Ci­ta­ção

Metro Portugal (Lisbon) - - CINEMA -

“Há mui­ta gente a ten­tar ven­der uma cer­ta ideia de fe­li­ci­da­de, quan­do a ver­da­de é que a fe­li­ci­da­de vem das coi­sas sub­je­ti­vas. O im­por­tan­te é a for­ma co­mo nos li­ga­mos uns aos ou­tros” jun­tos. Re­su­min­do: a fa­mí­lia, pa­ra mim, é tu­do. De­pois há, tam­bém, o seu tra­ba­lho de voz em “O Pan­da do Kung Fu”. Os seus fi­lhos de­vem achar o má­xi­mo. Ou eles nem se­quer sa­bem o que é is­so de a mãe ser atriz? O mais no­vo tem qua­tro anos. Não creio que fa­ça bem ideia do que se pas­sa. Se ca­lhar pen­sa que a mãe se con­se­gue trans­for­mar num de­se­nho ani­ma­do. Se ca­lhar olha pa­ra o ecrã e pen­sam “Wow, a ma­mã tam­bém é pan­da”. Ain­da se lem­bra dos de­se­nhos ani­ma­dos que mais a sen­si­bi­li­za­ram quan­do era cri­an­ça? Clás­si­cos co­mo “Dum­bo”, “Bam­bi” e “Ali­ce no País das Ma­ra­vi­lhas”. Os meus fi­lhos tam­bém ado­ram ani­ma­ção. Lem­bro-me de, aqui há uns anos, o Ry­der es­tar a ver o “Up” e de se sen­tir mui­to emo­ci­o­na­do. Nem ele con­se­guia per­ce­ber o que es­ta­va a pas­sar, por­que é que as ima­gens no ecrã o pu­xa­vam pa­ra aque­le es­ta­do de al­ma. Que acha des­ta no­va va­ga de mu­lhe­res mais vo­lu­mo­sas? Pa­re­ce que o uni­ver­so da mo­da es­tá a ten­tar in­cluir uma for­mo­su­ra que não se­ja ape­nas fi­na ou, mes­mo, bu­lí­mi­ca. Acha que os no­vos tem­pos ofe­re­cem pa­drões mais elás­ti­cos à mu­lher? O no­vo for­ma­to é mais acei­tá­vel ape­nas por­que es­ta­mos sem­pre a fa­lar de­le. Ao fim e ao ca­bo, o que in­te­res­sa é só is­to: fa­lar de be­le­za fe­mi­ni­na, fes­te­jar a mu­lher, ce­le­brar a con­di­ção fe­mi­ni­na. O tem­po en­car­re­ga-se de mu­dar os pa­drões de be­le­za no mun­do fe­mi­ni­no. Não te­mos de fa­zer na­da, por­que é a pró­pria so­ci­e­da­de que se en­car­re­ga de de­fi­nir es­sas coi­sas. Há por aí mui­ta gente a ten­tar ven­der uma cer­ta ideia de fe­li­ci­da­de, quan­do a ver­da­de é que a fe­li­ci­da­de vem das coi­sas mais sub­je­ti­vas que há na vi­da. O im­por­tan­te é a ma­nei­ra e a for­ma co­mo nos li­ga­mos uns aos ou­tros. Ter ten­ção à saú­de: fí­si­ca e men­tal. Não po­de ha­ver ver­da­dei­ra be­le­za sem a com­bi­na­ção har­mo­ni­o­sa des­ses dois ele­men­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.