Co­mi­da co­mo ar­ma con­tra aler­gi­as

Saú­de. E se pu­des­se con­tro­lar as su­as aler­gi­as, con­tro­lan­do aqui­lo que co­me? A As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa dos Nu­tri­ci­o­nis­tas de­fen­de que uma boa ali­men­ta­ção é es­sen­ci­al pa­ra o su­ces­so.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - PATRÍCIA TA­DEIA

Com a pri­ma­ve­ra vêm os dias mais quen­tes e se­cos. Tam­bém nes­ta épo­ca so­be o ris­co de re­a­ções alér­gi­cas aos pó­le­nes que cir­cu­lam no ar. Até aqui, não lhe tra­ze­mos ne­nhu­ma no­vi­da­de. Mas e se lhe dis­ser­mos que a “ado­ção de uma ali­men­ta­ção sau­dá­vel e ade­qua­da, as­so­ci­a­da a uma re­gu­lar prá­ti­ca de ati­vi­da­de fí­si­ca” po­de­rão aju­dá-lo a evi­tar aque­les es­pir­ros con­se­cu­ti­vos?

A nu­tri­ci­o­nis­ta da APN - As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa dos Nu­tri­ci­o­nis­tas, Teresa Ma­ri­a­no, des­ta­ca, as­sim al­guns ali­men­tos que po­dem as­su­mir um pa­pel ful­cral nes­ta es­ta­ção do ano. “São exem­plos, os io­gur­tes e os lei­tes fer­men­ta­dos, por con­te­rem pro­bió­ti­cos, co­mo por exem­plo o L-Ca­sei; as fru­tas cí­tri­cas (la­ran­ja, li­mão), pe­la ri­que­za em vi­ta­mi­na C im­por­tan­te na ação de de­fe­sa ce­lu- lar; as le­gu­mi­no­sas ou os pro­du­tos hor­tí­co­las ver­des es­cu­ros (bró­co­los, agrião ou es­pi­na­fres), pe­la ri­que­za em áci­do fó­li­co ex­ce­len­te an­ti­o­xi­dan­te por par­ti­ci­par na for­ma­ção de cé­lu­las de de­fe­sa”, enu­me­ra. Mas há mais e Teresa con­ti­nua: “A ce­nou­ra, a abó­bo­ra e a ba­ta­ta-do­ce têm vi­ta­mi­na A com pro­pri­e­da­des an­ti­o­xi­dan­tes ex­ce­ci­o­nais e uma ação ati­va­do­ra do sis­te­ma imu­ni­tá­rio; são ali­men­tos ri­cos em ali­ci­na (subs­tân­cia ati­va pre­sen­te no alho), que as­su­mem uma ação an­ti-in­fla­ma­tó­ria e an­ti­bac­te­ri­a­na; já os ce­re­ais in­te­grais, de­vi­do à ri­que­za em fi­bra, in­dis­pen­sá­vel ao bom fun­ci­o­na­men­to do or­ga­nis­mo, par­ti­ci­pam no for­ta­le­ci­men­to do sis­te­ma imu­ni­tá­rio”, ex­pli­ca ain­da.

Além des­tes ali­men­tos tam­bém o pes­ca­do e ma­ris­cos po­dem aju­dar “pe­la pre­sen­ça de ní­veis ele­va­dos de áci­dos gor­dos óme­ga 3 ( for­te ação an­ti-in­fla­ma­tó­ria e me­lho­ra a res­pos­ta do sis­te­ma imu­ni­tá­rio)”. E ain­da “ali­men­tos fon­te de zin­co, co­mo a car­ne ver­me­lha e as os­tras, as­so­ci­a­dos ao for­ta­le­ci­men­to do sis­te­ma imu­ni­tá­rio, dei­xan­do as­sim o or­ga­nis­mo mais for­te no com­ba­te a do­en­ças cau­sa­das por ví­rus, fun­gos e bac­té­ri­as; e fru­tos ole­a­gi­no­sos e óle­os ve­ge­tais, pe­la ri­que­za em vi­ta­mi­na E, que es­ti­mu­la a pro­du­ção de cé­lu­las que com­ba­tem os ger­mes e as bac­té­ri­as e pro­te­gem o cor­po dos con­ta­mi­nan­tes am­bi­en­tais”, diz.

Mas afi­nal, a que se de­vem es­tas aler­gi­as nes­ta al­tu­ra do ano? “De­ve-se à ina­la­ção de agen­tes aler­gé­ni­os que cir­cu­lam no ar e que, nes­ta es­ta­ção, se en­con­tram em mai­or con­cen­tra­ção no am­bi­en­te. O pó­len das plan­tas é um exem­plo. A aler­gia não é mais que uma res­pos­ta de de­fe­sa ina­de­qua­da por par­te do sis­te­ma imu­ni­tá­rio, quan­do ex­pos­to aos agen­tes aler­gé­ni­os. Al­guns sin­to­mas cau­sa­dos por es­ta re­a­ção são, por exem­plo, es­pir­ros, tos­se, pru­ri­do, ir­ri­ta­ções cu­tâ­ne­as, dor no pei­to, fa­di­ga, apa­tia e in­só­ni­as”.

Ape­sar de achar que os por­tu­gue­ses es­tão ca­da mais es­cla­re­ci­dos so­bre o te­ma, a es­pe­ci­a­lis­ta avan­ça que “uma par­te da po­pu­la­ção po­de, efe­ti­va­men­te, não ter no­ção do im­pac­to que a ali­men­ta­ção po­de ter na re­du­ção do ris­co de de­sen­vol­vi­men­to de di­ver­sas do­en­ças”. Por is­so de­fen­de que se­ria es­sen­ci­al apos­tar no en­si­no de uma ali­men­ta­ção sau­dá­vel des­de ten­ra ida­de, nas es­co­las.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.