Eles de­ram as mãos e nas­ceu A Mer­ce­a­ria

Ma­nu­e­la e Fer­nan­do co­nhe­ce­ram-se na Praia da Fon­te da Te­lha. Ela in­te­gra­va um pro­je­to que era hos­tel, es­co­la de surf e bar ao mes­mo tem­po; ele fez a de­co­ra­ção do bar e cons­truiu as ca­mas do hos­tel. Ho­je es­tão jun­tos e têm um ate­liê cri­a­ti­vo.

Metro Portugal (Lisbon) - - FOCUS - R.A.C.

A Mer­ce­a­ria é um es­pa­ço on­de mos­tram e ven­dem o seu tra­ba­lho, pro­du­to de um “ca­sa­men­to” en­tre mar­ce­na­ria e pin­tu­ra. Fer­nan­do tra­ba­lha a ma­dei­ra; Ma­nu­e­la ilus­tra. “Te­mos uma gran­de li­ga­ção ao mar, fa­ze­mos surf e de­sen­vol­ve­mos al­gu­mas pe­ças li­ga­das a es­sa te­má­ti­ca”, des­ta­ca Ma­nu­e­la Car­va­lho. Des­de ce­do que Fer­nan­do co­me­çou a tra­ba­lhar em car­pin­ta­ria e mar­ce­na­ria. Foi as­sim que de­sen­vol­veu o gos­to pe­la es­cul­tu­ra. Quan­do se co­nhe­ce­ram, ele co­me­çou a pu­xar por ela. “Per­ce­beu que eu ti­nha um bom tra­ço”, diz. Foi as­sim que co­me­ça­ram a fa­zer pe­ças em con­jun­to e apos­ta­ram num tra­ba­lho por con­ta pró­pria, aban­do­nan­do a Fon­te da Te­lha. Ini­ci­al­men­te, fi­ze­ram al­gu- mas fei­ras de ar­te­sa­na­to, mas sen­ti­am uma la­cu­na que era iden­ti­fi­ca­da pe­los pró­pri­os ami­gos: “Per­gun­ta­vam on­de é que nos po­di­am en­con­trar, por­que nós, tra­ba­lhan­do em ca­sa, não tí­nha­mos um pon­to de ven­da fi­xo. En­tão co­me­çá­mos a pen­sar em abrir uma lo­ja, não só on­de pu­dés­se­mos ex­por o nos­so tra­ba­lho, mas tam­bém on­de ou­tros ar­tis­tas pu­des­sem ex­por o de­les.” Fi­nal­men­te, che­ga­ram ao es­pa­ço que ho­je é A Mer­ce­a­ria, em Pa­ço de Ar­cos. E porquê Pa­ço de Ar­cos? Por­que que­ri­am sair dos gran­des cen­tros ur­ba­nos, on­de já exis­te uma gran­de ofer­ta, ex­pli­ca Ma­nu­e­la, que con­cre­ti­za: “Qu­e­ría­mos apro­xi­mar-nos das po­pu­la­ções lo­cais, dos por­tu­gue­ses, não tan­to dos tu­ris­tas. Já exis­tem imen­sas lo­jas com um con­cei­to idên­ti­co, mas to­das vol­ta­das pa­ra o tu­ris­mo. Qui­se­mos in­cen­ti­var o con­su­mo por­tu­guês de ar­te­sa­na­to e pro­du­tos por­tu­gue­ses ar­te­sa­nais.” O que A Mer­ce­a­ria tem são pe­ças de­sen­vol­vi­das de ba­se. Tan­to os mó­veis, co­mo as pe­ças de­co­ra­ti­vas, co­mo a par­te da pin­tu­ra, têm sem­pre uma ba­se. “Po­de ser ma­dei­ra apa­nha­da nas prai­as, mó­veis que as pes­so­as dei­tam no li­xo ou ou­tros ma­te­ri­ais que vão re­co­lhen­do”, e aos quais dão no­va vi­da. A te­má­ti­ca da re­ci­cla­gem es­tá aqui “bem pre­sen­te”, diz Ma­nu­e­la. Am­bos le­vam es­ta coi­sa dos tra­ba­lhos ma­nu­ais mui­to a sé­rio. Não é só ne­gó­cio. Tan­to que a ca­sa em que ho­je vi­vem é to­da fei­ta com ma­te­ri­ais su­pos­ta­men­te inú­teis, que Fer­nan­do traz de vol­ta à vi­da. “O que ele gos­ta é de pe­gar em por­ta­das ou por­tas an­ti­gas e trans­for­má-las nu­ma me­sa de sa­la de jan­tar, num apa­ra­dor. Tu­do o que te­mos na lo­ja e em ca­sa foi fei­to as­sim. A ca­sa du­rou pa­ra aí três anos a fi­car pron­ta”, diz, an­tes de se rir e con­fes­sar que “ain­da não es­tá pron­ta”! A Mer­ce­a­ria tem uma pla­ta­for­ma de co­mu­ni­ca­ção na Net, via Fa­ce­bo­ok. Pa­ra mar­ço es­tá pre­vis­ta a aber­tu­ra da lo­ja online. “Fa­ze­mos par­te de um pro­je­to pi­lo­to, que ar­ran­ca em bre­ve e do qual não pos­so fa­lar mui­to. Foi daí que veio o ví­deo que apre­sen­tá­mos [que po­de ser vis­to no You­Tu­be atra­vés da pes­qui­sa por ‘Mer­ce­a­ria – ate­liê cri­a­ti­vo’]”.

“Há quem já nos co­nhe­ça e avi­se, ‘olhem, vou dei­tar de­ter­mi­na­do mó­vel fo­ra’. E nós va­mos re­co­lhen­do es­se mo­bi­liá­rio” Ma­nu­e­la Car­va­lho, co-fun­da­do­ra de A Mer­ce­a­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.