Es­pe­ci­al Azu­le­jos

As pe­dras po­li­das que “ves­tem” pa­re­des

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - © JOÃO FER­RÃO

Pas­sa­mos por eles to­dos os di­as. Quer se­ja em ca­sa, quer se­ja na fa­cha­da de edi­fí­ci­os e até em es­ta­ções de me­tro. São uma pre­sen­ça cons­tan­te em Por­tu­gal e, tal­vez por is­so, não lhes da­mos o de­vi­do va­lor. Mas, na ver­da­de, os azu­le­jos “são ar­te iden­ti­tá­ria de Por­tu­gal, pre­sen­tes no nos­so país há mais de cin­co sé­cu­los”, ex­pli­ca ao me­tro a di­re­to­ra do Museu Na­ci­o­nal do Azu­le­jo, Ma­ria An­tó­nia Pin­to de Ma­tos. Lo­ca­li­za­do no an­ti­go Con­ven­to da Or­dem das Cla­ris­sas, fun­da­do pe­la rai­nha D. Le­o­nor em 1509, em Lisboa, o Museu do Azu­le­jo apre­sen­ta um acer­vo que acom­pa­nha a evo­lu­ção da azu­le­ja­ria no País, as­sim co­mo as vá­ri­as téc­ni­cas uti­li­za­das pa­ra o fa­bri­co e co­lo­ca­ção, por­que, co­mo nos ex­pli­ca a di­re­to­ra do Museu, “não se po­de es­tu­dar azu­le­ja­ria de for­ma iso­la­da, tem que ser con­tex­tu­a­li­za­da por to­das as ou­tras ma­ni­fes­ta­ções ar­tís­ti­cas”. Ape­sar de te­rem azu­le­jos que fo­ram re­ti­ra­dos por vá­ri­os mo­ti­vos do seu lo­cal de ori­gem, qui­se­ram dar im­por­tân­cia ao azu­le­jo in si­to, is­to é, de­ve per­ma­ne­cer no sí­tio pa­ra on­de foi cri­a­do. “Qu­e­ría­mos cha­mar a aten­ção pa­ra o fac­to de o azu­le­jo ser uma ar­te iden­ti­tá­ria de Por­tu­gal. Usa­mos o azu­le­jo inin­ter­rup­ta­men­te há cin­co sé­cu­los. Não é uti­li­za­do ape­nas pa­ra de­co­rar, tem efei­tos lu­mí­ni­cos, pa­ra mo­di­fi­car o es­pa­ço e co­bre as pa­re­des na to­ta­li-

da­de. Co­me­ça no chão, vai pe­las pa­re­des e vai até ao te­to, e es­tá lá pa­ra cri­ar ce­no­gra­fi­as. Quan­do os ti­ra­mos da pa­re­de, eles per­dem sig­ni­fi­ca­do. E, por ve­zes, ‘fal­tam’ azu­le­jos, co­mo por exem­plo a con­tor­nar uma ja­ne­la ou uma va­ran­da.” Mas não se pen­se que só de me­mó­ria an­ti­ga se pre­en­chem as pa­re­des do Museu. Há tam­bém uma me­mó­ria mais re­cen­te, com obras de ar­tis­tas con­tem­po­râ­ne­os, al­guns de­les que fa­zem par­te da vi­da de quem an­da no me­tro­po­li­ta­no de Lisboa, co­mo Ma­ria Keil, que, à ex­ce­ção da es­ta­ção da Avenida, to­das as on­ze es­ta­ções ini­ci­ais inau­gu­ra­das em 1959 ti­nham re­ves­ti­men­tos da sua au­to­ria. Co­mo nos con­tou a di­re­to­ra do Museu, Keil “que­ria que os de­se­nhos não dis­traís­sem os uti­li­za­do­res do me­tro pa­ra não caí­rem. As su­as es­ta­ções são sem­pre mui­to só­bri­as.”

Ar­tis­tas con­sa­gra­dos, co­mo Jú­lio Po­mar (Al­to dos Moi­nhos) Ma­nu­el Car­ga­lei­ro (Co­lé­gio Mi­li­tar/Luz) ou Edu­ar­do Nery (Cam­po Gran­de), re- no­va­ram o azu­le­jo, o que deu ao me­tro­po­li­ta­no al­fa­ci­nha um pa­pel ex­tra­or­di­ná­rio pa­ra a sua his­tó­ria. Além do gran­de acer­vo do museu, des­ta­que ain­da pa­ra a Igre­ja da Ma­dre de Deus que, co­mo po­de­mos com­pro­var pe­la re­a­ção de uma tu­ris­ta que lá en­tra­va pe­la pri­mei­ra vez (“¡Di­os mío!”), não é al­go que se ve­ja to­dos os di­as. Em ter­mos de azu­le­ja­ria, o ex-lí­bris do museu en­con­tra-se no úl­ti­mo an­dar: um pai­nel com 23 me­tros de com­pri­men­to com cer­ca de mil azu­le­jos que mos­tra a ca­pi­tal por­tu­gue­sa an­tes do ter­re­mo­to de 1755. E não se pen­se que ao dia de fe­cho o museu pa­ra. À se­gun­da-fei­ra é quan­do bol­sei­ros e vo­lun­tá­ri­os es­pa­lham os azu­le­jos que es­tão a tra­ba­lhar pe­lo chão do museu de for­ma a ten­tar cri­ar um pai­nel fi­nal. Mes­mo com to­do o tra­ba­lho que a ins­ti­tui­ção tem fei­to – workshops de azu­le­ja­ria, pro­gra­mas de res­tau­ro ou divulgação dos azu­le­jos –, há ain­da um lon­go ca­mi­nho pe­la fren­te na pre­ser­va­ção des­ta ar­te tão por­tu­gue­sa ( ver cai­xa em ci­ma), uma vez que são mui­tos os ca­sos de furto e/ou van­da­lis­mo de azu­le­jos. Por is­so, se­rá da mai­or im­por­tân­cia cri­ar um Dia Na­ci­o­nal do Azu­le­jo que, pe­lo me­nos ho­je, hon­ra­mos no me­tro, pa­ra que se­ja pos­sí­vel pas­sar o azu­le­jo a Pa­tri­mó­nio Mun­di­al da Hu­ma­ni­da­de.

No Museu do Azu­le­jo dá- se im­por­tân­cia ao azu­le­jo “in si­to”, is­to é, de­ve per­ma­ne­cer no sí­tio pa­ra on­de foi cri­a­do, ca­so con­trá­rio, en­con­tra­mos “bu­ra­cos”, co­mo nes­ta fo­to­gra­fia, que mais não são do que a au­sên­cia de uma va­ran­da ou de uma ja­ne­la, por exem­plo.

A Igre­ja Ma­triz de San­to Il­de­fon­so, na zo­na da que or­nam a fron­ta­ria e os la­dos das tor­res

Co­me­çou por ter es­ta­ções neu­tras pa­ra não dis­trair os uti­li­za­do­res, mas ho­je o me­tro de Lisboa é uma ver­da­dei­ra galeria de ar­te, co­mo a es­ta­ção do Co­lé­gio Mi­li­tar/Luz, da au­to­ria de Car­ga­lei­ro.

No Lar­go da Gra­ça, Lisboa, o que não fal­tam são azu­le­jos a em­be­le­zar os pré­di­os.

Uma boa su­ges­tão de pas­seio de fim de semana: an­dar à pro­cu­ra da imen­sa di­ver­si­da­de de azu­le­jos. Es­tão por to­do o la­do, co­mo por exem­plo na Rua da Jun­quei­ra, em Be­lém, Lisboa.

Ba­ta­lha, Por­to, tem cer­ca de 11.000 azu­le­jos si­nei­ras, da au­to­ria de Jor­ge Colaço.

São mui­tas as fa­lhas nas fa­cha­das dos pré­di­os, al­go que o SOS Azu­le­jo ten­ta pre­ve­nir.

O SOS Azu­le­jo tem um acer­vo de pe­ças re­co­lhi­das pe­la PJ, mui­tas à pro­cu­ra do seu sí­tio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.