Dis­co

“ii”, cri­a­do en­tre Ber­lim e a Ma­dei­ra, é o pri­mei­ro ál­bum do quar­te­to Li­i­ma

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MARTINS

Foi há dois anos que o ba­te­ris­ta fin­lan­dês se jun­tou à ban­da for­ma­da pe­los di­na­mar­que­ses Mads Brau­er, Cas­per Clau­sen e Ras­mus Stol­ber­go. A ban­da ti­nha edi­ta­do o dis­co “Pi­ra­mi­da” e pre­ci­sa­va de um ba­te­ris­ta pa­ra as di­gres­sões. Ta­tu Rönkkö aca­bou por se tor­nar me­lhor que a en­co­men­da: jun­tou-se aos ra­pa­zes e a di­nâ­mi­ca de tra­ba­lho con­du­ziu-os a um no­vo pro­je­to. Eis os Li­i­ma – tra­du­zin­do do fin­lan­dês pa­ra o por­tu­guês, te­mos a pa­la­vra “co­la” – uma ban­da que le­vou as idei­as mu­si­cais dos Ef­ter­klang pa­ra ou­tros pa­ta­ma­res. Com mais ele­men­tos ele­tró­ni­cos, mais ex­pe­ri­men­tal, a em­bru­lhar-se em MPC, sam­plers e te­cla­dos.

En­con­tra­mos Cas­per Clau­sen ali na zo­na do Sal­da­nha, em Lisboa, pa­ra uma con­ver­sa so­bre es­tas no­vas idei­as. O mú­si­co, que em­pres­ta a voz aos Li­i­ma, é ho­je ha­bi­tan­te de Lisboa. “Gos­to mui­to da­qui. É mui­to di­fe­ren­te dos sí­ti­os on­de vi­vi: seis anos em Ber­lim e dez em Co­pe­nha­ga. É uma ci­da­de com mui­tas in­fluên­ci­as, quer da par­te mais mo­der­na, co­mo da mais tra­di­ci­o­nal.”

Os Li­i­ma têm os seus qua­tro ele­men­tos es­pa­lha­dos por três paí­ses: um na Fin­lân­dia, dois na Di­na­mar­ca e um em Por­tu­gal. Mas tam­bém é da li­ber­da­de de mo­vi­men­tos e pro­cu­ra de ou­tras re­fe­rên­ci­as que o gru­po se faz. “O nos­so prin­ci­pal pe­río­do de com­po­si­ção acon­te­ce nas Re­si­dên­ci­as”, con­ta Cas­per. “ii” co­me­çou a ser fei­to nu­ma pe­que­na ca­ba­na na Fin­lân­dia, se­guiu de­pois pa­ra Ber­lim, Ale­ma­nha; deu um sal­to até Is­tam­bul, na Tur­quia; e ter­mi­nou na Ilha da Ma­dei­ra, no meio do Atlân­ti­co por­tu­guês. “São es­ses pe­río­dos, uma ou du­as se­ma­nas lon­ge de ca­sa em que po­de­mos es­tar mais con­cen­tra­dos. Se ti­ver­mos to­do o tem­po do mun­do… não fa­ze­mos na­da”, ri-se o vo­ca­lis­ta.

Cas­per apon­ta pa­ra a im­por­tân­cia de ha­ver san­gue no­vo e idei­as no­vas nes­te pro­je­to que dá ago­ra os pri­mei­ros pas­sos e que po­de­rá pas­sar em bre­ve por Lisboa – pa­ra concertos e, ob­vi­a­men­te, uma re­si­dên­cia cri­a­ti­va. “O Ta­tu tem uma per­so­na­li­da­de for­te e en­tur­mou-se na­tu­ral­men­te. É im­por­tan­te re­fres­car as idei­as nas re­la­ções e a não dar sem­pre tu­do co­mo ga­ran­ti­do”, sa­li­en­ta. “O dis­co soa-me a fres­co, mas pe­la for­ma co­mo foi fei­to, com mui­ta e mais es­pon­ta­nei­da­de. De cer­ta for­ma, é an­ti­qua­do, mas fei­to com sons no­vos, a par­tir de sam­ples. Di­ria que é ele­tró­ni­ca de ga­ra­gem.”

Mo­vi­men­tos Os Li­i­ma têm os qua­tro mem­bros em três paí­ses. Mas tam­bém é da li­ber­da­de de mo­vi­men­tos e pro­cu­ra de ou­tras re­fe­rên­ci­as que a ban­da se faz.

THO­MAS M. JAUK

THO­MAS M. JAUK

Em ci­ma: Mads Brau­er e Ta­tu Rönkkö; em bai­xo: Cas­per Clau­sen e Ras­mus Stol­berg. Uni­dos, em fa­mí­lia, pe­la bus­ca de no­va música.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.