JI­BÓIA A CO­BRA MU­DA A PE­LE

O uni­ver­so cri­a­do por Ós­car Sil­va ga­nha no seu no­vo dis­co, “Ma­sa­la”, uma ou­tra di­nâ­mi­ca. A Ji­bóia pas­seia-se ago­ra por ou­tros pon­tos do glo­bo, pa­ra lá do Mé­dio Ori­en­te. De An­ca­ra a Lon­dres, de Os­lo a Lisboa. Con­si­go, nes­ta vi­a­gem, le­va a ba­te­ria de Ri­car

Metro Portugal (Lisbon) - - CULTO - BRU­NO MARTINS

Ós­car, nes­te “Ma­sa­la”, a pe­le da co­bra Ji­bóia caiu-lhe to­da ou ain­da vai cain­do aos pou­cos?

Acho que a pe­le caiu to­da. A ideia foi tro­car de pe­le, mas o res­to fi­cou. Quis fa­zer uma coi­sa di­fe­ren­te, o que não quer di­zer que se­ja com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te. Há uma mu­dan­ça: até ago­ra ti­nha um ‘be­at’ mais ele­tró­ni­co e te­nho uma ba­te­ria a fa­zer a mes­ma coi­sa e is­so já é su­fi­ci­en­te pa­ra se no­tar. Não per­der o ‘be­at’, pe­lo me­nos mu­si­cal­men­te, mas ser di­fe­ren­te, com ou­tras di­nâ­mi­cas pa­ra lá da­que­la fór­mu­la.

No seu dis­co an­te­ri­or, “Ba­dlav”, Ji­bóia ti­nha diá­lo­gos mu­si­cais com a voz da Se­quin. Aqui, con­vi­dou o ba­te­ris­ta Ri­car­do Martins pa­ra ter ou­tras con­ver­sas.

Sim, “Ba­dlav” as­sen­ta­va mui­to na voz, com uma ba­se mu­si­cal pen­sa­da de raiz pa­ra a voz da Ana [Mi­ró]. Nes­te “Ma­sa­la” foi ou­tro ti­po de con­ver­sa: mais de ins­tru­men­to pa­ra ins­tru­men­to. Ti­nha as ba­ses de bai­xos e gui­tar­ras e o Ri­car­do com­ple­tou. Tal­vez te­nha si­do uma con­ver­sa me­nos ver­bal, e sim, mais mu­si­cal.

A ideia de jor­na­da ge­o­grá­fi­ca es­tá sem­pre as­so­ci­a­da, creio eu, a to­do o pro­je­to Ji­bóia. Nes­te dis­co, as vi­a­gens ga­nham ain­da mais im­por­tân­cia.

De fac­to, es­sa vi­a­gem sem­pre exis­tiu. Ape­sar de a música, à par­ti­da, ser co­no­ta­da mais com o Mé­dio Ori­en­te, mais in­di­a­na – as es­ca­las fa­zem lem­brar is­so. Nes­te dis­co quis dis­si­par um pou­co a coi­sa do Mé­dio Ori­en­te: os no­mes das mú­si­cas são ci­da­des de to­do o mun­do; a ca­pa tam­bém já não se pren­de só com uma ima­gem li­ga­da à Ín­dia – co­mo eu com um tur­ban­te. E mes­mo “Ma­sa­la” sig­ni­fi­ca “Mis­tu­ra”. As mi­nhas in­fluên­ci­as são mui­to mais do que só o Mé­dio Ori­en­te. Te­nho ou­vi­do mui­to mais música afri­ca­na e bra­si­lei­ra do que pro­pri­a­men­te in­di­a­na... ago­ra o gran­de de­sa­fio é que nem tu­do se­ja tão iden­ti­fi­cá­vel. Mas, de fac­to, quan­do com­po­nho, as idei­as vão qua­se ba­ter sem­pre a es­sas es­ca­las.

Quem o ou­ve tam­bém cria ima­gens na ca­be­ça e, com es­te dis­co, a que eu cri­ei foi a da per­so­na­gem Ji­bóia, de tur­ban­te na ca­be­ça, a pas­se­ar- se pe­las ci­da­des de que fa­la nas mú­si­cas: São Pau­lo, An­ca­ra, Dubai, a vir a Lisboa…

É uma hi­pó­te­se! Mas ti­ran­do o tur­ban­te de vez em quan­do. Mas is­so tem pi­a­da... é um bo­ca­do por aí. Aque­la per­so­na­gem a pas­se­ar nes­sas ci­da­des. Ele ser le­va­do tan­to por es­sas ci­da­des que, vol­ta e meia, até ti­ra o tur­ban­te e vol­ta e meia até fi­ca só com uma ca­mi­sa às flo­res – no Bra­sil, ou coi­sa que o va­lha. A vi­a­gem tam­bém po­de mu­dar a per­so­na­gem.

Co­mo é que vê es­ta “Ma­sa­la” ao vi­vo? O pro­je­to tam­bém cres­ce por aqui?

Sim, é a se­gun­da par­te da pro­du­ção: em ter­mos de concertos, de men­sa­gem, dar uma coi­sa di­fe­ren­te no pal­co. Dan­tes era só eu, com um apa­ra­to pe­que­no. Ago­ra, qua­se que pos­so vi­rar as coi­sas pa­ra ou­tro cir­cui­to mais rock por­que te­nho a ba­te­ria do Ri­car­do Martins.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.