Saú­de. Ques­tões den­tá­ri­as du­ran­te a gra­vi­dez não são di­fe­ren­tes das ou­tras

Saú­de. O Dia Mun­di­al da Saú­de Oral ce­le­bra-se já no dia me­tro 20 de mar­ço e o quis per­ce­ber por­que é que gran­de per­cen­ta­gem de grá­vi­das evi­ta exa­mes den­tá­ri­os. Se­rá que a ex­pres­são po­pu­lar, que nos deu es­te tí­tu­lo, tem ra­zão de ser?

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA -

Es­pe­ci­a­lis­ta diz que ex­pres­são po­pu­lar “ca­da fi­lho cus­ta um den­te” não pas­sa de “cren­di­ces”, uma vez que a ges­ta­ção “não sig­ni­fi­ca pro­ble­mas nos den­tes e nas gen­gi­vas”. Mas se es­tes já exis­ti­rem, “po­dem agra­var-se”. Pre­ven­ção é de­ci­si­va

“Mui­tas grá­vi­das con­si­de­ram que não de­vem fa­zer tra­ta­men­tos den­tá­ri­os por cau­sa da sua con­di­ção, mas es­te é um con­cei­to er­ra­do”, co­me­ça por cla­ri­fi­car o mé­di­co den­tis­ta Nu­no Ale­gria. “As grá­vi­das de­vem an­tes de mais con­sul­tar o mé­di­co den­tis­ta e es­cla­re­cer que ti­po de exa­mes po­dem ou não ser re­a­li­za­dos”, co­me­ça por ex­pli­car “É acon­se­lhá­vel a mu­lher re­a­li­zar uma con­sul­ta de me­di­ci­na den­tá­ria an­tes da gra­vi­dez, de for­ma a evi­tar in­fe­ções orais du­ran­te es­te pe­río­do, po­den­do efe­tu­ar to­dos os tra­ta­men­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra tal”, avan­ça.

“Os tra­ta­men­tos den­tá­ri­os ur­gen­tes po­dem e de­vem ser re­a­li­za­dos du­ran­te a gra­vi­dez. É pre­fe­rí­vel sub­me­ter a grá­vi­da a ra­di­o­gra­fi­as e/ou anes­te­sia e/ou a me­di­ca­ção do que exis­tir a pos­si­bi­li­da­de de uma in­fe­ção com ori­gem na ca­vi­da­de oral”, diz ain­da. Mas, afi­nal, que pro­ble­mas den­tá­ri­os sur­gem mais fre­quen­te­men­te na gra­vi­dez? “Exis­te a ideia de que as grá­vi­das têm mais pro­ba­bi­li­da­de de so­fre­rem pro­ble­mas den­tá­ri­os, so­bre­tu­do aquan­do da gra­vi­dez. Há quem di­ga ‘ca­da fi­lho cus­ta um den­te’. Di­ria que es­ta­mos a fa­lar de cren­di­ces, uma vez que a gra­vi­dez não sig­ni­fi­ca pro­ble­mas nos den­tes e nas gen­gi­vas”, ar­gu­men­ta Nu­no Ale­gria. O que é cer­to é que é co­mum ou­vir grá­vi­das e mães re­cen­tes a quei­xa­rem-se da saú­de bu­cal. “O que acon­te­ce é que a gra­vi­dez des­po­le­ta vá­ri­as al­te­ra­ções hor­mo­nais que po­dem acen­tu­ar pro­ble­mas já exis­ten­tes. Se, ao en­gra­vi­dar, a mu­lher ti­ver gen­gi­vas sau­dá­veis, elas vão con­ti­nu­ar. Mas se ti­ver pro­ble­mas den­tá­ri­os, es­tes po­dem agra­var-se”, diz.

Aci­ma de tu­do, nes­te mês da Saú­de Oral, fi­ca o aler­ta: “Es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.