Sem se can­di­da­tar a ga­nhar

ELI­SA­BE­TE JA­CIN­TO

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - LUÍS CAR­MO

Eli­sa­be­te Ja­cin­to con­si­de­ra a Afri­ca Eco Ra­ce me­lhor que o Da­kar

Ta­tra é fan­tás­ti­co: tem as ro­das e o pa­ra-cho­que lo­go ali. Qua­se que po­de ro­çar com o pa­ra-bri­sa no chão que não acon­te­ce na­da! Par­ti­ci­pa no Afri­ca Eco Ra­ce com o mes­mo en­tu­si­as­mo com que par­ti­ci­pa­va no Da­kar? Sim. Te­nho pe­na que o Afri­ca Ra­ce não te­nha o des­ta­que que me­re­ce por­que, no fun­do, o Afri­ca Ra­ce, ho­je, é o que era o Da­kar há uns anos. Mu­dou o no­me, e por cau­sa dis­so não tem pres­tí­gio ne­nhum. Ha­via coi­sas mui­to más no Da­kar que de­sa­pa­re­ce­ram. O Afri­ca Ra­ce é me­lhor do que era o Da­kar. Tem o de­sa­fio, as di­fi­cul­da­des, a su­pe­ra­ção, mas não tem as li­ga­ções enor­mes. Aca­bá­va­mos a eta­pa e tí­nha­mos 300, 400 ou 500 qui­ló­me­tros de es­tra­da e che­gá­va­mos tar­dís­si­mo ao acam­pa­men­to. Os me­câ­ni­cos só po­di­am tra­ba­lhar de noi­te. Ago­ra fa­ze­mos 400 qui­ló­me­tros e o acam­pa­men­to é ali. É ex­ce­len­te. Des­can­sa­mos e dor­mi­mos mais, o que é mui­to bom nu­ma pro­va que tem um des­gas­te fí­si­co mui­to gran­de. E a ní­vel de se­gu­ran­ça? Nun­ca mais ti­ve­mos pro­ble­mas des­de que o Da­kar foi anu­la­do. Com o Da­kar, vi­vía­mos num stress lou­co, por cau­sa dos as­sal­tos que acon­te­ci­am to­dos os anos. Des­de que o Da­kar foi anu- la­do, es­tes paí­ses to­ma­ram cons­ci­ên­cia da im­por­tân­cia que o ra­li ti­nha pa­ra eles, o quan­to pro­mo­via o tu­ris­mo e a ima­gem de um país. Foi um dis­sa­bor mui­to gran­de pa­ra to­dos nós e pa­ra os go­ver­nos, prin­ci­pal­men­te da Mau­ri­tâ­nia e de Mar­ro­cos. Ago­ra, in­cen­ti­vam a or­ga­ni­za­ção e to­dos os anos re­ce­be­mos as vi­si­tas de mi­nis­tros e se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do num acam­pa­men­to na Mau­ri­tâ­nia. Des­de a pri­mei­ra edi­ção do Afri­ca Ra­ce que ve­jo os mi­li­ta­res. Es­tão lon­ge, mas es­tão lá. Mes­mo ho­je, nos acam­pa­men­tos, se co­me­çar­mos a ob­ser­var há car­ros com mi­li­ta­res por per­to. Nun­ca mais ti­ve­mos pro­ble­mas. No ano pas­sa­do, ti­ve de ca­var pa­ra ti­rar um ca­mião da areia. Olhei pa­ra a cris­ta da du­na e es­ta­vam lá dois mi­li­ta­res, fiz um ges­to, eles apro­xi­ma­ram-se e aju­da­ram-me a ti­rar o ca­mião. Es­ti­quei-lhes a mão e de­ram-me um aper­to de mão. An­tes, eles di­zi­am que não es­ta­vam au­to­ri­za­dos a to­car nu­ma mu­lher. E não há ne­nhum mo­tard que pas­se a noi­te so­zi­nho no de­ser­to que não te­nha um mi­li­tar por per­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.