Me­lhor star­tup do mun­do foi cri­a­da pa­ra so­lu­ci­o­nar pro­ble­mas em ca­sa

In­ter­net. Pre­ci­sa de um ca­na­li­za­dor? Ou de um ele­tri­cis­ta? E não sa­be por on­de co­me­çar a pro­cu­rar? Em Za­ask.com po­de com­pa­rar e es­co­lher a me­lhor so­lu­ção.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - PA­TRÍ­CIA TA­DEIA

Um dia, Luís Pe­dro Mar­tins e Ki­ru­ba Eswa­ran ti­ve­ram uma ideia. Por­que não cri­ar uma pla­ta­for­ma online que aju­das­se os cli­en­tes a en­con­trar o pro­fis­si­o­nal cer­to pa­ra re­a­li­zar qual­quer ser­vi­ço, em qual­quer ho­ra ou lo­cal? As­sim nas­cia a Za­ask.com. “Que­ría­mos cri­ar um ne­gó­cio de raiz e fa­zer al­go que re­al­men­te mar­cas­se a di­fe­ren­ça. Es­tá­va­mos em 2012, no pi­co da cri­se, e a ideia ori­gi­nal era ter uma pla­ta­for­ma que apro­vei­tas­se o tem­po que as pes­so­as de­sem­pre­ga­das têm, co­lo­can­do-o à dis­po­si­ção de quem não ti­nha tem­po”, co­me­ça por con­tar Luís, que na al­tu­ra es­ta­va a fa­zer o Lis­bon MBA, on­de aca­bou por co­nhe­cer o seu atu­al só­cio Ki­ru­ba Eswa­ran. “Am­bos vi­a­já­va­mos com re­gu­la­ri­da­de pa­ra o es­tran­gei­ro a ní­vel pro­fis­si­o­nal e per­ce­be­mos quão di­fí­cil era con­tra­tar ser­vi­ços lo­cais no pou­co tem­po que pas­sá­va­mos em Lis­boa. A Za­ask nas­ce, por­tan­to, do fac­to de de­te­tar­mos que ha­via uma fa­lha tre­men­da no mer­ca­do e por ter­mos uma von­ta­de in­trín­se­ca de ser­mos em­pre­en­de­do­res”, ex­pli­ca ao me­tro.

A Za­ask con­ta ho­je com cer­ca de 30 co­la­bo­ra­do­res e uma co­mu­ni­da­de de 45.000 pro­fis­si­o­nais/em­pre­sas re­gis­ta­dos. Em 2015, ge­rou uma fa­tu­ra­ção aci­ma dos 25M€. “Te­mos já mais de 200.000 pro­je­tos re­a­li­za­dos ao to­do – um nú­me­ro que re­ve­la bem o ca­mi­nho que tem si­do fei­to nos úl­ti­mos anos.” Ho­je em dia, a Za­ask tor­nou-se na “prin­ci­pal en­gre­na­gem no mer­ca­do da con­tra­ta­ção de ser­vi­ços”, as­se­gu­ra Luís.

Aqui, en­con­tra ser­vi­ços lo­cais das mais va­ri­a­das áre­as, “des­de even­tos a au­las, pas­san­do pe­los ser­vi­ços pa­ra a ca­sa, bem-es­tar”, diz. “Na Za­ask, as pes­so­as não têm que per­der tem­po, nem di­nhei­ro a pro­cu­rar um pro­fis­si­o­nal que as aju­de num qual­quer pro­je­to pessoal im­por­tan­te (exem­plos: ca­te­ring pa­ra fes­ta de ani­ver­sá­rio ou ex­pli­ca­ções de ma­te­má­ti­ca)”, enu­me­ra. “O cli­en­te diz-nos o que pre­ci­sa e não tem de se pre­o­cu­par com mais na­da. Co­lo­ca­mos o cli­en­te em con­tac­to com pro­fis­si­o­nais dis­po­ní­veis, quan­do e on­de o cli­en­te pre­ci­sa, com in­for­ma­ção va­li­da­da (car­tei­ra pro­fis­si­o­nal, re­des so­ci­ais) e aces­so às ava­lia- ções de cli­en­tes pas­sa­dos, que lhe per­mi­tem per­ce­ber o ní­vel de con­fi­an­ça que po­de­rão ter num de­ter­mi­na­do pro­fis­si­o­nal”, afir­ma ain­da.

O su­ces­so do pro­je­to es­tá bem vi­sí­vel. Re­cen­te­men­te, re­ce­beu o pré­mio de me­lhor star­tup do mun­do, saí­da de um MBA (MBA Award 2015 na ca­te­go­ria de “MBA En­tre­pre­neu­ri­al Ven­tu­re”). “É um re­co­nhe­ci­men­to que nos dei­xa re­al­men­te or­gu­lho­sos. Sa­be­mos o po­ten­ci­al da pla­ta­for­ma, mas re­ce­ber um pré­mio in­ter­na­ci­o­nal é tam­bém um in­cen­ti­vo ao pro­ces­so de in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção e ex­pan­são pa­ra ou­tros mer­ca­dos. Es­te pré­mio po­de­rá ser, sem dú­vi­da, um óti­mo im­pul­si­o­na­dor”, con­clui.

© DR

A me­lhor star­tup do mun­do, saí­da de um MBA, é por­tu­gue­sa e foi fun­da­da por dois alu­nos do The Lis­bon MBA, Luís Mar­tins e Ki­ru­ba Eswa­ran.

© DR

A pla­ta­for­ma online con­ta atu­al­men­te com cer­ca de 30 co­la­bo­ra­do­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.