Edu­ca­ção. Cy­ber­bullying atin­ge ví­ti­mas 24 ho­ras por dia, se­te dias por se­ma­na

In­ter­net. Es­pe­ci­a­lis­tas ex­pli­cam co­mo iden­ti­fi­car, pre­ve­nir, me­tro in­ter­vir e com­ba­ter o cy­ber­bullying. O foi sa­ber mais so­bre es­te fenómeno na vés­pe­ra do Dia Na­ci­o­nal de Sen­si­bi­li­za­ção so­bre o Cy­ber­bullying.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - PATRÍCIA TA­DEIA

Dia Na­ci­o­nal de Sen­si­bi­li­za­ção so­bre o Cy­ber­bullying as­si­na­la-se ama­nhã com a apre­sen­ta­ção de um li­vro com “pis­tas e ori­en­ta­ções” pa­ra uma re­a­li­da­de de 10% a 20% dos jo­vens. Es­pe­ci­a­lis­tas ex­pli­cam co­mo iden­ti­fi­car, pre­ve­nir, in­ter­vir e com­ba­ter o fenómeno

“O cy­ber­bullying pro­vo­ca efei­tos mais ne­ga­ti­vos e per­ni­ci­o­sos so­bre a ví­ti­ma do que o bullying que ocor­re em con­tex­tos pre­sen­ci­ais, sen­do que a mai­o­ria dos ca­sos acon­te­ce fo­ra do ho­rá­rio es­co­lar, es­tan­do as ví­ti­mas su­jei­tas a se­rem agre­di­das 24 so­bre 24 ho­ras, 7 dias por se­ma­na.” Quem o de­fen­de ao me­tro são os au­to­res do li­vro “Cy­ber­bullying – Um Guia pa­ra Pais e Edu­ca­do­res”, que é apre­sen­ta­do ama­nhã a pro­pó­si­to do Dia Na­ci­o­nal de Sen­si­bi­li­za­ção So­bre o Cy­ber­bullying.

Só­nia Sei­xas, Luís Fernandes e Ti­to de Mo­rais jun­ta­ram-se pa­ra, com es­te li­vro, aler­tar pa­ra um fenómeno que atin­ge “10% a 20% dos jo­vens por­tu­gue­ses”. “Os jo­vens en­con­tram-se pou­co ap­tos e pou­co ci­en­tes das es­tra­té­gi­as pa­ra se pro­te­ge­rem on­li­ne”, afir­mam os au­to­res. O li­vro vem as­sim “for­ne­cer pis­tas e ori­en­ta­ções, não só pa­ra pais e edu­ca­do­res, mas igual­men­te di­re­ci­o­na­das às pró­pri­as cri­an­ças e jo­vens, e que fa­ci­li­tem uma mai­or cau­te­la e su­per­vi­são que, por seu la­do, aju­de a pre­ve­nir o de­sen­ro­lar de po­ten­ci­ais ações de cy­ber­bullying”, di­zem.

De acor­do com os au­to­res, es­tas ci­ber­ví­ti­mas, na mai­o­ria das ve­zes, “op­tam por não con­tar a nin­guém so­bre o cy­ber­bullying”. “Da­qui re­sul­tam si­tu­a­ções que, quan­do são de­te­ta­das, já se en­con­tram bas­tan­te en­rai­za­das na vi­da das ví­ti­mas e, na­tu­ral­men­te, com efei­tos bas­tan­te sig­ni­fi­ca­ti­vos nos seus quo­ti­di­a­nos”, in­for­mam.

O li­vro da Plá­ta­no Edi­to­ra é cons­ti­tuí­do por du­as par­tes: a pri­mei­ra de na­tu­re­za mais teó­ri­ca e a se­gun­da par­te de ca­rá­ter mais prá- ti­co. Nes­ta se­gun­da par­te, os au­to­res for­ne­cem “ori­en­ta­ções pa­ra a im­ple­men­ta­ção de um pla­no pa­ra pre­ve­nir, in­ter­vir e com­ba­ter o cy­ber­bullying”.

Os au­to­res es­cla­re­cem ain­da as di­fe­ren­ças en­tre bullying e cy­ber­bullying. “Não são fe­nó­me­nos idên­ti­cos, mas tam­bém não se tra­tam de opos­tos, po­de­mos afir­mar que o cy­ber­bullying é um up­gra­de do bullying di­to tra­di­ci­o­nal ou pre­sen­ci­al”, ex­pli­cam. “Ain­da que se ba­sei­em nos mes­mos pres­su­pos­tos, a sua ma­ni­fes­ta­ção e im­pli­ca­ções, são cla­ra­men­te di­fe­ren­ci­a­das. As agres­sões de cy­ber­bullying ad­qui­rem um ca­rá­ter de per­ma­nên­cia, da­da a mul­ti­pli­ci­da­de de lo­cais on­de os mes­mos po­dem ser vi­si­o­na­dos. Ao con­trá­rio do bullying pre­sen­ci­al que, ao ocor­rer em tem­po re­al, não po­de ser re­pro­du­zi­do ou ‘re­vi­si­ta­do’, no cy­ber­bullying, as ví­ti­mas vi­vem e re­vi­vem as agres­sões cons­tan­te­men­te”, con­clu­em.

© 123RF

O lan­ça­men­to do li­vro te­rá lu­gar ama­nhã na FNAC do Co­lom­bo, em Lis­boa, pe­las 18h30.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.