É fa­vor sal­tar co­mo se não hou­ves­se ama­nhã!

A Boun­ce tem já no­ve es­pa­ços na Aus­trá­lia, Ja­pão e Dubai. Em de­zem­bro, che­gou à Eu­ro­pa. E sim, aqui bem per­to de nós, em Por­tu­gal.

Metro Portugal (Lisbon) - - FOCUS - PATRÍCIA TADEIA www.boun­ceinc.pt

Diz o di­ta­do po­pu­lar que “Não há ale­gria sem so­bres­sal­to”. Pois bem, de­pois de pas­sar pe­la Boun­ce Por­tu­gal, o me­tro acre­di­ta que “não há ale­gria sem es­tes sal­tos”. São mais de 100 tram­po­lins que trans­for­mam qual­quer adul­to nu­ma cri­an­ça com um brin­que­do no­vo. A di­ver­são es­tá ga­ran­ti­da num pro­je­to que já é um su­ces­so, ape­sar de con­tar com ape­nas pou­co mais de três me­ses de exis­tên­cia em Por­tu­gal.

Es­te foi um con­cei­to im­por­ta­do da Aus­trá­lia e que che­gou a Por­tu­gal em de­zem­bro. O es­pa­ço Boun­ce, inau­gu­ra­do em Al­fra­gi­de, é tam­bém o pri­mei­ro da Eu­ro­pa. “Abri­mos no dia 11 de de­zem­bro do ano pas­sa­do. Fo­ram cer­ca de dois me­ses e meio de cons­tru­ção. Pa­ra mim, foi um pro­je­to bas­tan­te ali­ci­an­te”, re­cor­da ao me­tro Pe­dro Afon­so, di­re­tor de mar­ke­ting da Boun­ce Por­tu­gal que, con­fes­sa, nun­ca ti­nha ou­vi­do fa­lar da Boun­ce... até fa­zer par­te do pro­je­to: “Es­te é um con­cei­to aus­tra­li­a­no. E nun­ca ti­nha vis­to al­go do gé­ne­ro até ir à Aus­trá­lia. Por­tu­gal tem o pri­mei­ro es­pa­ço Boun­ce da Eu­ro­pa. Mas pre­vê-se que ain­da es­te ano nas­çam mais na Sué­cia, Ale­ma­nha, Fran­ça e Rús­sia”, re­ve­la.

Des­de a aber­tu­ra, a Boun­ce Por­tu­gal já re­ce­beu cer­ca de 28 mil pes­so­as. “Ao fim de semana é a loiu­cu­ra, ao sá­ba­do cos­tu­ma­mos ter em mé­dia cer­ca de 1.200 pes­so­as e ao do­min­go 1.100”, avan­ça Pe­dro Afon­so. Mais de 100 tram­po­lins in­ter­li­ga­dos cri­am o ambiente nes­te es­pa­ço. Pe­lo meio, vá­ri­as áre­as. En­tre elas es­tá uma área de “Dodge Ball” – pa­ra o co­nhe­ci­do jo­go do “ma­ta” – ou uma zo­na de “Slam Dunk”, com ces­tos de basquetebol pa­ra trei­nar afun­dan­ços. De des­ta­car ain­da a exis­tên­cia de uma área cri­a­da es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra Por­tu­gal, com uma ba­li­za pa­ra fu­te­bol. “Aqui po­dem trei­nar pon­ta­pés de bi­ci­cle­ta e re­ma­tes acro­bá­ti­cos”, ex­pli­ca o res­pon­sá­vel. No to­tal são cer­ca de 50 pes­so­as que fa­zem da Boun­ce Por­tu­gal um es­pa­ço se­gu­ro. “Ca­da área tem pe­lo me­nos um mo­ni­tor. Au­men­ta pa­ra dois ou três ca­so se tra­te de uma au­la com cri­an­ças”, ex­pli­ca ain­da Pe­dro Afon­so.

Na Boun­ce Por­tu­gal há ain­da um es­pa­ço com um me­ga tram­po- lim pa­ra os mais aven­tu­rei­ros ou ex­pe­ri­en­tes e au­las de Boun­ce Fit. “Pri­mei­ro qui­se­mos que as pes­so­as co­nhe­ces­sem o es­pa­ço, que sou­bes­sem o que é sal­tar num tram­po­lim, por­que em Por­tu­gal não te­mos es­se há­bi­to. Os ame­ri­ca­nos e aus­tra­li­a­nos com­pram um tram­po­lim e co­lo­cam-no no quin­tal [ri­sos]. De­pois de es­ta­rem fa­mi­li­a­ri­za­das, criá­mos as au­las de Boun­ce Fit, as­so­ci­an­do o ‘fit’ à di­ver­são”, diz Pe­dro Afon­so. E foi a is­so mes­mo que as­sis­ti­mos com al­guns alu­nos des­ta au­la, sem­pre com o olhar aten­to do pro­fes­sor Ivo Pin­to. “Quan­do sal­ta­mos no tram­po­lim, to­dos os mús­cu­los se con­tra­em por­que é um es­tí­mu­lo di­fe­ren­te pa­ra o cor­po. Saí­mos da nos­sa zo­na de con­for­to”, ex­pli­ca Ivo. “É pre­ci­so sal­tar de for­ma con­tro­la­da e sus­ten­ta­da e sem­pre com o ab­do­mi­nal con­traí­do. Os alu­nos têm gos­ta­do. É uma gran­de li­ber­ta­ção de stress”, con­clui.

A or­ga­ni­za­ção acon­se­lha os seus cli­en­tes a fa­ze­rem uma mar­ca­ção pré­via se pre­ten­de­rem vi­si­tar o es­pa­ço du­ran­te o fim de semana.,

Ani­ver­sá­ri­os A Boun­ce or­ga­ni­za ain­da fes­tas de ani­ver­sá­rio que con­sis­tem num mis­to de di­ver­são na are­na e em sa­la sem­pre acom­pa­nha­dos por um “host”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.