Ci­ta­ção

Metro Portugal (Lisbon) - - CINEMA -

“A es­tru­tu­ra de co­man­do e o sen­ti­do de obe­di­ên­cia são fun­da­men­tais. Sem is­so, se­ria o ca­os e a anar­quia (...) As al­tas pa­ten­tes mi­li­ta­res não po­dem ser fei­tas de gen­te que he­si­ta” sou ca­paz de en­trar men­tal­men­te nes­sa es­fe­ra e ver a vi­da atra­vés des­sa ou­tra pers­pe­ti­va. Sal­tan­do ago­ra pa­ra o ter­re­no re­al da guer­ra que exis­te mes­mo, que opinião tem do Da­esh ou de ou­tro qual­quer exér­ci­to me­nos tra­di­ci­o­nal? Acha que ma­tar é um di­rei­to quan­do es­ta­mos a ten­tar re­cu­pe­rar uma ter­ra que di­ze­mos ser nos­sa? Ora bem, aí já es­ta­mos a fa­lar de uma ques­tão que nun­ca con­se­gui­mos re­sol­ver ao lon­go des­tes úl­ti­mos dois mil anos: o va­lor da ter­ra. Quan­do um exér­ci­to in­va­de e se apro­pria de ou­tros paí­ses, co­mo a Alemanha fez du­ran­te a úl­ti­ma gran­de guer­ra, o que apa­re­ce lo­go é uma no­va des­cri­ção da re­a­li­da­de. Di­zem que Deus os aju­dou e que ad­qui­ri­ram cer­tas áre­as por­que aqui­lo sem­pre foi de­les. Fa­zem-nos crer que me­re­ci­am a vi­tó­ria. Is­so, pa­ra mim, é sem­pre mui­to con­tro­ver­so e tem gran­des im­pli­ca­ções. No ca­so do Da­esh, es­ta­mos a as­sis­tir ao mes­mo pro­ble­ma. Lu­tar por um pe­da­ço de ter­ra con­ti­nua a es­tar li­ga­do ao con­tro­lo dos re­cur­sos na­tu­rais. Du­vi­do que o Da­esh ten­tas­se con­quis­tar aque­la zo­na do glo­bo se o sub­so­lo não ti­ves­se pe­tró­leo. Va­mos ver o que o fu­tu­ro nos traz. Tem-se fa­la­do mui­to de mi­no­ri­as. Até no ci­ne­ma. A úl­ti­ma ce­ri­mó­nia dos Ós­ca­res foi do­mi­na­da pe­la lu­ta de uma mi­no­ria. Co­mo na­ve­ga nes­tas águas se o te­ma é a mu­lher? Ou­vi di­zer que, pa­ra es­te no­vo fil­me, a per­so­na­gem ti­nha si­do es­cri­ta ini­ci­al­men­te pa­ra um ho­mem… Te­rão de ser as au­di­ên­ci­as a de­ci­dir. É de­las o de­ver de dar so­lu­ção a es­te pro­ble­ma. O ci­ne­ma que es­ta­mos a fa­zer é uma ati­vi­da­de co­mer­ci­al que cus­ta mui­to, mui­to di­nhei­ro a con­cre­ti­zar. Se ca­lhar te­ria si­do pos­sí­vel cons­truir três hos­pi­tais com o di­nhei­ro gas­to e ge­ra­do por es­te fil­me. O fil­me car­re­ga con­si­go uma gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al e fi­nan­cei­ra. Por is­so lhe di­go: é o pú­bli­co que tem de exi­gir uma no­va ma­nei­ra de ver as coi­sas. O que no­to é que o pú­bli­co já im­plo­ra por uma ma­nei­ra no­va de ver as coi­sas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.