ME­DEI­ROS/ LUCAS

Con­ver­sa so­bre ‘Ter­ra do Cor­po’, o no­vo ál­bum da du­pla

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - B.M.

“Ter­ra do Cor­po” é o se­gun­do dis­co do vos­so pro­je­to. De­pois de “Mar Aber­to”, es­te ál­bum con­ta com uma im­por­tan­te adi­ção ao vos­so tra­ba­lho: a par­ti­ci­pa­ção do es­cri­tor João Pe­dro Por­to. A ideia de tra­ba­lhar com po­e­sia con­tem­po­râ­nea já vem de trás. Ti­nha tra­ba­lha­do com as can­ções tra­di­ci­o­nais, em O Ex­pe­ri­men­tar Na M’In­co­mo­da. E em “Mar Aber­to” tí­nha­mos tra­ba­lha­do com po­e­sia an­ti­ga. O pas­so se­guin­te, evo­lu­ção na­tu­ral, era cri­ar com coi­sas es­cri­tas ago­ra. E quan­do li o li­vro do João Pe­dro, “Por­ta Azul pa­ra Ma­cau”, per­ce­bi que es­ta­va ali al­guém com quem po­de­ria ser in­te­res­san­te tra­ba­lhar.

Por que é que sen­tiu is­so? Pe­lo ti­po de es­cri­ta do li­vro. O fac­to de ser aço­ri­a­no deu tam­bém uma fa­ci­li­da­de logística de che­gar até ele (ri­sos). Era uma ideia fa­zí­vel e re­a­li­zá­vel. Mas a pri­mei­ra re­a­ção foi es­té­ti­ca, apon­ta­da ao es­ti­lo de es­cri­ta, aos am­bi­en­tes. Quan­do fo­mos to­car a São Mi­guel, on­de ele vi­ve, ar­ran­jei o con­tac­to e con­vi­dei-o pa­ra ir to­mar um ca­fé.

O que lhe pe­diu e co­mo ele re­a­giu? “Mar Aber­to” foi um tra­ba­lho mui­to pe­sa­do. Acho que aqui pro­cu­ra­va uma coi­sa mais di­re­ta, com me­nos sub­ter­fú­gi­os. Es­se en­con­tro cor­reu mui­to bem. Es­ti­ve­mos imen­so tem­po à con­ver­sa. Nós não nos co­nhe­cía­mos e eu ti­nha man­da­do uma es­pé­cie de “pro­vo­ca­ção” no email. Es­cre­vi no as­sun­to: “Mú­si­cos pro­cu­ram es­cri­tor”, co­mo aque­les anún­ci­os que apa­re­ci­am no Blitz a pe­dir vo­ca­lis­tas e bai­xis­tas.

O Car­los Me­dei­ros can­ta­va, em “Mar Aber­to”, com uma gran­de den­si­da­de poé­ti­ca e te­a­tral. Aqui é dis­tin­to, tam­bém por se­rem tex­tos mais di­re­tos? Mais por cau­sa do ti­po de can­ções que es­cre­ve­mos. Me­ta­de de “Mar Aber­to” ti­nha si­do com­pos­ta pe­lo Car­los. O “Ter­ra do Cor­po” já foi com­pos­to, na sua mai­o­ria, por mim, sen­ta­do com a gui­tar­ra ain­da em Co­pe­nha­ga [on­de o mú­si­co vi­veu], à vol­ta das le­tras do João e sem ter o Car­los a meu la­do a ver co­mo so­a­va a voz. Acho que to­mei ou­tras li­ber­da­des. Mas a in­ter­pre­ta­ção de­le, aqui, deu elas­ti­ci­da­de às can­ções. De­pois o Car­los e o João têm mui­to em co­mum: são fãs de Dom Qui­xo­te e têm uma gran­de co­le­ção de li­vros li­dos.

O que é que su­ge­riu ao João Pe­dro Por­to na par­te lí­ri­ca? Ti­ran­do a ime­di­a­tez que pro­cu­ra­va nos te­mas, não ha­via mais idei­as pré-de­fi­ni­das. Só mais tar­de, a tro­car emails com o João, é que des­co­bri­mos a von­ta­de de tra­tar de al­go que fos­se po­lí­ti­co, de al­gu­ma for­ma. Nas con­ver­sas por email, en­tre tro­ca de idei­as meio fi­lo­só­fi­cas, sur­giu uma fra­se do João que fa­la­va nas “ter­ras do cor­po”... pe­guei nis­so pa­ra o no­me e aju­dou a ba­li­zar o res­to do dis­co.

No primeiro dis­co ti­ve­ram o ele­men­to Mar. No se­gun­do o ele­men­to Ter­ra. O que se se­gue? Já es­tá mais ou me­nos pen­sa­do... mas é ce­do. A ideia de uma tri­lo­gia sur­giu apos­te­ri­o­ri. Por aca­so até foi o João que co­me­çou a de­sa­fi­ar pa­ra o pró­xi­mo! Eu gos­to da ideia trin­da­de – não sei se é por eu ser dos Aço­res e o Es­pí­ri­to San­to ser mui­to for­te. Gos­to de tri­ân­gu­los e já te­mos dois vér­ti­ces. Po­dia ter si­do um bi­nó­mio de Mar e Ter­ra, mas o tri­ân­gu­lo é mui­to mais in­te­res­san­te. O primeiro te­ve mui­to so­nho e emo­ção; o se­gun­do é mais car­nal. Irá, na­tu­ral­men­te, pa­ra a ra­zão e pa­ra o pen­sa­men­to.

© NU­NO CAR­VA­LHO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.