UMA VI­SÃO TRI­DI­MEN­SI­O­NAL

YOUTH­LESS Se­bas­ti­a­no Fer­ran­ti e Alex Kli­mo­vitsky re­gres­sam aos dis­cos com “This Glo­ri­ous No Age”. Con­ver­sá­mos com Alex so­bre o dis­co que é tam­bém uma re­fle­xão so­ci­al.

Metro Portugal (Lisbon) - - CULTO - BRU­NO MARTINS

Os Youth­less es­ti­ve­ram uns tem­pos sem gra­var. Sei que o Alex tam­bém te­ve uma le­são nas cos­tas que o im­pe­diu de to­car e en­tão cons­truí­ram as can­ções mais len­ta­men­te. Is­so tem re­fle­xo nes­te no­vo “This Glo­ri­ous No Age”? Acho que sim. Por exem­plo, o pri­mei­ro tra­ba­lho que com­pu­se­mos foi fei­to e gra­va­do em dez di­as – era tu­do mui­to ins­tan­tâ­neo. Es­te foi fei­to em di­fe­ren­tes pe­río­dos de ins­pi­ra­ção – com­pú­nha­mos e gra­vá­va­mos quan­do po­día­mos. Es­te é um dis­co mui­to di­fe­ren­te da­qui­lo que fi­ze­mos an­tes. Ain­da tem o la­do vis­ce­ral, com bai­xo e ba­te­ria – que é o nos­so som –, mas tem mui­tos ou­tros tons. Coi­sas mais do­ces, ou­tras mais es­cu­ras. Sin­to que é mais tri­di­men­si­o­nal, que en­tra mais fun­do. Mas, tal co­mo ou­tros dis­cos, é uma fo­to­gra­fia de mo­men­tos da nos­sa vi­da. Es­ta tal­vez se­ja uma fo­to­gra­fia mais pa­no­râ­mi­ca. “This Glo­ri­ous No Age” é tam­bém a vos­sa re­fle­xão dos tem­pos que vi­ve­mos? Exa­ta­men­te. Não é uma crí­ti­ca, mas é an­tes uma ob­ser­va­ção pes­so­al so­bre a era em que vi­ve­mos. Vi­ve­mos nu­ma épo­ca glo­ri­o­sa, sen­ti­mos que es­ta­mos a vi­ver à bei­ra de al­go mui­to im­por- tan­te e o mun­do oci­den­tal ou vai sen­tir uma mu­dan­ça ou uma que­da mui­to gran­de; mas ao mes­mo tem­po pa­re­ce que es­ta­mos num pe­río­do sem ca­rá­ter: to­da a gen­te es­tá ob­ce­ca­da com o pas­sa­do. Cul­tu­ral­men­te, o que vês são “cor­ta-e-co­la” dos anos 70, 80, 90... Até aqui­lo que o Do­nald Trump diz é com­pa­ra­do com o pe­río­do na­zi nos anos 30 e 40! Es­ta­mos sem­pre à es­pe­ra de re­vi­ver o pas­sa­do, de no­vos ci­clos que já acon­te­ce­ram... Mas não dei­xa­mos de es­tar com­ple­ta­men­te ob­ce­ca­dos pe­lo fu­tu­ro, à es­pe­ra de uma uto­pia di­gi­tal. Ou en­tão de um apo­ca­lip­se. Com um olho no pas­sa­do e ou­tro no fu­tu­ro, vi­ve­mos nu­ma era va­zia? Is­so mes­mo. E a música que dá no­me ao dis­co diz is­so mes­mo. Vi­ve­mos atra­vés do pas­sa­do, com os olhos no fu­tu­ro, mas é mui­to di­fí­cil sen­tir­mos, nes­te mo­men­to, uma se­gu­ran­ça. Mas po­der vi­ver es­te mo­men­to é bru­tal e acho que só dan­do o va­lor a is­so mes­mo é que faz com que o fu­tu­ro não se­ja um apo­ca­lip­se. A ar­te – e vo­cês co­mo mú­si­cos, co­mo com­po­si­to­res – tem um pa­pel im­por­tan­te nes­se ape­lo? O ar­tis­ta de­ve ter o pa­pel de aler­ta ou de mo­tor da mu­dan­ça? A ar­te é im­por­tan­tís­si­ma. Pas­sei al­guns anos a sen­tir-me mal por achar que a ar­te era al­go nar­ci­sis­ta. Mas não: há mui­tos es­cri­to­res que fa­lam dis­so. Marshall McLuhan, que nos in­flu­en­ci­ou mui­to nas idei­as des­te dis­co, o Bec­kett... ao ser o ob­ser­va­dor, ao apon­tar, já aju­da mui­to a so­ci­e­da­de. O McLuhan diz que a so­ci­e­da­de de­mo­ra uns 200 anos a aper­ce­ber-se da­qui­lo que já pas­sou. Nós de­mo­ra­mos mui­to tem­po a adap­tar-nos: só ago­ra é que es­ta­mos a ha­bi­tu­ar-nos à pre­sen­ça da ele­tri­ci­da­de! Os ar­tis­tas, por tra­ba­lha­rem mais com o in­cons­ci­en­te, pa­re­ce que es­tão a trans­mi­tir uma ideia fu­tu­ris­ta, mas não: es­tão a tra­ba­lhar no pre­sen­te! Não me que­ro me­ter nes­se pan­teão (ri­sos), mas há coi­sas que os ar­tis­tas es­tão a apon­tar que é im­por­tan­te dar aten­ção.

DR

“This Glo­ri­ous No Age”, de Alex Kli­mo­vitsky e Se­bas­ti­a­no Fer­ran­ti, es­tá dis­po­ní­vel pa­ra down­lo­ad gra­tui­to em

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.