EN­TRE­VIS­TA: GIL DO CAR­MO

“A Uma Voz” mar­ca re­gres­so pas­sa­dos oi­to anos

Metro Portugal (Lisbon) - - FOCUS - BRU­NO MARTINS

A ci­da­de de Lisboa é o pon­to de par­ti­da pa­ra o no­vo ál­bum do mú­si­co por­tu­guês, “A Uma Voz”. Um dis­co de ban­da, de ami­za­des, cum­pli­ci­da­des e mis­ci­ge­na­ção.

Es­te “A Uma Voz” sur­ge oi­to lon­gos anos de­pois de “Si­sal”. O que acon­te­ceu du­ran­te to­do es­te pe­río­do? Ad­mi­ro mui­to as pes­so­as que con­se­guem fa­zer vá­ri­as coi­sas ao mes­mo tem­po. Mas eu não sou uma des­sas pes­so­as. De­pois do “Si­sal”, e de to­dos os concertos, ti­ve ne­ces­si­da­de de per­ce­ber pa­ra on­de que­ria se­guir, tra­ba­lhan­do com uma equi­pa que con­si­de­ro uma se­gun­da fa­mí­lia. Con­so­an­te fo­mos tra­ba­lhan­do, per­ce­be­mos que iría­mos fa­zer um dis­co que vi­ve­ria do cli­ma da ban­da, das mú­si­cas e da sim­pli­ci­da­de que elas po­de­rão abar­car com es­tes mú­si­cos. “A Uma Voz” tem um sen­ti­do du­plo: além de ser uma úni­ca voz, es­ta­mos, a meu ver, nu­ma al­tu­ra em que é ur­gen­te vi­ver­mos a uma só voz. Che­gar a con­sen­sos e não a dis­pu­tas: es­ta é uma ideia pre­sen­te no dis­co? Acho que sim. É uma vi­a­gem que par­te sem­pre de Lisboa... sem­pre o cais de par­ti­da pa­ra ou­tros por­tos. Mas é uma ida com vol­ta mar­ca­da sem­pre pa­ra Lisboa. Es­sa mis­ci­ge­na­ção de sons e música, una, faz-me to­do o sen­ti­do. O fu­tu­ro da música pas­sa tam­bém pe­la gran­de fu­são de sons e cul­tu­ras. Co­mo en­con­tra um fo­co co­mum no meio de tan­tas in­fluên­ci­as? Quan­to mais cons­ci­en­tes es­ta­mos de que so­mos uma pe­que­na par­tí­cu­la do imen­so uni­ver­so, mais res­pon­sa­bi­li­da­de te­mos pe­ran­te os ou­tros. Per­ce­ber que não vi­ve­mos so­zi­nhos, que é im­por­tan­te ele­var o pró­xi­mo. Te­nho mui­ta ne­ces­si­da­de de an­dar na rua, per- ce­ber o que se pas­sa à mi­nha vol­ta e ten­do Lisboa en­quan­to ins­pi­ra­ção – que é imen­sa – e pen­sar no uni­ver­so fe­mi­ni­no, te­mos sem­pre vá­ri­os pon­tos de par­ti­da pa­ra vá­ri­as des­cri­ções. Es­te dis­co é tam­bém uma parceria cri­a­ti­va com o mú­si­co an­go­la­no Ya­mi. Sim, tra­ba­lha­mos jun­tos há mui- tos anos e ho­je já se tra­ta de um pro­ces­so mui­to or­gâ­ni­co. Quan­do vou ter com ele, che­go com um re­frão, uma ideia me­ló­di­ca, e a re­so­lu­ção é sem­pre mui­to fá­cil. Te­nho uma quí­mi­ca e sim­bi­o­se mui­to gran­des com ele. O pon­to de par­ti­da des­te dis­co é sem­pre Lisboa. Tam­bém há um re­fle­xo gran­de no ál­bum da­qui­lo que são as su­as vi­a­gens? Sem som­bra de dú­vi­da. É um uni­ver­so que gos­to de cul­ti­var. Se há coi­sa que me apraz e que gos­to de per­ce­ber é on­de me en­qua­dro. Das me­lho­res for­mas que te­mos pa­ra nos per­ce­ber, tan­to co­mo in­di­ví­duo, país ou na­ção, é vi­a­jan­do e en­ten­den­do o pró­xi­mo. Es­tes anos tam­bém fo­ram de vi­a­gens? Sem­pre! E mes­mo cá den­tro. A ca­da es­qui­na que pa­re­ce co­nhe­ci­da, há um dia em que por­ven­tu­ra nos per­de­mos e es­ta­mos nu­ma vi­e­la que nos trans­por­ta pa­ra uma vi­a­gem tão gran­de... Lisboa é uma ter­ra pró­di­ga pa­ra es­sas vi­a­gens num só sí­tio. Lisboa tem-se tor­na­do nu­ma das ci­da­des mais mis­tu­ra­das: ve­mos mu­lhe­res sul-afri­ca­nas, sul-ame­ri­ca­nas, asiá­ti­cas, ín­di­as, in­di­a­nas... vê-se gen­te de to­do o mun­do e is­so vai-se sen­tin­do na ci­da­de e in­flu­en­ci­an­do a ci­da­de, sem nun­ca per­der­mos a nos­sa iden­ti­da­de.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.