni­bi­li­da­de que te­mos pa­ra fa­zer um dis­co, a ener­gia que gas­ta­mos pa­ra de­pois só ter­mos um ou dois sin­gles a pas­sar na rá­dio...

N– Fi­ca­mos sem­pre com pe­na por­que há can­ções que fi­cam per­di­das.

M– Tal­vez fi­que­mos pe­los sin­gles e, no fi­nal, lan­ça­mos uma com­pi­la­ção. An­ti­ga­men­te, nos anos 50 e 60, tam­bém se lan­ça­vam pre­do­mi­nan­te­men­te sin­gles.

Ban­da atua ama­nhã em “ca­sa”: um con­cer­to no Co­li­seu do Por­to pa­ra fe­char a di­gres­são “Ser­vi­ço Oca­si­o­nal”. Mar­lon e Ne­na con­tam co­mo vai ser o es­pe­tá­cu­lo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.