FC Por­to ven­ce Ma­rí­ti­mo

Au­to­go­lo de Sa­lin foi o úni­co na es­treia de Jo­sé Pe­sei­ro

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - RUI ALE­XAN­DRE CO­E­LHO

A pri­mei­ra boa no­tí­cia pa­ra Jo­sé Pe­sei­ro é que vai pre­pa­rar o pró­xi­mo com­pro­mis­so em ci­ma de uma vi­tó­ria. Na­da de mais pre­ci­o­so.

A se­gun­da é que a sua equi­pa só po­de me­lho­rar. Foi na quin­ta-fei­ra pas­sa­da que Pe­sei­ro ocu­pou o lu­gar de Lo­pe­te­gui – Rui Bar­ros foi uma es­co­lha de tran­si­ção –, e não se po­de­ria con­tar com re­vo­lu­ções. Foi a es­treia pos­sí­vel, um triun­fo tre­mi­do que o no­vo do­no da “ca­dei­ra de so­nho” acei­ta­ria com o me­lhor sor­ri­so, apri­o­ri.

Ao ní­vel do on­ze, pou­co mu­dou. Já em ter­mos tá­ti­cos, per­ce­beu-se a in­ten­ção de jun­tar Her­re­ra a Da­ni­lo, dei­xan­do aos três mé­di­os ofen­si­vos (An­dré An­dré, Brahi­mi e Co­ro­na) li­ber­da­de pa­ra cir­cu­lar em tor­no de Abou­ba­kar. Um es­que­ma (4-2-3-1) pró­xi­mo do que Pau­lo Fon­se­ca ali ten­tou im­por, em 2013/2014, com ou­tra mo­bi­li­da­de ofen­si­va. O Ma­rí­ti­mo ame­a­ça­va quan­do An­dré An­dré re­ma­tou aos 22m. A bo­la se­ria de­vol­vi­da pe­la tra­ve, mas ta­be­lou no guar­dião fo­ras­tei­ro, Sa­lin, e fez mar­cha-atrás até às re­des. O FC Por­to adi­an­ta­va-se.

Na res­pos­ta, Dye­go Sou­sa ca­be­ce­ou à tra­ve. De­pois Ma­re­ga le­si­o­nou-se. E o Ma­rí­ti­mo res­sen­tiu-se.

Até ao fim da par­ti­da as equi­pas di­vi­di­ram pro­ta­go­nis­mo, sem gran­des oca­siões de go­lo, ex­ce­ção fei­ta a uma de­fe­sa no­tá­vel de Sa­lin (73m), pe­ran­te Co­ro­na.

MA­NU­EL ARAÚ­JO

Im­pro­vá­vel “parceria” en­tre Sa­lin e An­dré An­dré man­tém FC Por­to a três pon­tos do Ben­fi­ca e a cin­co do Spor­ting.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.