Di­nas­ti­as

Metro Portugal (Lisbon) - - ECONOMIA - PEDRO TUNA

Ain­da que em di­men­são su­pe­rem o con­cei­to de gran­de par­te das em­pre­sas fa­mi­li­a­res, So­nae, Amo­rim ou Je­ró­ni­mo Mar­tins são o exem­plo de gru­pos fun­da­dos no ca­rá­ter de in­di­ví­du­os e nas re­la­ções de in­te­res­se das su­as fa­mí­li­as, ao pon­to das su­as his­tó­ri­as se con­fun­di­rem com a his­tó­ria de vi­da des­sas pes­so­as. Nes­sas em­pre­sas, a subs­ti­tui­ção dos lí­de­res são por na­tu­re­za pe­río­dos de agi­ta­ção e an­si­e­da­de. Des­de lo­go, sa­ber se a su­ces­são se­rá di­nás­ti­ca ou se­rão aten­di­dos os su­pe­ri­o­res in­te­res­ses da em­pre­sa, ocu­pan­do o lu­gar aque­le que se re­ve­lar mais ca­paz, den­tro ou fo­ra do es­pec­tro fa­mi­li­ar. O BA­NIF é exem­plo de co­mo a su­ces­são de­ve­rá ser um as­sun­to pen­sa­do em águas cal­mas e não no meio da tur­bu­lên­cia. So­nae e Je­ró­ni­mo fi­ze­ram-no com apa­ren­te su­ces­so. Se­gue-se no tes­te a Amo­rim.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.