Os Ana­quim es­tão de vol­ta aos ál­buns com “Um Dia Des­tes”

ANA­QUIM “Um Dia Des­tes” é o dis­co que marca o re­gres­so da ban­da de Coimbra. Jo­sé Re­bo­la ex­pli­ca-nos me­lhor.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MAR­TINS

O vos­so úl­ti­mo dis­co, “Des­ne­ces­sa­ri­a­men­te Com­pli­ca­do”, foi edi­ta­do em 2012. O que é que es­ti­ve­ram a fa­zer en­tre­tan­to? Hou­ve uma evo­lu­ção natural, pas­san­do de um ál­bum um pou­co mais ex­pe­ri­men­tal, pa­ra um dis­co mais co­e­so, mais só­li­do, on­de há um te­ma pre­pon­de­ran­te – o amor e o de­sa­mor – e en­ca­ra­do de uma ma­nei­ra mais se­re­na. Nin­guém con­ta his­tó­ri­as de amor a cor­rer. Es­tes qua­tro anos ser­vi­ram pa­ra en­con­trar um rit­mo pró­prio pa­ra con­tar es­tas 12 no­vas his­tó­ri­as. E con­tar his­tó­ri­as sem­pre foi uma marca vos­sa. É pre­ci­so tem­po pa­ra as sa­ber con­tar e vi­ver al­gu­mas de­las? Al­gu­mas de­las são-nos bas­tan­te pró­xi­mas e ou­tras são de pes­so­as com quem con­vi­ve­mos ou de coi­sas que le­mos. A ins­pi­ra­ção aca­ba por ser mui­to o quo­ti­di­a­no. Mu­si­cal­men­te, co­mo é que des­cre­ve a evo­lu­ção dos Ana­quim pa­ra es­te dis­co? No­ta-se uma mai­or li­ga­ção ao coun­try, ao folk e ao blu­e­grass? Os rit­mos que nos ca­ra­te­ri­zam – o jazz ma­nou­che, coun­try e blu­e­grass –... pen­so que es­tão lá to­dos. Mas jun­tá­mos tam­bém al­gu­ma or­ques­tra­ção que já es­ta­va pre­sen­te no pri­mei­ro dis­co: jo­go de si­nos, a me­ló­di­ca... é a fu­são das di­fe­ren­tes coi­sas que fo­mos fa­zen­do até ago­ra. Além do la­do dos amo­res e de­sa­mo­res, a vos­sa mú­si­ca tam­bém se ca­ra­te­ri­za por ter um la­do mais sar­cás­ti­co pa­ra com te­mas po­lí­ti­co-so­ci­ais. É uma tra­di­ção de Ana­quim e tal­vez uma he­ran­ça da ci­da­de de on­de são, Coimbra. Não fa­ze­mos jor­na­lis­mo. Os te­mas que acha­mos que va­lem a pe­na ser abor­da­dos, tam­bém os ador­na­mos e ten­ta­mos pôr, de cer­ta for­ma, ap­tos pa­ra uma cró­ni­ca li­te­rá­ria, di­ga­mos as­sim. Pes­so­as co­mo Ze­ca Afon­so ou Sér­gio Go­di­nho fa­zi­am por ne­ces­si­da­de – mas­ca­rar as men­sa­gens –, en­quan­to nós fa­ze­mos por op­ção. Não que­re­mos um des­pe­jar de pa­la­vras de or­dem, de for­ma a ter um va­lor mais es­té­ti­co e, se qui­ser­mos, tam­bém li­te­rá­rio. O Jor­ge Pal­ma e a Luí­sa So­bral são dois con­vi­da­dos do dis­co. Co­mo sur­gi­ram es­tas co­la­bo­ra­ções com dois ar­tis­tas tam­bém eles com tan­ta li­ga­ção à es­cri­ta? O Jor­ge tem le­tras lin­dís­si­mas, não só na men­sa­gem co­mo na es­co­lha das pa­la­vras. Ele é um dos gi­gan­tes. Foi a co­la­bo­ra­ção que fi­cou pa­ra úl­ti­mo e nas­ce de uma li­ga­ção de fe­li­zes aca­sos: achá­mos que a mú­si­ca, “Apon­tar é Feio”, ia mui­to pa­ra o ter­ri­tó­rio de­le e a hi­pó­te­se de o con­vi­dar ga­nhou for­ça e ele aca­bou por acei­tar. E a Luí­sa? Foi al­go mais pre­me­di­ta­do re­la­ti­va­men­te a al­guém que co­nhe­cía­mos do pal­co e de fo­ra de pal­co. Ela trans­mi­te uma do­çu­ra e uma uni­ver­sa­li­da­de ao te­ma pa­ra o qual foi es­co­lhi­da, o “Há Sem­pre Qual­quer Coi­sa”, que dá um pon­to de vis­ta mas­cu­li­no e fe­mi­ni­no que re­sul­tou às mil ma­ra­vi­lhas. De­pois de Por­to e Lis­boa, sex­ta-fei­ra le­vam as no­vas can­ções a Coimbra, no Te­a­tro Aca­dé­mi­co Gil Vi­cen­te. O que es­pe­rar des­te con­cer­to em ca­sa? Fo­mos mui­to bem re­ce­bi­dos no Por­to e em Lis­boa e ago­ra que­re­mos mui­to to­car em ca­sa! De­pois de tan­to tem­po de com­po­si­ção, ago­ra é óti­mo le­vá-las a ca­sa.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.