“En­ve­lhe­cer fo­ra do ar­má­rio” con­tra o iso­la­men­to so­ci­al de ido­sos LGBT

O pro­je­to nas­ce com um ob­je­ti­vo: “com­ba­ter o re­gres­so ao ar­má­rio de pes­so­as, que em mui­tos ca­sos vi­vem re­me­ti­das à ver­go­nha e ao iso­la­men­to”, co­me­ça por ex­pli­car An­tó­nio Ser­ze­de­lo, pre­si­den­te da di­re­ção da Opus Gay.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA -

“En­ve­lhe­cer fo­ra do ar­má­rio” é um pro­je­to da Opus Gay co­fi­nan­ci­a­do pe­la Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lisboa e que pre­ten­de que se cri­em con­di­ções pa­ra a in­clu­são de Lés­bi­cas, Gays, Bis­se­xu­ais, Tra­ves­tis (LGBT) se­ni­o­res, em lo­cais de en­con­tro, co­mo cen­tros ou la­res. O fim é sim­ples: com­ba­ter o iso­la­men­to so­ci­al des­tas pes­so­as, re­fe­re An­tó­nio Ser­ze­de­lo, pre­si­den­te da di­re­ção da Opus Gay.

“Pla­ne­a­mos re­a­li­zar uma sé­rie de ati­vi­da­des lú­di­cas com a po­pu­la­ção-al­vo e te­mos, tam­bém, um ser­vi­ço de apoio so­ci­al e psi­co­ló­gi­co gra­tui­to di­re­ci­o­na­do pa­ra es­ta po­pu­la­ção, as­sim co­mo uma sé­rie de me­ca­nis­mos de in­clu­são e in­te­ra­ju­da ba­se­a­dos na ex­pe­ri­ên­cia de ONG ho­lan­de­sas e ale­mãs com as quais con­tac­tá­mos”, con­ti­nua. Um ter­ço dos ido­sos LGBT na Ir­lan­da so­frem, em al­gum mo­men­to da vi­da, de do­en­ças do fo­ro men­tal. Na Fin­lân­dia, um ter­ço não re­cor­re aos ser­vi­ços de saú­de por re­ceio de ser dis­cri- mi­na­do. Os nú­me­ros le­va­ram a que a as­so­ci­a­ção es­te­ja a apli­car, com o apoio das jun­tas de fre­gue­sia de Lisboa, um ques­ti­o­ná­rio di­re­ci­o­na­do à po­pu­la­ção ido­sa LGBT, re­si­den­te em Lisboa. A ideia é ve­ri­fi­car “se a nos­sa re­a­li­da­de re­fle­te ou não a re­a­li­da­de de ou­tros paí­ses”, diz.

“Re­ce­be­mos inú­me­ras quei­xas de ido­sos LGBT que se la­men­tam da sua so­li­dão e dos tre­men­dos cons­tran­gi­men­tos e re­sis­tên­ci­as em as­su­mir a sua ori­en­ta­ção se- xu­al, so­bre­tu­do os que vi­vem em mei­os con­ser­va­do­res e tra­di­ci­o­na­lis­tas”, avan­ça An­tó­nio Ser­ze­de­lo.

Se­gun­do a mes­ma fon­te, es­tes ido­sos de­pa­ram-se com uma “du­pla dis­cri­mi­na­ção, uma vez que se por um la­do a so­ci­e­da­de des­va­lo­ri­za e re­me­te pa­ra o iso­la­men­to a po­pu­la­ção ido­sa no ge­ral, por ou­tro la­do, os ido- sos LGBT so­frem de uma mai­or dis­cri­mi­na­ção em fun­ção da sua ori­en­ta­ção sexual”.

“Mui­tos dos ido­sos LGBT, até mes­mo aque­les que as­su­mi­ram e vi­ven­ci­a­ram li­vre­men­te a sua ori­en­ta­ção sexual no de­cor­rer da ju­ven­tu­de, ten­dem a re­gres­sar ao ar­má­rio, por re­ceio de não

se­rem acei­tes e com­pre­en­di­dos”, diz, acres­cen­tan­do que tal “le­va, em mui­tos ca­sos, a uma vi­da de so­li­dão, ver­go­nha e iso­la­men­to e à re­pres­são da sua pró­pria se­xu­a­li­da­de, o que potencia sen­ti­men­tos de tris­te­za, de­pres­são, me­do e do­en­ças”.

O res­pon­sá­vel avan­ça ain­da que mui­tas ve­zes es­sa dis­cri­mi­na­ção par­te dos pró­pri­os jo­vens ho­mos­se­xu­ais. “Jul­gam-se eter­na­men­te jo­vens, não pen­san­do que vão en­ve­lhe­cer um dia e o he­do­nis­mo em que se vi­ve en­quan­to se é jo­vem, le­va mui­tos a olhar os ido­sos co­mo de­ca­den­tes, sem in­te­res­se, o que con­sis­te nu­ma manifestação de egoís­mo, uma dis­cri­mi­na­ção gra­ve”, diz. “Exis­te ain­da um pre­con­cei­to enor­me, re­la­ti­va­men­te à vi­da afe­ti­va dos ido­sos que se su­põe não te­rem, ou não de­ve­rem ter, vi­da sexual, pois is­so é per­ce­ci­o­na­do co­mo er­ra­do, e até co­mo ‘uma fal­ta de res­pei­to’ e de juí­zo”, acres­cen­ta An­tó­nio Ser­ze­de­lo. E por is­so mes­mo con­clui di­zen­do que é “fun­da­men­tal in­cluir os jo­vens nes­te pro­ces­so, pa­ra que es­tes per­ce­bam que a ex­pe­ri­ên­cia de vi­da dos ido­sos po­de­rá cons­ti­tuir uma fon­te de co­nhe­ci­men­to, de­ter­mi­na­ção e co­ra­gem pa­ra os mais jo­vens que con­vi­vem di­a­ri­a­men­te com si­tu­a­ções de ho­mo­fo­bia, violência do­més­ti­ca e dis­cri­mi­na­ção so­ci­al em fun­ção da sua ori­en­ta­ção sexual”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.