EN­TRE­VIS­TA: STE­VE GUNN

Con­ver­sa com o mú­si­co dos EUA an­tes do con­cer­to na ZDB

Metro Portugal (Lisbon) - - FOCUS - BRU­NO MAR­TINS

De­pois de ser o gui­tar­ris­ta de ser­vi­ço do ami­go Kurt Vi­le, Ste­ve Gunn ga­nhou o gos­to e a von­ta­de de se en­vol­ver nas pa­la­vras. O no­vo dis­co, que sai na pró­xi­ma sex­ta-fei­ra pe­la Ma­ta­dor Re­cords, vol­ta a tra­zer-nos um in­crí­vel nar­ra­dor ao bom ve­lho es­ti­lo da folk cós­mi­ca ame­ri­ca­na, e que po­de ser ou­vi­do no pal­co da Ga­le­ria Zé dos Bois, em Lisboa, ho­je, a par­tir das 22h.

Con­te-nos co­mo co­me­ça a nas­cer es­te “Eyes on The Li­ne” e que idei­as ti­nha.

Os dois dis­cos que fiz an­tes fo­ram uma es­pé­cie de cres­cen­do pa­ra es­te no­vo ál­bum. Nes­te, a ban­da fi­cou um bo­ca­di­nho mais sol­ta, por­que tam­bém fi­ze­mos mui­tas di­gres­sões, to­cá­mos mui­to e creio que o dis­co tam­bém re­fle­te is­so. Acho que es­tou a ten­tar apren­der a es­cre­ver can­ções, sa­bes? A usar pa­la­vras co­mo ima­gens pa­ra mú­si­ca.

Mas re­pre­sen­tam al­gum tríp­ti­co?

Não sei bem. Não sei se exis­te al­gu­ma li­ga­ção te­má­ti­ca en­tre ca­da um de­les. O que sin­to é que ca­da um de­les re­pre­sen­ta uma con­ti­nu­a­ção de tra­ba­lho. Não são a mes­ma coi­sa, nem são o mes­mo gru­po, mas re­pre­sen­tam uma pro­gres­são. Es­te re­fle­te o mo­men­to em que me en­con­tro ago­ra, até por­que sei que te­nho mais ál­buns pa­ra fa­zer.

As cor­das da gui­tar­ra já não eram su­fi­ci­en­tes pa­ra a sua ex­pres­são ar­tís­ti­ca?

Acho que não, de fac­to. Pre­ci­sa­va de dar mais de mim. Es­ta­va can­sa­do de ser só um gui­tar­ris­ta. Tam­bém gos­to mui­to de can­tar e de pro­cu­rar ca­mi­nhos pa­ra con­tar his­tó­ri­as. De­mo­rou al­gum tem­po, uma sé­rie de anos – na ver­da­de –, mas foi um pro­ces­so que adorei. Tem ho­je uma re­la­ção di­fe­ren­te com as pa­la­vras, com a es­cri­ta? Te­nho, sim. Pen­so mui­to mais nas pa­la­vras e gos­to da ideia de usar pa­la­vras que não são tão es­pe­cí­fi­cas, até pa­ra dei­xar as coi­sas aber­tas

à in­ter­pre­ta­ção de ca­da um. Mas ain­da es­tou a apren­der téc­ni­cas di­fe­ren­tes pa­ra com­bi­nar e brin­car com pa­la­vras, sig­ni­fi­ca­dos ou até os sons de ca­da uma de­las. Tem si­do mui­to in­te­res­san­te.

A li­te­ra­tu­ra tem si­do uma boa aju­da? Sem dú­vi­da. Leio mui­to. Gos­to mui­to de po­e­sia, por exem­plo.

Quer par­ti­lhar con­nos­co al­guns exem­plos que te­nham si­do úteis na cons­tru­ção des­te “Eyes on The Li­ne”? Há dois po­e­tas que me ins­pi­ram e ins­pi­ra­ram bas­tan­te. Um cha­ma-se Frank O’Ha­ra – vi­veu em No­va Ior­que nos anos 1950 e 1960. De­pois há ou­tro po­e­ta nor­te-ame­ri­ca­no, o Gary Sny­der, um po­e­ta da ge­ra­ção “be­at”, que se da­va mui­to com no­mes co­mo Jack Ke­rou­ac, Al­len Gins­berg... es­se gru­po de po­e­tas e es­cri­to­res que tam­bém me ins­pi­ra­ram mui­to.

Foi fá­cil pas­sar do pa­pel mais dis­cre­to de gui­tar­ris­ta a que es­ta­va ha­bi­tu­a­do pa­ra as­su­mir o pro­ta­go­nim­so de um “front­man”? As coi­sas acon­te­ce­ram de for­ma na­tu­ral. Co­me­cei por atu­ar a so­lo. De­pois, aca­bei por pe­dir a ami­gos pa­ra aju­da­rem-me aqui e aco­lá. Daí pas­sá­mos pa­ra os dis­cos, a fa­zer ál­buns com os meus ami­gos. Na ver­da­de, pas­sei a pre­ci­sar de ter uma ban­da! Tu­do cres­ceu daí. Sou um sor­tu­do por ter ami­gos a to­car co­mi­go e a fa­zer di­gres­sões. Fa­ci­li­ta tu­do!

CONSTANCE MENSH

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.