Da­ko­ta John­son era co­nhe­ci­da por ser fi­lha de Me­la­nie Grif­fith e Don John­son. Ago­ra, com o no­vo th­ril­ler eró­ti­co “A Big­ger Splash – Mer­gu­lho Pro­fun­do”, a jo­vem atriz ame­ri­ca­na apre­sen­ta o seu ir­re­sis­tí­vel ta­len­to ao mun­do

De­pois de “As 50 Som­bras de Grey”, Da­ko­ta John­son re­gres­sa ao gran­de ecrã em “Mer­gu­lho Pro­fun­do”. As pai­sa­gens quen­tes da ilha vul­câ­ni­ca de Pan­tel­le­ria (Si­cí­lia) são pal­co de in­tri­gas, paixão, de­se­jos e trai­ção. E biquí­nis re­du­zi­dos.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMERA PÁGINA - JOHN-MI­GUEL SACRAMENTO

Nas­ceu na li­nha­gem vis­to­sa de uma di­nas­tia do ci­ne­ma. Ter­cei­ra ge­ra­ção. Ai o pe­so da res­pon­sa­bi­li­da­de num dos pal­cos mais uni­ver­sais! A mãe é Me­la­nie Grif­fith, colaboradora dos mai­o­res de Hollywo­od e her­dei­ra da ino­cên­cia sá­bia que já vem de Mae West e Ma­rilyn. O pai é um íco­ne te­le­vi­si­vo cha­ma­do Don John­son, da sé­rie “Mi­a­mi Vi­ce”, bo­ne­co que ador­nou to­da a boa sa­la de es­tar com te­le­vi­sor, sím­bo­lo de uma jus­ti­ça cheia de nu­an­ce e mui­to bem ves­ti­da em co­res de bla­zer ro­sa ou bran­co. Cres­ceu no for­ma­to vi­su­al. A avó de­la é Tip­pi He­dren, mu­sa de Hit­ch­cock e de to­dos nós. A Da­ko­ta, nas­ci­da em 1989, em Aus­tin, no coração mu­si­cal e uni­ver­si­tá­rio do Te­xas. O pa­dras­to de­la cha­ma-se An­to­nio Ban­de­ras. O cor­po rock ‘n’ roll da se­reia dos olhos gran­des apa­re­ce es­ta se­ma­na nou­tro pre­pa­ro es­cal­dan­te. Es­que­çam o tra­ba­lho apre­sen­ta­do em “As 50 Som­bras de Grey”, on­de fez de Anas­ta­sia, a es­ta­giá­ria de No­va Ior­que com as hor­mo­nas em fo­go e um pa­trão com von­ta­de de co­lo­car mo­las da rou­pa nos sí­ti­os mais es­qui­si­tos. No no­vo fil­me de Lu­ca Gu­a­dag­ni­no, “Mer­gu­lho Pro­fun­do”, a sua pre­sen­ça vem acom­pa­nha­da de ato­res tão res­pei­ta­dos quan­to in­ti­mi­dan­tes. Mais ar­ris­ca­do ain­da pa­ra es­ta mo­ça no­va, o ce­ná­rio ao lar­go é tór­ri­do. “Fil­má­mos em Pan­tel­le­ria. Aqui­lo é uma es­pé­cie de gran­de pe­dra vul­câ­ni­ca que ar­ma­ze­na o sol du­ran­te o dia. Faz ca­lor o tem­po to­do. A ilha é uma das per­so­na­gens do fil­me”, dis­se ela. O mis­té­rio do sus­pen­se, com luz e bri­lho, es­tá vi­vo. Há tan­tas li­ga­ções amo­ro­sas pe­ri­go­sas nes­te fil­me, não acha? As­sim, de um mo­do ge­ral, co­mo vê a ne­ces­si­da­de de com­pa­nhia con­ju­gal: dá con­si­go à pro­cu­ra de na­mo­ro ou, pe­lo con­trá­rio, não se im­por­ta de es­tar so­zi­nha, pre­fe­re es­tar so­zi­nha, quer es­tar so­zi­nha? Pes­so­al­men­te, não sin­to que só me sin­to com­ple­ta quan­do te­nho na­mo­ra­do. Dou gran­de va­lor à mi­nha so­li­dão e gos­to de pen­sar que to­da a con­cen­tra­ção es­tá a ser ca­na­li­za­da pa­ra o tra­ba­lho. Não creio que uma pes­soa pre­ci­se de se man­ter nu­ma re­la­ção pa­ra se de­fi­nir co­mo in­di­ví­duo. É im­por­tan­te sa­ber – e aqui es­tou a fa­lar so­bre­tu­do da mu­lher jo­vem – que é per­fei­ta­men­te acei­tá­vel ir co­nhe­cer o mun­do, ex­plo­rar ou­tras li­ga­ções pes­so­ais e tu­do aqui­lo que faz de nós pes­so­as úni­cas. Uma mu­lher jo­vem tem de ter cons­ci­ên­cia que a sua vi­da não de­ve ser vi­vi­da em fun­ção das ex­pe­ta-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.