Fo­mos co­nhe­cer o “Lo­bo Marinho”

La­zer. Na­vio “Lo­bo Marinho”, que faz a li­ga­ção en­tre a ilha da Ma­dei­ra e Por­to San­to, es­te­ve re­cen­te­men­te em Lisboa pa­ra ma­nu­ten­ção. Fo­mos co­nhe­cer o fer­ry­bo­at que li­ga o me­lhor des­ti­no in­su­lar do mun­do. En­tre a bor­do con­nos­co!!

Metro Portugal (Lisbon) - - FOCUS -

Ci­ne­ma, sa­la de cri­an­ças, sa­la de jo­gos, zo­na de fu­ma­do­res, res­tau­ran­te com self-ser­vi­ce, en­tre ou­tras co­mo­di­da­des, fa­zem par­te dos equi­pa­men­tos do “Lo­bo Marinho”, bar­co que faz a tra­ves­sia en­tre a ilha da Ma­dei­ra (por­to do Fun­chal) e Por­to San­to. Apro­vei­tan­do o fac­to de o fer­ry­bo­at ter es­ta­do em Lisboa em do­ca se­ca – to­dos os anos é ne­ces­sá­rio fa­zer a ma­nu­ten­ção, ga­ran­tir as cer­ti­fi­ca­ções e mui­to mais – o me­tro vi­si­tou a em­bar­ca­ção que foi cons­truí­da em 2003, mas que se man­tém mo­der­na.

“Tem 13 anos, mas quan­do re­ce­be­mos as vi­si­tas de ou­tros ca­pi­tães de ou­tros fer­ry­bo­ats do nor­te da Eu­ro­pa, fi­cam ad­mi­ra­dos”, con­ta o ime­di­a­to Pau­lo Ba­tis­ta, que co­man­da to­da a vi­si­ta gui­a­da à em­bar­ca­ção.

Em to­das as vi­a­gens é exi­bi­do um fil­me pa­ra aju­dar os pas­sa­gei­ros a pas­sa­rem o tem­po, em­bo­ra a tra­ves­sia de 43 mi­lhas ( qua­se 70 qui­ló­me­tros) en­tre o Fun­chal e Por­to San­to não du­re mais do que du­as ho­ras e meia. “Por ve­zes, as pes­so­as dei­xam-se dor­mir na sa­la de ci­ne­ma e te­mos de vir acor­dá-las”, con­fes­sa Pau­lo Ba­tis­ta, sor­rin­do.

A vi­a­gem na pri­mei­ra clas­se do “Lo­bo Marinho”, com di­rei­to a um pe­que­no-al­mo­ço, apre­sen­ta uma vis­ta pri­vi­le­gi­a­da em ci­ma da pon­te e o res­tau­ran­te àla­car­te per­mi­te que os pas­sa­gei­ros pos­sam al­mo­çar ou jan­tar a bor­do. Con­for­to atrás de con­for­to pa­ra aju­dar a fa­zer a li­ga­ção da me­lhor for­ma pos­sí­vel a bor­do de uma em­bar­ca­ção que en­che a Por­to San­to Li­ne, a com­pa­nhia res­pon­sá­vel pe­lo trans­por­te ma­rí­ti­mo en­tre as du­as ilhas, de or­gu­lho. Um lu­xo que não sur­pre­en­de, uma vez que há mui­to que o tu­ris­mo na Ma­dei­ra não é sa­zo­nal.

Ro­ber­to Santa Cla­ra, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção de Pro­mo­ção da Ma­dei­ra, re­al­ça que o tu­ris­mo no ar­qui­pé­la­go es­tá em cres­ci­men­to, sa­li­en­tan­do que 2015 “foi um dos me­lho­res anos de sem­pre”. E re­cor­da que a Ma­dei­ra foi dis­tin­gui­da, em de­zem- bro de 2015, co­mo o me­lhor des­ti­no in­su­lar do mun­do, se­gun­do os pres­ti­gi­a­dos World Tra­vel Awards – em 2013 e 2014, a “Pé­ro­la do Atlân­ti­co” já ti­nha si­do es­co­lhi­da co­mo o me­lhor des­ti­no in­su­lar eu­ro­peu.

JOÃO FER­RÃO

A ca­ris­má­ti­ca em­bar­ca­ção tem uma sa­la de ci­ne­ma e em to­das as vi­a­gens é exi­bi­do um fil­me pa­ra os pas­sa­gei­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.