Dis­cus­são alar­ga- se

So­ci­e­da­de. A As­so­ci­a­ção dos Ju­ris­tas Ca­tó­li­cos con­si­de­ra que a le­ga­li­za­ção da eu­ta­ná­sia põe em cau­sa o prin­cí­pio da dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na con­sa­gra­do na Cons­ti­tui­ção.

Metro Portugal (Lisbon) - - FOCUS -

Ju­ris­tas e mé­di­cos ca­tó­li­cos con­tra le­ga­li­za­ção da eu­ta­ná­sia

“A eu­ta­ná­sia in­frin­ge o pri­mei­ro di­rei­to fun­da­men­tal con­sa­gra­do na Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca Por­tu­gue­sa: a in­vi­o­la­bi­li­da­de da vi­da hu­ma­na”, re­fe­rem. Pa­ra a As­so­ci­a­ção dos Ju­ris­tas Ca­tó­li­cos, a eu­ta­ná­sia e o au­xí­lio ao sui­cí­dio “são agres­sões ilí­ci­tas à vi­da hu­ma­na” e re­pre­sen­tam um “in­dis­cu­tí­vel re­tro­ces­so ci­vi­li­za­ci­o­nal”.

Tam­bém a As­so­ci­a­ção de Mé­di­cos Ca­tó­li­cos se ma­ni­fes­tou con­tra a des­pe­na­li­za­ção da eu­ta­ná­sia: “É in­com­pre­en­sí­vel que a so­ci­e­da­de não se pre­o­cu­pe em in­ves­tir nos cui­da­dos de saú­de de mo­do a pro­por­ci­o­nar aos do­en­tes to­dos os cui­da­dos ne­ces­sá­ri­os à sua si­tu­a­ção con­cre­ta.”

Por sua vez, a As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Cui­da­dos Pa­li­a­ti­vos de­fen­deu on­tem que an­tes do pro­ces­so de dis­cus­são so­bre a eu­ta­ná­sia, “é fun­da­men­tal” ga­ran­tir o aces­so em tem­po útil aos cui­da­dos pa­li­a­ti­vos e as­se­gu­rar que es­tes são pres­ta­dos por pro­fis­si­o­nais com for­ma­ção.

To­das es­tas reações sur­gem na sequên­cia do ma­ni­fes­to “Mor­rer com Dig­ni­da­de” em de­fe­sa da des­pe­na­li­za­ção da mor­te as­sis­ti­da que foi as­si­na­do por 112 per­so­na­li­da­des de vá­ri­as áre­as, in­cluin­do atu­ais ou ex-ti­tu­la­res de car­gos po­lí­ti­cos co­mo por exem­plo Pau­la Tei­xei­ra da Cruz, Rui Rio, Ale­xan­dre Quin­ta­ni­lha, Pa­che­co Pe­rei­ra ou Ma­ri­a­na Mor­tá­gua.

123RF

Ju­ris­tas afir­mam que “os par­ti­dos nun­ca pro­pu­se­ram ao elei­to­ra­do co­mo par­te do seu pro­gra­ma elei­to­ral” a eu­ta­ná­sia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.