Mar­ce­lo am­bi­ci­o­na “re­fa­zer Por­tu­gal”

Fo­cus. Mar­ce­lo Nu­no Du­ar­te Re­be­lo de Sou­sa é o no­vo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Por­tu­gue­sa. Noi­te elei­to­ral mar­ca­da pe­la fra­ca vo­ta­ção de Ma­ria de Be­lém e pe­los vo­tos con­se­gui­dos por Ma­ri­sa Ma­ti­as. Vi­to­ri­no Sil­va sur­pre­en­deu

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - PATRÍCIA TADEIA

“É ho­ra de re­fa­zer Por­tu­gal.” Foi as­sim que ter­mi­nou o dis­cur­so de Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa en­quan­to ven­ce­dor das Pre­si­den­ci­ais, pou­cos mi­nu­tos fal­ta­vam pa­ra as 22h30. Um dis­cur­so re­a­li­za­do na Fa­cul­da­de de Di­rei­to de Lisboa, pa­ra on­de se di­ri­giu de­pois de ter as­sis­ti­do aos pri­mei­ros re­sul­ta­dos na sua se­de de can­di­da­tu­ra, em Be­lém.

“Fiz ques­tão de me di­ri­gir ao País nes­ta ca­sa da li­ber­da­de e plu­ra­lis­mo e aber­tu­ra de es­pí­ri­to. Não foi uma op­ção po­lí­ti­ca. Foi uma es­co­lha de na­tu­re­za afe­ti­va, um ges­to sim­bó­li­co de pro­fun­do re­co­nhe­ci­men­to pa­ra com es­ta fa­cul­da­de”, dis­se so­bre a ins­ti­tui­ção on­de pas­sou os úl­ti­mos 50 anos, pri­mei­ro co­mo alu­no e de­pois co­mo pro­fes­sor.

E é mes­mo o tí­tu­lo de “Pro­fes­sor Mar­ce­lo” que aban­do­na aqui pa­ra fa­lar ao País en­quan­to Pre­si­den­te elei­to. Por is­so mes­mo, co­me­çou por “sau­dar o po­vo por­tu­guês”. “É o po­vo quem mais or­de­na, e foi o po­vo que me quis dar a hon­ra de me ele­ger Pre­si­den­te”, dis­se, acres­cen­tan­do que to­dos os que vo­ta­ram nes­tas pre­si­den­ci­ais “me­re­cem o mes­mo res­pei­to”. “To­dos fa­zem par­te da pá­tria que so­mos”, dis­se ga­ran­tin­do que “não há ven­ci­dos nes­tas elei­ções pre­si­den­ci­ais”. “Se­rei o Pre­si­den­te de to­dos. Por­que a Cons­ti­tui­ção o con­sa­gra. E por­que a mi­nha cons­ci­ên­cia o di­ta”, con­ti­nu­ou.

Nes­ta de­cla­ra­ção, expôs já as su­as idei­as, co­me­çan­do por de­fen­der o “fo­men­to da uni­da­de na­ci­o­nal”, o “re­for­ço da co­e­são so­ci­al, pes­so­al e ter­ri­to­ri­al, olhan­do pa­ra os mais ca­ren­ci­a­dos, os mais de­pen­den­tes” e a “pro­mo­ção das con­ver­gên­ci­as po­lí­ti­cas”. “Um país co­mo o nos­so, a sair de uma crise eco­nó­mi­ca e so­ci­al pro­fun­da, não se po­de dar ao lu­xo de des­per­di­çar ener­gi­as e de ali­men­tar cris­pa­ções des­ne­ces­sá­ri­as e con­tra­pro­du­cen­tes. Es­te é um tem­po de in­cer­te­za e de­sa­fio, mas tam­bém é um tem­po de opor­tu­ni­da­de”, de­fen­deu Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa que to­ma­rá pos­se no pró­xi­mo dia 9 de mar­ço. “Os pró­xi­mos cin­co anos não se­rão um tem­po per­di­do, se­rão um tem­po de re­cu­pe­ra­ção e de fu­tu­ro”, con­cluiu.

REU­TERS

No dis­cur­so de vi­tó­ria, o Pre­si­den­te elei­to, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, de­fen­deu o “fo­men­to da uni­da­de na­ci­o­nal” e o “re­for­ço da co­e­são so­ci­al, pes­so­al e ter­ri­to­ri­al”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.