EXCLUSIVO ME­TRO

7ª ar­te. A fa­mo­sa atriz in­te­gra o elen­co do fil­me “Um Dia de Mãe”, co­mé­dia que che­ga ama­nhã às sa­las de cinema e em que a ce­le­bra­ção do Dia da Mãe é o pon­to de par­ti­da pa­ra con­tar as his­tó­ri­as de três ge­ra­ções de mães.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - JOHN-MI­GUEL SACRAMENTO

Ka­te Hud­son, atriz de car­rei­ra lon­ga e di­ver­si­fi­ca­da, ape­sar de ape­nas 37 anos, es­tá de re­gres­so ao gran­de ecrã com “Um Dia de Mãe”, uma co­mé­dia ro­mân­ti­ca que con­ta a his­tó­ria de três ge­ra­ções. Es­treia ama­nhã em Portugal págs.

“Há du­as fi­gu­ras pa­ren­tais, mãe e pai, que ten­ta­ram in­cu­tir nas cri­an­ças to­da uma sé­rie de va­lo­res im­por­tan­tes. No­me­a­da­men­te, o res­pei­to e com­pai­xão que de­ve­mos sen­tir pe­los ou­tros.”

Na­da revela mais a na­tu­re­za de uma pes­soa do que o no­me que es­sa pes­soa dá às coi­sas. Por is­so, va­le a pe­na lem­brar que, quan­do che­gou o mo­men­to de Ka­te Hud­son cri­ar a sua pró­pria li­nha de rou­pa des­por­ti­va pa­ra io­ga e ou­tras ocu­pa­ções de­li­ci­o­sas, a em­prei­ta­da aca­bas­se por se cha­mar “Fa­ble­tics”. É um bo­ca­di­nho is­so que ela é, por na­tu­re­za. O la­do so­lar de Ma­li­bu dá-lhe a faís­ca fa­bu­lo­sa. De­pois, o cor­po en­car­re­ga-se de con­fir­mar a fir­me­za atlé­ti­ca em mo­vi­men­to. Jo­vem pa­ra sem­pre na sua dis­po­si­ção an­gé­li­ca e im­pul­so mus­cu­lar ai­ro­so, a atriz com­ple­tou 37 anos há du­as se­ma­nas. Já não é uma ado­les­cen­te com di­rei­to a ton­ti­ces. Sa­be que há ali uma me­ni­ni­ce que de­ve­rá ser, ago­ra, ca­li­bra­da. Mas, per­gun­to, acham que is­so faz al­gu­ma di­fe­ren­ça? Aque­la cas­ca­ta ca­pi­lar, aque­la gar­ga­lha­da sol­ta, aque­la se­du­ção si­len­ci­o­sa... acham que es­ses po­zi­nhos de ou­ro têm pra­zo de va­li­da­de? A Ka­te fez car­rei­ra com es­sa ima­gem de mar­ca. Em “Al­most Fa­mous”, por exem­plo, ofe­re­ceu ao ecrã uma das su­as com­bus­tões mais ado­rá­veis, a da ‘grou­pie’ de ban­da rock, aque­la que se­gue a mú­si­ca e a po­e­sia ao mes­mo tem­po que ser­ve de ins­pi­ra­ção a can­ções de so­nho. Em “Ni­ne”, ao la­do de Da­ni­el Day Lewis e de to­da uma pla­teia de mu­lhe­res fa­tais, dan­çou pe­la Itá­lia de Fel­li­ni aden­tro com mui­ta ar­te, gra­ci­o­si­da­de e, sim, tam­bém atle­tis­mo. Ou en­tão no fil­me que se es­treia ama­nhã, “Um Dia de Mãe”: pro­van­do que as sereias da praia cres­cem com o vai e vem das ma­rés, a mo­ça fe­liz da Ca­li­fór­nia ilus­tra com a ha­bi­tu­al au­ra má­gi-

ca uma his­tó­ria so­bre as gló­ri­as di­ver­ti­das da ma­ter­ni­da­de.

Fa­le-me por fa­vor da sua li­nha de rou­pa des­por­ti­va. Qual é a fi­lo­so­fia por trás de tan­ta li­cra ex­pan­si­va?

É uma co­le­ção de pe­ças atlé­ti­cas que de­vem ser usa­das no nos­so dia-a-dia. Co­me­çá­mos a de­se­nhar os vá­ri­os ele­men­tos há cer­ca de três anos e, de­vo di­zer, tem si­do um su­ces­so es­pan­to­so. Va­mos ago­ra na fa­se em que con­se­gui­mos acom­pa­nhar o mer­ca­do, a pro­cu­ra, os gos­tos. En­trá­mos no rit­mo e te­mos idei­as mui­to gi­ras em fa­se de exe­cu­ção.

Co­mo é que tu­do acon­te­ceu?

Tal co­mo em mui­tos ou­tros as­pe­tos da vi­da con­tem­po­râ­nea, uma pes­soa tem uma ideia, de­pois as­so­cia-se a al­guns par­cei­ros com­pa­tí­veis, mar­cam-se reu­niões pa­ra for­mu­lar os con­tor­nos da mar­ca e, por fim, mar­ca-se a da­ta do lan­ça­men­to no meio de to­da a ex­pe­ta­ti­va que o tra­ba­lho cri­ou. Tem si­do mui­to, mui­to gi­ro. A fa­ce­ta mais ex­ci­tan­te de to­da es­ta ideia es­tá na men­sa­gem que o ob­je­to lan­ça no ar: mo­ti­va­ção. Que­re­mos en­co­ra­jar a mu­lher a ser mais ati­va – sem­pre den­tro de rou­pas des­por­ti­vas de qua­li­da­de e dis­po­ní­veis a pre­ços aces­sí­veis. Tem si­do fan­tás­ti­co ver es­te no­vo ím­pe­to, a for­ma co­mo as mu­lhe­res se aca­len­tam mu­tu­a­men­te e ga­nham um no­vo pro­ta­go­nis­mo nas su­as pró­pri­as vi­das.

No­vo te­ma: ma­ter­ni­da­de. Ago­ra que tem fi­lhos, que con­se­lhos ma­ter­nais re­ce­beu da sua mãe e que aca­ba­ram por se re­ve­lar ain­da per­ti­nen­tes pa­ra as no­vas ge­ra­ções?

Há tan­ta coi­sa. Mas al­guns ele­men­tos nun­ca mu­dam. Ve­jo is­so nos meus fi­lhos, mas tam­bém ve­jo is­so nos meus ir­mãos mais no­vos, ago­ra que se trans­for­ma­ram em pes­so­as adul­tas e ma­ra­vi­lho­sas. Aliás, os con­se­lhos ma­ter­nais são ape­nas uma pe­ça do con­jun­to. Há du­as fi­gu­ras pa­ren­tais, mãe e pai, que ten­ta­ram in­cu­tir nas cri­an­ças to­da uma sé­rie de va­lo­res im­por­tan­tes. No­me­a­da­men­te, o res­pei­to e com­pai­xão que de­ve­mos sen­tir pe­los ou­tros. É fun­da­men­tal que es­ses re­la­ci­o­na­men­tos se­jam ba­se­a­dos na ho­nes­ti­da­de e na au­ten­ti­ci­da­de. Não se tra­ta de ado­tar ape­nas es­te ou aque­le con­se­lho da­do por uma mãe ou pai. Tu­do é im­por­tan­te, na vi­da. É im­por­tan­te, por exem­plo, o con­cei­to de li­ber­da­de que os meus pais me de­ram. Há que co­me­ter er­ros, apren­der com eles, cres­cer. Da mes­ma for­ma, nun­ca nos foi co­lo­ca­da nos om­bros uma ideia de gran­de ex­pe­ta­ti­va. Nun­ca ti­ve de me com­pa­rar a ou­tra pes­soa ou ten­tar atin­gir um de­ter­mi­na­do pa­ta­mar pré-de­fi­ni­do. Tu­do is­so fez com que ha­ja uma gran­de li­ga­ção en­tre nós. Sen­ti­mos fal­ta uns dos ou­tros e a sen­sa­ção que te­mos não é de me­do. Não há re­ceio de de­ce­ci­o­nar nin­guém. É só por is­so que que­re­mos pas­sar tem­po

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.