Mac­kle­mo­re & Ryan Lewis, da ce­le­bra­da du­pla hip hop de Se­at­tle, to­mam ho­je con­ta da MEO Are­na. An­tes, leia a en­tre­vis­ta com os au­to­res do no­vo “This Un­ruly Mess I’ve Ma­de”

Ao vi­vo. Mac­kle­mo­re & Ryan Lewis es­trei­am-se ho­je em Por­tu­gal no MEO Are­na, em Lis­boa. Con­ver­sá­mos com Ben Hag­gerty so­bre o no­vo “This Un­ruly Mess I’ve Ma­de”.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - AMAN­DA SMITH

©

Não foi fá­cil con­ver­sar com o vo­ca­lis­ta des­ta du­pla que ar­ra­sou com as ta­be­las de ven­das de dis­cos em 2014 e que até con­quis­tou o Grammy pa­ra Me­lhor Dis­co de Hip Hop. A li­ga­ção te­le­fó­ni­ca es­tá tre­mi­da, tam­bém por cul­pa de an­da­rem a sal­ti­tar en­tre ho­téis na di­gres­são do no­vo dis­co que ater­ra ho­je no MEO Are­na, em Lis­boa. A aju­dar, Ben fa­la con­nos­co com a fi­lha be­bé ao co­lo, que pa­re­ce ra­bu­gen­ta. Mas a coi­sa vai-se dan­do: “Ela é o mo­ti­vo pa­ra mui­tas das coi­sas que ex­pres­so no dis­co”, con­fes­sa Mac­kle­mo­re, o MC.

De­pois do su­ces­so de “The Heist”, o ob­je­ti­vo era co­me­çar do ze­ro. “Foi um bo­ca­di­nho assustador re­co­me­çar”, de­sa­ba­fa. “No en­tan­to, is­so não tem que ver com su­ces­so ou in­su­ces­so, mas an­tes com al­go que sem­pre sen­ti en­quan­to es­cri­tor de can­ções. Fi­co sem­pre na dú­vi­da so­bre a pró­xi­ma música que vou es­cre­ver. Mas es­se me­do de­sa­pa­re­ce no mo­men­to em que te­mos três ou qua­tro can­ções e nos dei­xa­mos en­vol­ver no pro­ces­so.” Pa­ra es­se en­vol­vi­men­to ser ain­da mai­or, Mack e o pro­du­tor Ryan par­ti­ram pa­ra lon­ge e iso­la­ram-se nu­ma ca­ba­na no no­ro­es­te do dos EUA. “O pro­ces­so cri­a­ti­vo vem sem­pre das ex­pe­ri­ên­ci­as pes­so­ais e o de­se­jo de trans­for­má-las em arte.”

Can­ções co­mo “Can’t Hold Us” ou “Sa­me Lo­ve” dei­xa­ram mar­ca num uni­ver­so mais pop do gé­ne­ro hip hop. Em “This Un­ruly Mess I’ve Ma­de” há fai­xas que po­dem ter a mes­ma for­ça, mas is­so não é al­go que pas­se pe­la ca­be­ça dos mú­si­cos que se fa­zem acom­pa­nhar de di­ver­sos e va­ri­a­dos con­vi­da­dos co­mo Ed She­e­ran, DJ Pre­mi­er, KRS-One ou An­der­son .Pa­ak. “A in­ten­ção é sem­pre ser o mais hu­ma­no pos­sí­vel. De­pois, daí, con­se­guir li­gar-me às pes­so­as. Não a to­das, mas a al­gu­mas. Se me pu­ser a pen­sar em es­cre­ver can­ções ins­pi­ra­do­ras, as coi­sas po­dem dar pa­ra o tor­to e não vir de um sí­tio au­tên­ti­co.”

Nu­ma al­tu­ra em que os EUA es­tão a bra­ços com uma ten­sa si­tu­a­ção so­ci­al no que a ques­tões ra­ci­ais diz res­pei­to, Mac­kle­mo­re tam­bém quis dei­xar, nes­te dis­co, o seu pon­to de vis­ta. As­sim nas­ceu o te­ma “Whi­te Pri­vi­le­ge II”, fai­xa que vol­tou a le­van­tar al­gu­mas ques­tões no seio da co­mu­ni­da­de hip hop: se­rá que um bran­co tem o “di­rei­to” de can­tar so­bre os pro­ble­mas dos ne­gros? “Es­sa música co­me­ça a nas­cer na noi­te em que o agen­te Dar­ren Wil­son ma­tou Mi­cha­el Brown. Hou­ve uma pes­soa [Mac­kle­mo­re não quer di­zer qu­em] que me dis­se que eu de­via di­zer o que pen­sa­va e mos­trar aos meus fãs o que se es­ta­va a pas­sar”, re­cor­da. “É uma for­ma de mos­trar aqui­lo que se es­tá a pas­sar nos EUA, e a for­ma in­jus­ta co­mo as pes­so­as ne­gras es­tão a ser tra­ta­das pe­las for­ças po­li­ci­ais. É di­fí­cil fa­lar nos EUA des­tes te­mas, por mui­to mo­ti­vos, por is­so foi uma can­ção com­pli­ca­da de es­cre­ver, mas por is­so tam­bém é, tal­vez, a can­ção de que mais me orgulho”, con­fes­sa. “Não só pe­la música, mas sim pe­la con­ver­sa que é cri­a­da e que creio que é im­por­tan­te que se­ja cri­a­da.”

JA­SON KOENIG

Mac­kle­mo­re (esq.) e Ryan Lewis (dta.) es­trei­am-se ho­je em Por­tu­gal. Os bilhetes pa­ra o MEO Are­na (20h) cus­tam en­tre os €31 e os €46.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.