O RE­GRES­SO DOS “X-FI­LES”

Agen­tes Mul­der e Scully es­tão de vol­ta ao pe­que­no ecrã

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MARTINS

Tre­ze anos de­pois da sé­rie ori­gi­nal, es­tá de vol­ta o no­vo ca­pí­tu­lo de uma das séries de te­le­vi­são de fic­ção ci­en­tí­fi­ca mais mar­can­tes e in­flu­en­tes de sem­pre. O re­gres­so reú­ne o elen­co ori­gi­nal, com Da­vid Du­chovny e Gil­li­an An­der­son a as­su­mi­rem os pa­péis com que gran­je­a­ram a fa­ma e con­quis­ta­ram uma tre­men­da le­gião de fãs por to­do o mun­do.

Os agen­tes do FBI, Fox Mul­der (Du­chovny) e Dana Scully (An­der­son), re­gres­sam às su­as in­ves­ti­ga­ções a ca­sos sem ex­pli­ca­ção plau­sí­vel em seis no­vos epi­só­di­os re­a­li­za­dos pe­lo pró­prio cri­a­dor/pro­du­tor exe­cu­ti­vo Ch­ris Car­ter. A es­treia acon­te­ce ho­je (dois di­as de­pois de ter acon­te­ci­do nos EUA), e em epi­só­dio du­plo no ca­nal FOX às 22h15.

A sé­rie es­te­ve no ar qua­se uma dé­ca­da – de 1993 a 2002 – com no­ve tem­po­ra­das e 202 epi­só­di­os que de­ram ori­gem ain­da a dois fil­mes anos mais tar­de. Em Por­tu­gal, a sé­rie foi exi­bi­da, na se­gun­da me­ta­de da dé­ca­da de 90, tor­nan­do-se uma ima­gem de mar­ca do ca­nal TVI – que apos­ta­va for­te em séries de in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal com um

twist pa­ra­nor­mal... lem­bra-se de “Pro­fi­ler” ou ”Pre­ten­der”?

Ao lon­go das no­ve tem­po­ra­das, a sé­rie foi uma re­vo­lu­ção no uni­ver­so sci-fi e um su­ces­so global sem pre­ce­den­tes, tor­nan­do-se num dos dra­mas te­le­vi­si­vos de mai­or su­ces­so de sem­pre: a sé­rie ven­ceu uns im­pres­si­o­nan­tes 16 Emmy Awards, cin­co Gol­den Glo­bes e um Pré­mio Pe­a­body.

Tre­ze anos de­pois, o que é fei­to de Mul­der e Scully? Em con­ver­sa com a rá­dio nor­te-ame­ri­ca­na NPR, os dois ex­pli­ca­ram quem são es­tas per­so­na­gens. “Ele já não es­tá no FBI, nem se­quer es­tá a tra­ba­lhar”, co­me­ça por ex­pli­car Du­chovny. Mul­der te­ve sem­pre um la­do mais de cren­te em fe­nó­me­nos do “além” – o ale­ga­do rap­to da ir­mã por ali­ens po­de ter aju­da­do – en­quan­to Scully pro­cu­ra­va sem­pre a abor­da­gem mais ci­en­tí­fi­ca e ra­ci­o­nal dos ca­sos. “To­das as su­as pis­tas pa­re­cem ter-se es­va­ne­ci­do. Tu­do aqui­lo em que Mul­der acre­di­tou pa­re­ce ter si­do da­do co­mo não pro­va­do. É co­mo um ho­mem sem mis­são. Ba­si­ca­men­te, en­con­tra­mo-lo, 13 anos de­pois, no sí­tio ide­al pa­ra co­me­çar uma jor­na­da: no fun­do!”

Já Dana Scully, pe­las pa­la­vras de Gil­li­an An­der­son à NPR, “tem vin­do a re­cen­trar as su­as ne­ces­si­da­des e de­se­jos”. “Es­tá can­sa­da de ou­vir as mes­mas coi­sas re­pe­ti­das ve­zes sem con­ta e a per­se­guir as coi­sas que pa­re­cem que nun­ca se ma­te­ri­a­li­zam. Vol­tou a con­cen­trar-se. E viu o Mul­der tor­nar-se ex­tre­ma­men­te apai­xo­na­do por aque­le tra­ba­lho e a ar­ris­car as su­as vi­das por tu­do aqui­lo. Ela não quer mais is­so.” A atriz con­si­de­ra que “o pú­bli­co es­tá pron­to pa­ra es­te re­gres­so”. Já Da­vid Du­chovny acres­cen­ta que é “da na­tu­re­za hu­ma­na ser­mos ar­ras­ta­dos pa­ra te­o­ri­as da cons­pi­ra­ção. As pes­so­as que­rem res­pos­tas, mas às ve­zes as coi­sas acon­te­cem sem ra­zão. Acon­te­ce o ca­os! Mas as pes­so­as que­rem sem­pre vi­lões pa­ra jul­gar.”

Ho­je, 22h15, às o epi­só­di um du­plo­no ca­nalFOX

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.