AMA­DEO DE VOL­TA A PA­RIS

Mos­tra na “cidade luz” re­a­vi­va cha­ma da obra do pin­tor

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - ANA GOULÃO/LU­SA

“Te­nho mais fa­ses do que a lua” é a fra­se ins­cri­ta na pri­mei­ra ima­gem de Ama­deo, que abre a ex­po­si­ção, uma fo­to­gra­fia e um pen­sa­men­to re­ve­la­dor da in­qui­e­tu­de do ar­tis­ta cu­ja vi­da ar­tís­ti­ca foi cur­ta, mas mui­to in­ten­sa. O pú­bli­co ace­de­rá à mos­tra de 300 obras pe­la en­tra­da prin­ci­pal do Grand Pa­lais de Pa­ris, cen­tro de ex­po­si­ções la­de­a­do pe­lo rio Se­na e pe­la Av. des Champs-Ély­sées, on­de po­de­rá des­co­brir (ou re­des­co­brir) pin­tu­ras, de­se­nhos, gra­vu­ras e fo­to­gra­fi­as de Ama­deo num es­pa­ço com mil me­tros qua­dra­dos.

A co­mis­sá­ria da ex­po­si­ção, He­le­na de Frei­tas, es­co­lheu as prin­ci­pais te­las apre­sen­ta­das na ex­po­si­ção “Ar­mory” que pas­sou por Chi­ca­go e No­va Ior­que, EUA, em 1913, pa­ra “cau­sar de ime­di­a­to o mai­or im­pac­to pos­sí­vel” no pú­bli­co lo­cal, dis­se à agên­cia Lu­sa. No es­pa­ço ex­po­si­ti­vo do Grand Pa­lais ocu­pa­do pe­lo ar­tis­ta por­tu­guês – con­si­de­ra­do por al­guns es­pe­ci­a­lis­tas co­mo um dos se­gre­dos mais bem guar­da­dos do iní­cio da ar­te mo­der­na – as sa­las re­ve­lam os te­mas que ins­pi­ra­ram o seu tra­ba­lho: na­tu­re­za, ob­je­tos, ani­mais, ins­tru­men­tos mu­si­cais ou tra­di­ções po­pu­la­res – tam­bém es­tá ex­pos­ta a mais re­cen­te des­co­ber­ta do seu tra­ba­lho, em Portugal, uma co­la­gem iné­di­ta cri­a­da en­tre 1917 e 1918, que tra­duz o in­te­res­se do ar­tis­ta de Ama­ran­te na área da publicidade.

As ca­ri­ca­tu­ras que Ama­deo gos­ta­va de fa­zer, a fo­to­gra­fia – ou­tra das su­as pai­xões – o de­se­nho, a gra­vu­ra, as co­la­gens e as pin­tu­ras com co­res in­ten­sas re­la­tam a ca­da pas­so das sa­las do Grand Pa­lais a vi­da do ar­tis­ta, a sua for­te li­ga­ção à fa­mí­lia e à ter­ra na­tal, a sua von­ta­de de ex­pe­ri­men­tar no­vos ma­te­ri­ais, de co­nhe­cer o tra­ba­lho dos seus con­tem­po­râ­ne­os, e, ao mes­mo tem­po, de cri­ar uma obra sin­gu­lar. Além das 250 obras as­si­na­das por Ama­deo de Sou­za-Car­do­so, es­tão tam­bém pa­ten­tes 15 obras de ou­tros ar­tis­tas que fo­ram pró­xi­mos do cri­a­dor por­tu­guês, co­mo Mo­di­gli­a­ni, o ca­sal Ro­bert e So­nia De­lau­nay, e Bran­cu­si, além de 52 do­cu­men­tos de arquivo.

Or­ga­ni­za­da pe­lo Réu­ni­on des Mu­sées Na­ti­o­naux et du Grand Pa­lais des Champs-Ély­sées, com apoio da Gul­ben­ki­an, a ex­po­si­ção es­tá pa­ten­te até 18 de ju­lho.

© DR

Ama­deo de Sou­za-Car­do­so, fa­le­ci­do pre­co­ce­men­te, aos 30 anos de ida­de, em Portugal, de gripe pneu­mó­ni­ca, “re­gres­sa” a Pa­ris, a cidade on­de vi­veu en­tre 1906 e 1914.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.