BLACK MOUNTAIN

En­tre­vis­ta com os ca­na­di­a­nos so­bre o no­vo dis­co, “IV ”

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - RUI ALE­XAN­DRE CO­E­LHO

Nes­tas dez fai­xas há a ten­ta­ção de de­di­car um olhar de­mo­ra­do aos tí­tu­los. “Mother of the Sun”, “You Can Dre­am”, “Cons­tel­la­ti­ons”... a per­gun­ta é: olhar pa­ra trás e pa­ra ci­ma ins­pi­ra-vos? Acho que sim. Às ve­zes olha­mos pa­ra o pas­sa­do em bus­ca de con­se­lhos, por ve­zes es­prei­ta­mos o fu­tu­ro em bus­ca de es­pe­ran­ça. Es­ta­mos sem­pre presos no meio. Há coi­sas no pas­sa­do que in­tri­gam, e é in­te­res­san­te por­que é aber­to à in­ter­pre­ta­ção e à me­mó­ria. É es­sen­ci­al­men­te uma sé­rie de so­nhos de pes­so­as e de co­mo es­tas se lem­bram de­les. Há coi­sas es­cri­tas em li­vros que se diz se­rem cor­re­tas e his­tó­ri­cas, mas, no fun­do, não po­de­mos ter a cer­te­za. O pas­sa­do é es­tra­nho. Em ter­mos so­no­ros, pa­ra on­de nos le­va es­te dis­co? Há um lu­gar à es­pe­ra dos ou­vin­tes ou é di­ver­ti­do pôr fãs, jor­na­lis­tas e res­tan­te fau­na as­so­ci­a­da à pro­cu­ra de al­go que não exis­te? Pro­cu­rar es­se lu­gar é o que fa­ze­mos. Tal­vez por is­so te­nha­mos de­mo­ra­do tan­to tem­po (ndr: seis anos) a edi­tar is­to. Es­tá­va­mos a ten­tar per­ce­ber pa­ra on­de ir, até por­que hou­ve a mu­dan­ça de um mem­bro [ndr: o bai­xis­ta Matt Ca­mi- rand deu lu­gar a Co­lin Cowan]. A da­da al­tu­ra, só tí­nha­mos o que se­ria o pri­mei­ro sin­gle des­te dis­co, “Mothers of the Sun”. A fai­xa foi es­cri­ta há anos, na al­tu­ra do dis­co “In The Fu­tu­re” (2008); na al­tu­ra não a lan­çá­mos. Mas as­sim que fi­ze­mos mais al­gu­mas, tu­do se compôs. Tam­bém é im­por­tan­te não as to­car de­ma­si­a­do. Ca­da um tem o seu gos­to es­pe­ci­al, há coi­sas às quais não qu­e­res so­ar, mas há aci­den­tes fe­li­zes. Es­tás ali no es­tú­dio, aqui­lo soa di­fe­ren­te, mas olha­mos e de re­pen­te pen­sa­mos: “Olha que fi­xe que is­to fi­cou.” Nes­se sen­ti­do, tra­ba­lhar com [o pro­du­tor] Ran­dall Dunn foi ex­ce­len­te: ele con­se­guiu ti­rar de nós o som e a fi­de­li­da­de ide­ais pa­ra o ál­bum. Es­sa tro­ca de ele­men­tos na ban­da aba­lou-vos mui­to? Tro­car um mú­si­co mu­da sem­pre qual­quer coi­sa. Quan­do o Matt Por­tu­gal re­ce­be as três pri­mei­ras da­tas da vos­sa lon­ga di­gres­são pe­la Eu­ro­pa e EUA. O que é mais gra­ti­fi­can­te quan­do se pas­sa tan­to tem­po na es­tra­da? Olha, quan­do se dá um con­cer­to es­pe­ta­cu­lar, de­pois co­nhe­ces gen­te des­ses sí­ti­os e par­ti­lhas coi­sas com elas... se­ja co­mi­da, co­pos ou idei­as. Nós so­mos aque­les fan­tas­mi­nhas que an­dam por aí, em di­fe­ren­tes ci­da­des, e de­pois, so­bre­tu­do, ao fim de se­ma­na, apro­vei­tam quan­do to­da a gen­te es­tá ap­ta a dar tu­do. É a vos­sa pri­mei­ra vez a to­car aqui em Por­tu­gal. É tam­bém a pri­mei­ra vez que vi­si­tam o País? Pes­so­al­men­te, já cá vim an­tes com a mi­nha ou­tra ban­da (Pink Moun­tain­tops). Es­ti­ve­mos tam­bém no Porto. Foi fi­xe. Des­ta vez, an­tes do con­cer­to [no Hard Club, sá­ba­do] ti­ve­mos tem­po pa­ra fa­zer umas jams e co­mer umas, co­mo é que lhe cha­mam mes­mo... ah!, lit­tle­fren­chi­es [fran­ce­si­nhas]!

MAG­DA­LE­NA WOSINSKA

Ca­mi­rand dei­xou a ban­da, per­deu-se uma for­te quí­mi­ca. À da­ta, não sa­bía­mos se de­ve­ría­mos con­ti­nu­ar e ti­ve­mos de es­pe­rar pe­lo mo­men­to cer­to e a pes­soa cer­ta pa­ra a ins­pi­ra­ção vol­tar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.