Tin­ders­ticks vol­ta­ram a ser uma ban­da com “The Wai­ting Ro­om”

TIN­DERS­TICKS “The Wai­ting Ro­om” é o no­vo dis­co da ban­da de Stu­art Sta­ples, com quem o me­tro con­ver­sou nu­ma ma­nhã fria do in­ver­no lis­bo­e­ta so­bre o fe­liz re­gres­so do gru­po.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MARTINS

Quan­do é que co­me­ça o pro­ces­so cri­a­ti­vo pa­ra es­tas no­vas can­ções? Quan­do fi­ze­mos o úl­ti­mo dis­co de ori­gi­nais, o “So­mething Rain”, foi o fim de um pro­ces­so de re­nas­ci­men­to que co­me­çou com “The Hun­gry Saw” em 2008. Com no­va gen­te, no­vas idei­as, no­va ima­gem... atra­vés de três dis­cos [tam­bém “Fal­ling Down a Moun­tain”, em 2010], ten­tá­mos jun­tar coi­sas bo­as. De­pois da di­gres­são do “So­mething Rain”, vol­tá­mos a ser uma ban­da. Nun­ca pen­sei que vol­tás­se­mos a ser uma gran­de ban­da... de­pois de ter­mos cons­truí­do al­go tão es­pe­ci­al nos anos 90... Foi pre­ci­so tem­po e ex­pe­ri­men­ta­ção. Fa­zer música sem pen­sar mui­to.

O tra­ba­lho ao vi­vo e as di­gres­sões aju­dou a tra­zer de vol­ta a in­ti­mi­da­de na ban­da? Sem dú­vi­da. Tra­ba­lhá­mos nas idei­as des­te dis­co de for­ma gra­du­al nos úl­ti­mos três anos e de di­ver­sas for­mas: criá­mos pai­sa­gens so­no­ras pa­ra mu­seus, fi­ze­mos al­guns es­pe­tá­cu­los acús­ti­cos mui­to ín­ti­mos... tu­do is­so aju­dou à in­ti­mi­da­de. Mas não é só in­ti­mi­da­de e con­fi­an­ça: é o tem­po que pas­sa e co­mo nos en­cai­xa­mos uns nos ou­tros. É co­mo nos co­nhe­ce­mos e com­pre­en­de­mos os cin­co.

Te­nho a ideia de que os Tin­ders­ticks sem­pre o ti­ve­ram a si, Stu­art, co­mo o gran­de mo­tor cri­a­ti­vo. Is­so tem vin­do a mu­dar? Quan­do se tem uma ideia e se ati­ra pa­ra o es­pa­ço on­de es­tão es­tas pes­so­as, as coi­sas po­dem ex­plo­dir. Acho que é as­sim que fun­ci­o­na o pro­ces­so cri­a­ti­vo. Uma can­ção co­mo “Help Your­self” foi das pri­mei­ras a apa­re­cer e nas­ceu de mim a fa­zer uma coi­sa sim­ples na gui­tar­ra, que se tor­nou um lo­op. Uma es­pé­cie de es­bo­ço em 20 mi­nu­tos. Du­as se­ma­nas de­pois mos­trei à ban­da, e 45 mi­nu­tos de­pois es­ta­va com­pos­ta a ver­são que apa­re­ce no ál­bum.

Es­te é um dis­co em que vão apa­re­cen­do, aqui e aco­lá, te­mas ins­tru­men­tais. O que é que is­so sig­ni­fi­ca? A cri­a­ção de es­pa­ço. As pa­la­vras pre­ci­sam do seu pró­prio es­pa­ço. O ins­tru­men­tal de­pois de can­tar em “The Wai­ting Ro­om”... não sei se con­se­gui­ria di­zer al­gu­ma coi­sa mais. Pre­ci­sa­va de, sim­ples­men­te, dei­xar-me ser.

De­pois de tan­tos anos e de tan­tas pa­la­vras já usa­das, co­mo é que se sen­te co­mo es­cri­tor de can­ções? Te­nho vin­do a en­con­trar uma for­ma di­fe­ren­te de tra­ba­lhar. Apren­di a con­fi­ar no mo­men­to em que apa­re­ce uma ideia pa­ra uma can­ção. Se con­se­guir per­ce­ber o que sig­ni­fi­ca pa­ra mim, con­si­go apre­ci­ar to­do o pro­ces­so de ca­mi­nhar com a ideia. E quan­do é pa­ra aca­bar a can­ção, es­pe­ro con­se­guir ter uma gran­de do­se de com­pre­en­são den­tro de mim pa­ra po­der to­mar de­ci­sões.

Os Tin­ders­ticks têm uma re­la­ção mui­to gran­de com o ci­ne­ma. Já tra­ba­lha­ram e são ami­gos de re­a­li­za­do­res co­mo a Clai­re De­nis. E pa­ra es­te dis­co, de­ci­di­ram fa­zer um fil­me com es­tas can­ções. A sua es­cri­ta par­te já com um gran­de sen­ti­do de ima­gem? Há uma re­la­ção vi­su­al, sim. De­tes­to a pa­la­vra “ci­ne­má­ti­ca” (ri­sos). Tem que ver com um cer­to es­pa­ço que exis­te na música e nas idei­as. Há sem­pre es­pa­ço pa­ra in­ter­pre­ta­ções pró­pri­as e é im­por­tan­te que is­so acon­te­ça. Acho que é is­so que tam­bém traz as pes­so­as às mú­si­cas. Tal­vez se­ja ci­ne­má­ti­co, sim... No ca­so da Clai­re De­nis, é sem­pre ins­pi­ra­dor. É uma re­la­ção co­la­bo­ra­ti­va que te­mos. Ela de­sa­fia-nos a fa­zer coi­sas que nun­ca fi­ze­mos an­tes. Acho que tam­bém aju­da a fa­zer com que ain­da es­te­ja­mos aqui com von­ta­de de fa­zer música.

Dei­xe-me per­ce­ber me­lhor: o que é que ela vos dá pa­ra tra­ba­lhar? Ima­gens, fo­to­gra­fi­as... O mais im­por­tan­te, no iní­cio, é a con­ver­sa so­bre in­ten­ções. É por aí que co­me­ça­mos a re­co­lher in­for­ma­ções. Por exem­plo, um fil­me ti­po “Trou­ble Every Day” – vi­o­len­to, qua­se go­re, mas é um fil­me apai­xo­nan­te, so­bre bei­jos, so­bre o mo­ti­vo que le­va aman­tes a que­re­rem mor­der-se uns aos ou­tros. Foi a con­ver­sa que deu o mo­te pa­ra fa­zer­mos uma ban­da so­no­ra ro­mân­ti­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.