E se os seus fi­lhos lhe pe­di­rem pa­ra pas­sa­rem as fé­ri­as no Oce­a­ná­rio?

Até ao dia 1 de abril, o Oce­a­ná­rio de Lis­boa or­ga­ni­za as “Fé­ri­as De­bai­xo de Água”. Os mais pe­que­nos fi­cam a sa­ber mais so­bre a con­ser­va­ção dos Oce­a­nos en­quan­to se di­ver­tem.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - PA­TRÍ­CIA TA­DEIA

Fo­mos co­nhe­cer me­lhor o já fa­mo­so (e mui­to po­pu­lar en­tre os mais no­vos) pro­gra­ma de la­zer do Oce­a­ná­rio, “Fé­ri­as De­bai­xo de Água”

“Sa­bem co­mo é que a es­tre­la-do-mar se ali­men­ta? Lan­ça o estô­ma­go pe­la bo­ca, pa­ra al­can­çar a co­mi­da, e vol­ta a ‘en­go­li-lo’.” Se­guem-se inú­me­ros “blargh” ou “blergh” ou ain­da “urgh”. En­tre brin­ca­dei­ras, o Oce­a­ná­rio de Lis­boa le­va até às cri­an­ças uma men­sa­gem im­por­tan­te: a da con­ser­va­ção dos oce­a­nos. E es­tas fé­ri­as da Pás­coa não são ex­ce­ção.

“Ho­je sou...” é o mo­te pa­ra a edi­ção do pro­gra­ma “Fé­ri­as De­bai­xo de Água”, que es­tá a de­cor­rer até à pró­xi­ma sex­ta-fei­ra. São cin­co di­as temáticos, ca­da um fo­ca­do nu­ma pro­fis­são. Os vi­sa­dos são cri­an­ças dos 4 aos 12 anos que, em gru­pos pe­que­nos, vi­si­tam es­te gran­de aquá­rio en­quan­to fi­cam a sa­ber mais so­bre ca­da uma das pro­fis­sões – quan­do o me­tro vi­si­tou o Oce­a­ná­rio, era dia de ser ad­vo­ga­do dos Oce­a­nos.

“Mas afi­nal, que pro­fis­são é es­ta?”, per­gun­tá­mos. “É uma pes- soa que pro­te­ge os oce­a­nos, que de­fen­de os ani­mais ma­ri­nhos!”, es­cla­re­ce-nos a pe­que­na Inês ime­di­a­ta­men­te.

Tem 9 anos de ida­de e é uma das cri­an­ças ins­cri­tas nes­tas “Fé­ri­as De­bai­xo de Água”. “Gos­to de ani­mais e pre­o­cu­po-me com eles. Es­tou a achar mui­to gi­ro fi­car a sa­ber mais so­bre eles”, avan­ça. “A his­tó­ria que mais me sur­pre­en­deu foi a das ané­mo­nas. Elas têm ape­nas um ori­fí­cio e, por is­so, co­mem e de­fe­cam por lá”, con­ta... meio en­ver­go­nha­da.

Pa­ra To­más, a experiência não po­dia ser me­lhor: “Es­tá a ser mui­to di­ver­ti­do, por­que es­ta­mos a apren­der e a brin­car ao mes­mo tem­po!” Quan­do cres­cer, quer ser bió­lo­go. “Es­tá de­ci­di­do. Os ani­mais são se­res vi­vos mag­ní­fi­cos”, diz do al­to dos seus 9 anos. “De­vía­mos dar-lhes mais va­lor. São cri­a­tu­ras que pre­ci­sam de ser es­tu­da­das!”, afir­ma, con­fes­san­do ter ado­ra­do o pei­xe-ba­lão. E quan­to ao ani­mal mais es­tra­nho? “O ba­ca­lhau do Atlân­ti­co! É mui­to gran­de e se cres­cer mais po­de ul­tra­pas­sar o meu ta­ma­nho atu­al!”, con­ta.

Além da pro­fis­são de ad­vo­ga­do dos oce­a­nos, ao lon­go des­tes di­as os mais pe­que­nos fi­cam ain­da a sa­ber o que faz um bió­lo­go, um veterinário, um edu­ca­dor ma­ri­nho ou um mer­gu­lha­dor. “O pro­gra­ma ex­plo­ra as pro­fis­sões ao mes­mo tem­po que sen­si­bi­li­za os par­ti­ci­pan­tes pa­ra a im­por­tân­cia dos oce­a­nos pa­ra o pla­ne­ta e pa­ra a hu­ma­ni­da­de”, in­for­ma a or­ga­ni­za­ção ao me­tro.

“Ao lon­go da vi­si­ta pe­lo Oce­a­ná­rio, o te­ma da con­ser­va­ção dos oce­a­nos é abor­da­do, bem co­mo to­dos os pro­ble­mas, mas sem­pre de uma for­ma po­si­ti­va. De­pois das visitas, as cri­an­ças fa­zem uma cam­pa­nha, em que põem em prá­ti­ca o que apren­de­ram”, ex­pli­ca Su­sa­na Ca­brei­ra, do de­par­ta­men­to de Edu­ca­ção do Oce­a­ná­rio de Lis­boa.

“A ideia é sen­si­bi­li­zar pa­ra a con­ser­va­ção dos oce­a­nos, mas co­mo es­ta­mos em fé­ri­as, pre­pa­rá­mos ati­vi­da­des lú­di­cas e di­ver­ti­das que es­ti­mu­lem a cu­ri­o­si­da­de dos mais pe­que­nos”, con­clui a res­pon­sá­vel.

Ci­ta­ção “Que­ro ser bió­lo­go. Es­tá de­ci­di­do. Os ani­mais são se­res vi­vos mag­ní­fi­cos e que de­vem ser es­tu­da­dos. De­vía­mos dar-lhes mais va­lor” To­más, 9 anos

Ci­ta­ção “A pro­fis­são de que mais gos­tei foi a de edu­ca­do­res ma­ri­nhos. Di­ver­ti-me imen­so! Vou lem­brar-me pa­ra sem­pre des­tes di­as” Inês, 9 anos

PEDRO A. PI­NA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.