Fu­são agra­da ao re­gu­la­dor

Ser­vi­ços. A Au­to­ri­da­de da Mobilidade e dos Trans­por­tes de­fen­de a fu­são da ad­mi­nis­tra­ção dos por­tos por­tu­gue­ses.

Metro Portugal (Lisbon) - - ECONOMIA -

“Não se per­ce­be es­ta con­tes­ta­ção, por­que [a con­cen­tra­ção] só vem be­ne­fi­ci­ar o Porto de Se­tú­bal, por­que pas­sa a en­trar na re­de prin­ci­pal”, afir­mou on­tem o pre­si­den­te da Au­to­ri­da­de da Mobilidade e dos Trans­por­tes (AMT), João Car­va­lho, re­al­çan­do es­tar “com­ple­ta­men­te de acor­do” com a op­ção do Go­ver­no, que no pas­sa­do dia 3 apro­vou uma ad­mi­nis­tra­ção con­jun­ta pa­ra os por­tos de Lis­boa, Se­tú­bal e Sesimbra.

Se­gun­do o pre­si­den­te da AMT, es­tar con­tra es­ta con­cen­tra­ção é “pen­sar pe­que­ni­no”, sen­do con­trá­rio à ten­dên­cia a ní­vel eu­ro­peu, em que se as­sis­tem a fu­sões en­tre por­tos de paí­ses di­fe­ren­tes. “Es­ta­mos a as­sis­tir a fu­sões en­tre por­tos fin­lan­de­ses e su­e­cos”, lem­brou João Car­va­lho.

Ain­da se­gun­do o lí­der da AMT, “há pou­cos di­as” o Go­ver­no pe­diu “uma pro­nún­cia” so­bre a Uber, re­cu­san­do por is­so a pro­nun­ci­ar-se so­bre a le­ga­li­da­de da pla­ta­for­ma que for­ne­ce o ser­vi­ço de trans­por­te. Ain­da as­sim, o res­pon­sá­vel dis­se que “ne­nhum se­tor de ati­vi­da­de po­de es­tar aci­ma da lei”. A AMT tem 10 di­as úteis pa­ra emi­tir o pa­re­cer pe­di­do pe­lo Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te, que tu­te­la os trans­por­tes ur­ba­nos.

Go­ver­no ale­ga a pro­mo­ção da co­or­de­na­ção es­tra­té­gi­ca pa­ra pro­ce­der à fu­são das in­fra­es­tru­tu­ras por­tuá­ri­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.