Mark Ruf­fa­lo as­su­me o pa­pel de um jor­na­lis­ta que ex­põe cri­mes de na­tu­re­za sexual per­mi­ti­dos ao lon­go de dé­ca­das. “O Ca­so Spo­tlight” es­treia- se ama­nhã nos ci­ne­mas

Es­treia-se ama­nhã nos ci­ne­mas o no­vo fil­me com Mark Ruf­fa­lo. “O Ca­so Spo­tlight”, re­a­li­za­do por Tom McCarthy, é so­bre a in­ves­ti­ga­ção dos jor­na­lis­tas do “Bos­ton Glo­be” que des­mas­ca­rou uma re­de de pe­do­fi­lia na Igre­ja Ca­tó­li­ca.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - JOHN-MIGUEL SA­CRA­MEN­TO

Mark Ruf­fa­lo, o ator nor­te-ame­ri­ca­no que re­gres­sa es­ta semana aos ecrãs por­tu­gue­ses, gos­ta de co­lo­car a sua fa­ce­ta mais ve­ro­sí­mil ao ser­vi­ço de his­tó­ri­as que se­jam re­le­van­tes. Cer­to é que, de vez em quan­do, faz de “Hulk” ou de ou­tro qual­quer he­rói mol­da­do pe­la mo­la ener­gé­ti­ca da ban­da de­se­nha­da. Mas quan­do o Mark re­cria uma pes­soa de car­ne e os­so, há ne­le uma ver­da­de ter­re­na que não se des­cre­ve. Se ca­lhar, a au­ten­ti­ci­da­de fa­cil­men­te re­la­ci­o­ná­vel sur­ge no meio da ener­gia ner­vo­sa. To­do o cor­po de­le re­a­ge em unís­so­no, des­pro­te­gi­do, sem ar­ti­fí­cio. No fil­me no­vo, “O Ca­so Spo­tlight”, o pa­pel é re­cri­ar a an­si­e­da­de jus­ti- cei­ra de Mike Re­zen­des, um jor­na­lis­ta de Bos­ton (mas de as­cen­dên­cia por­tu­gue­sa) que con­se­guiu ex­por os cri­mes de na­tu­re­za sexual que a Igre­ja ha­via per­mi­ti­do ao lon­go de dé­ca­das. No­te-se o tra­ba­lho fí­si­co e a sim­pli­ci­da­de di­re­ta, a ti­mi­dez ge­ne­ro­sa que co­lo­ca nas fra­ses quan­do não es­tá a gri­tar con­tra o ma­ras­mo. Es­tá no­me­a­do pa­ra o Ós­car de Me­lhor Ator Se­cun­dá­rio. Não tem si­do fá­cil cons­truir uma car­rei­ra a par­tir de per­so­na­gens cheias de re­cei­os ape­sar da co­ra­gem, ho­mens que es­ta­be­le­cem con­tac­to atra­vés de me­ca­nis­mos de de­fe­sa ain­da por com­pre­en­der. Que re­la­ção tem com o con­cei­to de Deus? Acre­di­ta nu­ma au­to­ri­da­de di­vi­na? A re­la­ção que uma pes­soa es­ta­be­le­ce com Deus é sem­pre úni­ca e,

Im­por­tân­cia do jor­na­lis­mo “[O jor­na­lis­mo] pro­te­ge-nos da ti­ra­nia com frequên­cia. Se um país não tem uma ba­se for­te de li­ber­da­de de imprensa as pes­so­as fi­cam mais vul­ne­rá­veis a to­do o ti­po de abuso”

© DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.