Jessica Chas­tain, atriz de ta­len­to e cré­di­tos fir­ma­dos, vê-se en­vol­vi­da nu­ma aven­tu­ra amo­ro­sa tres­pas­sa­da por lâ­mi­nas de dois gu­mes e co­ra­ções em san­gue. “O Ca­ça­dor e a Rai­nha do Ge­lo” es­treia-se ama­nhã

7ª ar­te. De­pois de “A Bran­ca de Ne­ve e o Ca­ça­dor”, es­treia ama­nhã “O Ca­ça­dor e a Rai­nha do Ge­lo”, es­pé­cie de pre­que­la do su­ces­so de 2012. Des­ta fei­ta, é Jessica Chas­tain, com o seu ta­len­to e be­le­za “ma­de in Ca­li­for­nia”, que to­ma con­ta da te­la.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - JOHN-MI­GUEL SACRAMENTO

O mun­do po­de­rá ter os seus mo­men­tos de tu­mul­to, mas fi­ca sem­pre tu­do mui­to mais su­por­tá­vel quan­do é pos­sí­vel en­con­trar a ima­gem em mo­vi­men­to da Jessica Chas­tain num ecrã gran­de. Olhar pe­ne­tran­te, in­qui­si­ti­vo. Pre­sen­ça for­te. Se­re­na co­mo a ne­ve, mas a fer­ver por den­tro co­mo um veio de vul­cão, a atriz ca­li­for­ni­a­na tem ser­vi­do per­so­na­gens ao mes­mo tem­po frá­geis e ina­mo­ví­veis, co­mo se o ob­je­ti­vo de­la fos­se ape­nas con­tra­di­zer to­das as ex­pe­ta­ti­vas da­qui­lo que uma mu­lher de­ve ser no no­vo sé­cu­lo. Não es­pe­rem que ela se sen­te num ban­qui­nho a li­mar as unhas e a ajei­tar as abas do cha­péu en­quan­to ten­ta pro­te­ger a tez de mo­ran­go do­ce. Já con­tra­ce­nou com He­len Mir­ren e Brad Pitt. Além dis­so, foi a ela quem, no “Ze­ro Dark Thirty”, eli­mi­nou Osa­ma bin La­den. E já tra­ba­lhou com ci­ne­as­tas co­mo Te­ren­ce Ma­lick ou Ch­ris­topher No­lan. No ano pas­sa­do, es­te­ve ao la­do de Matt Da­mon no fil­me “The Mar­ti­an”, do re­a­li­za­dor in­glês Ri­dley Scott. Es­ta se­ma­na sur­ge no no­vo “O Ca­ça­dor e a Rai­nha do Ge­lo”, fil­me que es­treia ama­nhã, ao la­do de Char­li­ze The­ron, Ch­ris Hemsworth e Emily Blunt nu­ma aven­tu­ra tres­pas­sa­da por lâ­mi­nas de dois gu­mes e co­ra­ções em san­gue. O per­cur­so ro­mân­ti­co da ga­ro­ta co­me­çou em Sacramento da Ca­li­fór­nia, 1977.

“Che­guei à con­clu­são que os meus fil­mes são to­dos his­tó­ri­as de amor. A mo­ti­va­ção prin­ci­pal, na­que­les tra­je­tos to­dos, é uma de­di­ca­ção e uma cau­sa apai­xo­nan­te. E is­so só é as­sim por­que sou uma gran­de cren­te na re­la­ção amo­ro­sa que se es­ta­be­le­ce en­tre du­as cri­a­tu­ras” “Dou co­mi­go a cho­rar com al­gu­ma frequên­cia, se­ja quan­do es­tou mui­to bem a ver uma pe­ça dra­má­ti­ca ou quan­do es­cu­to aten­ta­men­te um tre­cho de mú­si­ca. (...). Sou as­sim, não há na­da a fa­zer”

Que ti­po de fa­cul­da­de ar­tís­ti­ca foi obri­ga­da a ad­qui­rir pa­ra fa­zer um fil­me que faz par­te de um fran­chi­se e cheio de prá­ti­cas me­di­e­vais? Des­de lo­go, de­vo di­zer que es­te não é, a meu ver, um fil­me de fran­chi­se ou de ação. Pa­ra mim é um fil­me, só is­so. Co­mo gran­de aman­te da 7.ª ar­te, a úni­ca coi­sa que me in­te­res­sa é aqui­lo que sin­to co­mo mem­bro da au­di­ên­cia. Quan­do vou ao cinema, o ob­je­ti­vo é a pu­ra di­ver­são. Com­pro bi­lhe­te e, uns mi­nu­tos de­pois, lá es­tou eu ani­nha­da nu­ma ca­dei­ra bem con­for­tá­vel, com a mi­nha be­bi­da, com um pa­co­ti­nho de pi­po­cas, pron­ta pa­ra mais uma vi­a­gem emo­ci­o­nal e fí­si­ca. Por ve­zes, que­ro ir ao cinema por­que só pre­ci­so de me rir. Por ve­zes, vou só pa­ra cho­rar. Acon­te­ce que, na mai­o­ria das ofer­tas pa­ra tra­ba­lhar, o guião apre­sen­ta-me sem­pre uma me­ni­na que é ape­nas na­mo­ra­da ou mu­lher. Fi­ca em ca­sa en­quan­to o na­mo­ra­do ou ma­ri­do ou pai an­dam lá fo­ra a fa­zer tu­do aqui­lo que é mais in­te­res­san­te. Foi is­so que, an­tes de acei­tar o con­vi­te, mais no­tei nes­te ar­gu­men­to: as re­la­ções en­tre os se­xos ti­nham con­tor­nos de igual­da­de. Iria ser uma aven­tu­ra lon­ge da mi­nha zo­na de con­for­to por­que o la­do fí­si­co ia ser ex­te­nu­an­te. Nos fil­mes des­te ti­po a mu­lher é ge­ral­men­te re­du­zi­da à fi­gu­ra da don­ze­la em apu­ros. Mas es­ta his­tó­ria tem, igual­men­te, um sub­tex­to que fa­la da re­la­ção de con­fi­an­ça que de­ve­mos uns aos ou­tros. Tra­ta-se de um te­ma cre­pi­tan­te da sua vi­da pas­si­o­nal? Ain­da há tem­pos pen­sa­va nis­so. Fa­lo da­qui­lo que sub­jaz a to­das as es­co­lhas pes­so­a­lís­si­mas que fa­ze­mos. No meu ca­so, a ques­tão era a de sa­ber o que exis­tia de cons­tan­te em to­das as mi­nhas es­co­lhas pro­fis­si­o­nais. O te­ma. Che­guei à con­clu­são que os meus fil­mes são to­dos his­tó­ri­as de amor. A mo­ti­va­ção prin­ci­pal, na­que­les tra­je­tos to­dos, é uma de­di­ca­ção e uma cau­sa apai­xo­nan­te. E is­so só é as­sim por­que, no fun­do, sou uma gran­de cren­te na re- la­ção amo­ro­sa que se es­ta­be­le­ce en­tre du­as cri­a­tu­ras.

Uma boa de­fi­ni­ção da Jessica se­ria…

... um co­ra­ção mo­le. Pa­ra es­te fil­me, acho que sim, que ela tem ra­zão. É uma mu­lher que, de­pois de mui­tas ba­ta­lhas mor­tais, se crê me­re­ce­do­ra do amor. To­dos es­ta­mos na mes­ma si­tu­a­ção. Nas­ce­mos pa­ra que al­guém nos ame. Não im­por­ta quem. É nes­te lu­gar que vi­ve­mos.

En­tão só me res­ta mes­mo fa­zer-lhe uma per­gun­ta: se­rá que o amor é ca­paz de ven­cer to­dos os obs­tá­cu­los?

Acre­di­to, ver­da­dei­ra­men­te, que sim. O amor é a ener­gia mais im­por­tan­te que exis­te. Não é por aca­so que o uni­ver­so da fan­ta­sia es­tá as­sen­te nes­se dis­po­si­ti­vo. Há por aí uma ver­são mui­to pes­si­mis­ta da hu­ma­ni­da­de, da qual não par­ti­lho. A meu ver, so­mos in­trin­se­ca­men­te bons. Ve­ja o que acon­te­ce, por exem­plo, quan­do há uma tra­gé­dia gran­de, se­ja ela uma coi­sa de bair­ro ou uma de­vas­ta­ção à es­ca­la na­ci­o­nal: as pes­so­as cor­rem lo­go a aju­dar. Não te­nho dú­vi­da ne­nhu­ma, por is­so, que o amor é re­al­men­te a úni­ca for­ça que é ca­paz de con­quis­tar tu­do. De lon­ge, a nos­sa mai­or for­ça in­te­ri­or.

Por­que é que diz que tem o co­ra­ção a pen­der pa­ra a mo­le­za da bon­da­de?

Por cau­sa do meu la­do mais sen­sí­vel. Dou co­mi­go a cho­rar com al­gu­ma frequên­cia, se­ja quan­do es­tou mui­to bem a ver uma pe­ça dra­má­ti­ca, ou quan­do es­cu­to aten­ta­men­te um tre­cho de mú­si­ca. Às ve­zes, acon­te­ce só por­que es­tou a par­ti­lhar um ensaio ou um mo­men­to in­ter­pre­ta­ti­vo com ou­tra pes­soa. Sou as­sim, não há na­da a fa­zer. Que­ro mes­mo es­tar dis­po­ní­vel pa­ra to­das as ex­pe­ri­ên­ci­as da vi­da. O meu la­do mo­le acho que vem, tam­bém, da mi­nha fal­ta de ca­ra­pa­ça du­ra. No­to que, por ve­zes, a pro­du­ção ar­tís­ti­ca – e mui­to con­cre­ta­men­te o tra­ba­lho da atriz – não fi­ca na­da fa­ci­li­ta­do quan­do ela é obri­ga­da a co­la­bo­rar com há­bi­tos ou per­so­na­li­da­des im­pe­ne­trá­veis.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.