Paus es­trei­am “Mi­tra”

BAI­XAR OS BPM E LI­GAR O MO­DO SEXY

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MARTINS

Ter­cei­ro dis­co da ban­da apre­sen­ta­do ho­je no São Jor­ge. Jo­a­quim Al­ber­ga­ria fa­la so­bre o no­vo tra­ba­lho

“Mi­tra” é o 3º ál­bum da ban­da e é apre­sen­ta­do ho­je no São Jor­ge, em Lisboa. Jo­a­quim Al­ber­ga­ria fa­la- nos do no­vo dis­co e das bo­as in­de­fi­ni­ço­es es­té­ti­cas dos Paus.

O pro­ces­so de cri­a­ção dos Paus cos­tu­ma­va ser ir pa­ra o estúdio e gra­var en­quan­to cri­am de for­ma im­pul­si­va. O pro­ces­so man­te­ve-se nes­te no­vo “Mi­tra”?

Sim! A pre­gui­ça co­mo for­ça mo­triz é sem­pre o prin­cí­pio do pro­ces­so dos Paus (ri­sos). A úni­ca di­fe­ren­ça foi que, co­mo es­ti­ve­mos mui­to tem­po na es­tra­da com “Cla­rão”, fo­mos gra­van­do pe­que­nas jams nos sound­checks, pe­que­nos im­pro­vi­sos, que guar­dá­mos, pe­la pri­mei­ra vez, pa­ra usar no ar­ran­que da cri­a­ção do dis­co. De res­to, foi igual: mar­cá­mos estúdio só que quan­do lá che­gá­mos tí­nha­mos uma pe­que­na pas­ta com ra­bis­cos. O que nos pro­pu­se­mos a fa­zer com o mé­to­do é que foi di­fe­ren­te.

Co­mo as­sim?

Per­ce­be­mos que ha­via mais gro­o­ve. Ha­via uma mai­or von­ta­de de swin­gar e não tan­to cri­ar bar­ra­gens rít­mi­cas e coi­sas mui­to épi­cas. Qui­se­mos, pe­lo me­nos, jun­tar mais gro­o­ve à re­cei­ta.

Pôr os Paus um bo­ca­di­nho mais dan-

çan­tes? Sim, ou pe­lo me­nos dan­çar de ma­nei­ra di­fe­ren­te. Re­du­zir os bpm, li­gar um bo­ca­di­nho mais o sexy. Aper­ce­be­mo-nos que o gro­o­ve es­ta­va lá. Ali­a­do a is­so, per­ce­be­mos que ha­via mais es­pa­ço pa­ra vo­zes mais can­ta­das e não co­mo um quin­to ins­tru­men­to.

Os Paus cos­tu­mam ter 15 di­as ou três se­ma­nas pa­ra gra­var os dis­cos. Acha que nes­te “Mi­tra” po­dem ter per­di­do por um mo­men­to es­se con­tro­lo de da­tas, es­se ri­gor? Por ou­tras pa­la­vras, po­dem ter-se es­pa­lha­do um bo­ca­di­nho?

Nes­te tam­bém já pu­de­mos fa­zer is­so! A ideia de que a li­ber­da­de é um va­lor que re­ge os Paus... é, efe­ti­va­men­te, mas den­tro de um bud­get! Te­mos to­da a li­ber­da­de do mun­do, des­de que não gas­te­mos mais do que te­mos. Mas, des­ta vez, o estúdio era nos­so. Pu­de­mos es­ti­car um bo­ca­di­nho pa­ra fa­zer bem as coi­sas e até por­que qu­e­ría­mos fa­zer bem as vo­zes. Se nos es­pa­lhá­mos mais? Acho que é o dis­co em que nos em­pur­rá­mos mais pa­ra fo­ra da zo­na de con­for­to.

In­cluí­rem vo­zes e le­tras nes­te “Mi­tra” é si­nal de ou­tro con­for­to en­tre to­dos?

As vo­zes são uma coi­sa mui­to pes­so­al: não só é a tua voz, co­mo é o teu vo­ca­bu­lá­rio, as tu­as emo­ções, res­pi­ra­ções... se dis­ser: “es­se rit­mo é fo­lei­ro”, faz-se ou­tro! Mas se dis­ser: “o que aca­bas­te de can­tar é bué fo­lei­ro” não é mui­to di­fe­ren­te de di­zer que tu és mui­to fo­lei­ro ou és um gran­de azei­tei­ro. Es­ta ges­tão emo­ci­o­nal, de egos, foi mui­to in­te­res­san­te – com­pli­ca­da – mas su­per- gra­ti­fi­can­te pa­ra os Paus. Es­tou su­per cu­ri­o­so pa­ra per­ce­ber co­mo vai ser a se­guir pa­ra os Paus, ago­ra que fi­ze­mos um dis­co em que se per­ce­be que os Paus po­dem can­tar.

Ago­ra, além do bai­xo, sin­te­ti­za­do­res e ba­te­ria si­a­me­sa, exis­te ain­da o la­do lí­ri­co, a pe­na poé­ti­ca dos Paus. Se­rá que po­de­mos con­si­de­rar que a ban­da faz ago­ra tam­bém uma ou­tra lei­tu­ra so­ci­al pe­la via da música? O que sig­ni­fi­ca, nes­te con­tex­to, a pa­la­vra “Mi­tra”?

Do pon­to de vis­ta so­ci­al, o “mi­tra” é al­guém que não es­tá nem no pon­to de ori­gem nem de che­ga­da. É al­guém nu­ma re­di­fi­ni­ção cons­tan­te – es­tá sem­pre en­tre. Não é das zo­nas mar­gi­nais nem pe­ri­fé­ri­cas de on­de vem, mas tam­bém não é dos sí­ti­os pa­ra on­de se des­lo­ca. Mas per­ten­ce às du­as! Do pon­to de vis­ta es­té­ti­co, os Paus tam­bém são as­sim: é uma ban­da rock? Sim, mas não só. Tem ele­men­tos de música ele­tró­ni­ca, hip hop e não só? Sim, mas não só... Es­ta in­de­fi­ni­ção aju­dou-nos a pen­sar nos te­mas das nos­sas le­tras.

En­tão dão-se bem com a in­de­fi­ni­ção?

Sim. O que es­tá de­fi­ni­do é ser­mos nós os qua­tro: o bai­xo, os sin­te­ti­za­do­res e as te­clas. O que fa­ze­mos com is­so é que é fi­xe. É o que nos en­tu­si­as­ma. No dia em que não ti­ve­res de per­gun­tar o que são os Paus, se ca­lhar dei­xa de fa­zer sen­ti­do. Não sei se al­gum dia nos va­mos de­fi­nir co­mo sen­do qual­quer coi­sa.

AN­DRÉ LE­AL

Jo­a­quim Al­ber­ga­ria, Fá­bio Je­ve­lim, Hé­lio Morais e Ma­ko­to Yagyu vão es­tar a apre­sen­tar “Mi­tra” ho­je à noi­te no São Jor­ge, em Lisboa, e ama­nhã no TAGV, em Coim­bra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.