O PI­A­NO DE TI­A­GO É UMA AR­MA

Metro Portugal (Lisbon) - - CULTO - BRU­NO MARTINS

É exa­ta­men­te is­so. O dis­co cons­ti­tui-se por uma sé­rie de tra­ba­lhos que têm vin­do a ser fei­tos ao lon­go do tem­po – en­tre o lan­ça­men­to do “Sam­sa­ra” e do “Co­ro das Von­ta­des”. São te­mas fei­tos a par­tir de tra­ba­lhos que ti­nha es­ta­do a de­sen­vol­ver, com um ca­rá­ter mais es­pe­cí­fi­co co­mo ban­das so­no­ras, ou te­mas que fiz a mei­as – com o Tó Trips ou com a Re­bec­ca Roth. É um dis­co con­ce­tu­al­men­te me­nos co­e­so, mas não dei­xa de ter idei­as por trás, que são as idei­as que se re­fe­rem, so­bre­tu­do, à mi­nha for­ma de fa­zer as coi­sas. O tí­tu­lo, “Um Pi­a­no nas Bar­ri­ca­das”, su­ge­re que o pi­a­no aca­ba por es­tar sem­pre na raiz da sua lin­gua­gem ar­tís­ti­ca. Sim, uma ló­gi­ca de cons­tru­ção e de pen­sa­men­to que atra­ves­sa a mi­nha música e es­te pro­ces­so ao lon­go dos tem­pos. No fun­do, tem que ver com a ati­tu­de com que abor­do o ins­tru­men­to. Te­nho uma li­ga­ção mui­to an­ti­ga, apren­di a to­car com a mi­nha avó quan­do era mes­mo mui­to pe­que­no, mas ali aos oi­to anos aca­bei por me des­li­gar um pou­co, por ser um ins­tru­men­to com um pe­so aca­dé­mi­co mui­to for­te. Em ado­les­cen­te, há ou­tras coi­sas que pa­re­cem mais en­tu­si­as­man­tes e to­do o uni­ver­so do rock in­de­pen­den­te aca­bou por en­trar na mi­nha vi­da. Co­mo vol­tou ao pi­a­no? Hou­ve dois as­pe­tos que me fi­ze­ram abor­dar de vol­ta. Um de­les que era fun­da­men­tal: ne­ces­si­da­de de re­en­con­tro co­mi­go pró­prio. A música que es­ta­va a fa­zer era uma có­pia mui­to fi­el das coi­sas que me ins­pi­ra­vam e en­tão o pi­a­no po­de­ria ser o des­blo­que­ar des­sa si­tu­a­ção, ao fa­zer-me re­gres­sar a uma fa­se mais for­ma­ti­va das nos­sas vi­das – a in­fân­cia. Des­co­bri um pa­tri­mó­nio imen­so de música que es­ta­va na mi­nha ca­be­ça. A par­tir daí, fui ali­men­tan­do es­sa pai­xão pe­la música mais eru­di­ta – ou an­ti­ga, co­mo quei­ram cha­mar. Mas a ati­tu­de pe­ran­te o ins­tru­men­to e pe­lo meio foi de al­gu­ma dis­tan­ci­a­ção pe­ran­te os as­pe­tos mais prá­ti­cos, com a pro­je­ção do aca­de­mis­mo e vir­tu­o­sis­mo. Foi es­se o le­van­tar da bar­ri­ca­da com o pro­pó­si­to de des­co­brir-me a mim pró­prio mui­to mais do que ten­tar fa­zer as coi­sas de for­ma in­te­gral­men­te fi­el a um cer­to câ­no­ne. Quan­do fa­la em ati­tu­de, fa­la do em­pe­nho pes­so­al que co­lo­ca nas su­as com­po­si­ções? Tem que ver com a ma­nei­ra de fa­zer as coi­sas: quan­do vol­tei a to­car pi­a­no, abriu-se a pos­si­bi­li­da­de de vol­tar a ter au­las. Mas não quis por­que já ti­nha pas­sa­do por is­so. Sou um bo­ca­do cas­mur­ro e as coi­sas têm de me fa­zer sen­ti­do. Os pro­fes­so­res de música, nor­mal­men­te, se­guem uma car­ti­lha e is­so nun­ca me fez mui­to sen­ti­do. Há um cer­to des­fa­sa­men­to com a “Um Pi­a­no nas Bar­ri­ca­das” aca­ba por ser o con­cre­ti­zar des­sa sua abor­da­gem à música. A con­ce­ção do dis­co tem es­sa abor­da­gem e ati­tu­de – a reu­nião de te­mas que foi ex­plo­ran­do de for­ma li­vre ao lon­go do seu tra­ba­lho com o pi­a­no. Pre­ci­sa­men­te. No fun­do, é o acu­mu­lar de to­da es­sa ex­pe­ri­ên­cia. O dis­co aca­ba por ser sim­bó­li­co pa­ra mim por ser um pon­to fi­nal do pon­to de vis­ta es­té­ti­co e da acu­mu­la­ção de to­dos es­tes co­nhe­ci­men­tos que es­ta­va a re­fe­rir ao lon­go dos úl­ti­mos dois anos. Quan­do co­me­cei a pen­sar no dis­co, sen­ti que al­gu­ma coi­sa em mim es­ta­va a mu­dar: a mi­nha música da­qui pa­ra a fren­te se­rá di­fe­ren­te na con­ce­ção, per­ce­ção e do­mí­nio da lin­gua­gem. Até ago­ra, foi sem­pre mui­to ex­pe­ri­men­tal, as­su­mir que o fa­lhan­ço é uma boa par­te do en­si­no que re­ce­be­mos – e te­nho fa­lha­do es­pe­ta­cu­lar­men­te! É a tal ati­tu­de de des­po­ja­men­to, de não que­rer que se­ja tu­do um es­pe­tá­cu­lo de lu­zes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.