Qua­se qui­nhen­tas pes­so­as ví­ti­mas de per­se­gui­ção

Nú­me­ro de quei­xas, prin­ci­pal­men­te de mu­lhe­res, au­men­tou no ano pas­sa­do, jun­to da APAV e da PSP

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA -

Em 2015, a As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Apoio à Ví­ti­ma (APAV) re­ce­beu 445 quei­xas de pes­so­as por per­se­gui­ção (stal­king), mais 104 ca­sos do que em 2014, se­gun­do da­dos da ins­ti­tui­ção, avan­ça­dos a pro­pó­si­to do dia na­ci­o­nal de sen­si­bi­li­za­ção pa­ra es­te ti­po de cri­me que ho­je se as­si­na­la. Fon­te da PSP não pre­ci­sou o nú­me­ro de quei­xas, fei­tas na po­lí­cia, mas ad­mi­tiu que há ca­sos e que têm vin­do a au­men­tar.

O stal­king é “uma for­ma de vi­o­lên­cia, um con­jun­to ou pa­drão de com­por­ta­men­tos de as­sé­dio per­sis­ten­te, di­ri­gi­do a uma pes­soa sem con­sen­ti­men­to des­ta”, ex­pli­cou à agên­cia Lu­sa Ema­nu­e­la Bra­ga.

A psi­có­lo­ga diz que mui­tas ve­zes co­me­ça de for­ma apa­ren­te­men­te ino­fen­si­va, com a ofer­ta de flo­res ou pre­sen­tes. De­pois, o per­se­gui­dor co­me­ça a apa­re­cer, co­mo se fos­se por aca­so, nos mes­mos lo­cais que a ví­ti­ma fre­quen­ta, e, “com o tem­po, as­su­me com­por­ta­men­tos ca­da vez mais in­ti­mi­da­tó­ri­os e de in­va­são da vi­da pri­va­da”. As ví­ti­mas po­dem e de­vem apre­sen­tar quei­xa, diz.

O stal­king es­tá cri­mi­na­li­za­do des­de se­tem­bro do ano pas­sa­do e Ema­nu­e­la Bra­ga avan­ça que a lei veio pro­te­ger as ví­ti­mas, ha­ven­do mais in­for­ma­ção e sen­si­bi­li­da­de pa­ra a ques­tão e pa­ra a ne­ces­si­da­de de de­nun­ci­ar os ca­sos.

123RF

Se­gun­do Ema­nu­e­la Bra­ga, as ví­ti­mas são es­sen­ci­al­men­te mu­lhe­res adul­tas e em 75% dos ca­sos têm ou ti­ve­ram um re­la­ci­o­na­men­to ro­mân­ti­co ou pró­xi­mo com o “stal­ker”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.