Des­de tri­lhos da Cos­ta Vi­cen­ti­na na eli­te eu­ro­peia pas­san­do pe­lo fu­tu­ro das es­tra­das. Um es­pe­ci­al pa­ra o Dia Mun­di­al da Ár­vo­re

A Ro­ta Vi­cen­ti­na, re­de de 400 qui­ló­me­tros de tri­lhos pe­des­tres pe­la cos­ta do Alen­te­jo e Al­gar­ve, con­quis­tou cer­ti­fi­ca­ção eu­ro­peia pa­ra os seus per­cur­sos, a “pri­mei­ra do oes­te eu­ro­peu”.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - LU­SA

Ci­ta­ção “Com es­ta apos­ta, a Ro­ta Vi­cen­ti­na es­pe­ra ga­nhar ain­da mais a con­fi­an­ça do pú­bli­co in­ter­na­ci­o­nal mais exi­gen­te” As­so­ci­a­ção Ro­ta Vi­cen­ti­na con­gra­to­lu- se com a boa no­tí­cia atra­vés de co­mu­ni­ca­do

Em co­mu­ni­ca­do, a Ro­ta Vi­cen­ti­na (RV) re­ve­lou que, a par­tir de ago­ra, os­ten­ta a cer­ti­fi­ca­ção eu­ro­peia “Le­a­ding Qu­a­lity Trails – Best of Eu­ro­pe”, atri­buí­da pe­la Eu­ro­pe­an Ram­blers As­so­ci­a­ti­on (ERA), que é “a en­ti­da­de má­xi­ma a ní­vel eu­ro­peu na or­ga­ni­za­ção do se­tor dos per­cur­sos pe­des­tres”. “Es­te se­lo de qua­li­da­de foi ins­pi­ra­do no se­lo ale­mão ‘Wan­der­ba­res Deut­ch­land Qu­a­li­ta­etsweg’, que, há mui­tos anos, cer­ti­fi­ca e re­co­nhe­ce a qua­li­da­de de uma im­por­tan­te re­de de tri­lhos na Ale­ma­nha”, ex­pli­cou a as­so­ci­a­ção que ge­re a re­de de per­cur­sos que li­ga as re­giões do Alen­te­jo e Al­gar­ve.

A cer­ti­fi­ca­ção ago­ra con­quis­ta­da é “bas­tan­te exi­gen­te” e abran­ge “di­ver­sos fa­to­res” so­bre os tri­lhos, no­me­a­da­men­te “a qua­li­da­de e na­tu­re­za do pi­so, be­le­za da pai­sa­gem, se­gu­ran­ça, aces­so a ofer­ta tu­rís­ti­ca, in­for­ma­ção aos ca­mi­nhan­tes e qua­li­da­de da mar­ca­ção do per­cur­so, en­tre mui­tos ou­tros”, re­fe­riu a RV.

A vis­to­ria por par­te da en­ti­da­de cer­ti­fi­ca­do­ra “obri­gou à re­ti­fi­ca­ção de al­guns de­ta­lhes téc­ni­cos, mas, no es­sen­ci­al, a Ro­ta Vi­cen­ti­na pas­sou no tes­te com dis­tin­ção e uma pon­tu­a­ção bas­tan­te aci­ma do mí­ni­mo exi­gi­do”, dis­se. Se­gun­do a RV, es­te é “um pas­so fun­da­men­tal” pa­ra a “afir­ma­ção in­ter­na­ci­o­nal da cos­ta alen­te­ja­na e vi­cen­ti­na co­mo des­ti­no de ca­mi­nha­das e de tu­ris­mo de na­tu­re­za”. “Com es­ta apos­ta, a As­so­ci­a­ção Ro­ta Vi­cen­ti­na es­pe­ra ga­nhar ain­da mais a con­fi­an­ça do pú­bli­co in­ter­na­ci­o­nal mais exi­gen­te” e uma “mai­or no­to­ri­e­da­de jun­to de po­ten­ci­ais no­vos ca­mi­nhan­tes”, po­de ler-se no co­mu­ni­ca­do.

A Eu­ro­pe­an Ram­blers As­so­ci­a­ti­on já cer­ti­fi­cou um to­tal de 12 rotas na Eu­ro­pa, em paí­ses co­mo Di­na­mar­ca, Ale­ma­nha, Áus­tria, Lu­xem­bur­go, Gré­cia e, ago­ra, Por­tu­gal. A cer­ti­fi­ca­ção ob­ti­da pe­la Ro­ta Vi­cen­ti­na é mes­mo a pri­mei­ra do oes­te eu­ro­peu: “Tra­ta-se de uma es­treia em to­da a Eu­ro­pa oci­den­tal, o que se re­ve­la uma enor­me van­ta­gem com­pe­ti­ti­va”, fri­sou a RV.

Es­ta re­de de per­cur­sos pe­des­tres ao lon­go da cos­ta su­do­es­te de Por­tu­gal so­ma já cer­ca de 400 qui­ló­me­tros pa­ra ca­mi­nhar en­tre San­ti­a­go do Ca­cém (Alen­te­jo) e o Ca­bo de São Vi­cen­te (Al­gar­ve). Inau­gu­ra­da em 2012, a RV foi de­sen­vol­vi­da por en­ti­da­des pú­bli­cas e em­pre­sá­ri­os lo­cais, que apos­tam no tu­ris­mo de na­tu­re­za co­mo “via de de­sen­vol­vi­men­to in­con­tor­ná­vel pa­ra es­ta re­gião tão es­pe­ci­al”, lem­brou a as­so­ci­a­ção.

123RF

LUÍS CARDOSO

Se­gun­do a Ro­ta Vi­cen­ti­na, es­te é “um pas­so fun­da­men­tal” pa­ra a “afir­ma­ção in­ter­na­ci­o­nal da cos­ta alen­te­ja­na e vi­cen­ti­na co­mo des­ti­no de ca­mi­nha­das e de tu­ris­mo de na­tu­re­za”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.