OCDE ad­mi­te mais me­di­das

Con­jun­tu­ra. A OCDE pi­o­rou a es­ti­ma­ti­va pa­ra o dé­fi­ce e ad­mi­te que o Go­ver­no por­tu­guês te­nha de im­ple­men­tar no­vas me­di­das de con­ten­ção or­ça­men­tal, ca­so a eco­no­mia não ace­le­re.

Metro Portugal (Lisbon) - - JORNAL -

Nas pre­vi­sões eco­nó­mi­cas di­vul­ga­das on­tem, a OCDE – Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co pi­o­rou a es­ti­ma­ti­va pa­ra o dé­fi­ce de Por­tu­gal, es­pe­ran­do ago­ra que atin­ja os 2,9% do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) es­te ano, qu­an­do em no­vem­bro an­te­ci­pa­va um dé­fi­ce de 2,8%. As­sim, a OCDE es­tá mais pes­si­mis­ta do que o Go­ver­no, que man­tém co­mo me­ta pa­ra es­te ano um dé­fi­ce pa­ra 2,2% do PIB, e jun­ta-se ao Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal, que tam­bém an­te­ci­pa um dé­fi­ce de 2,9%, e à Co­mis­são Eu­ro­peia, que es­ti­ma um dé­fi­ce de 2,7%. A OCDE du­vi­da ain­da das me­tas or­ça­men­tais do Go­ver­no pa­ra 2017. “Em­bo­ra se­ja pre­ci­so cui­da­do pa­ra não pre­ju­di­car a já frá­gil re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca, é pos­sí­vel que se­jam ne­ces­sá­ri­as mais me­di­das, es­pe­ci­al­men­te se o cres­ci­men­to não ace­le­rar”, afir­ma a ins­ti­tui­ção.

A OCDE re­viu tam­bém em bai­xa as pre­vi­sões do cres­ci­men­to do PIB pa­ra 1,2% es­te ano e 1,3% em 2017, ad­ver­tin­do que a po­lí­ti­ca de de­vo­lu­ção de ren­di­men­tos não te­rá efei­tos du­ra­dou­ros na eco­no­mia. A ins­ti­tui­ção pi­o­rou a es­ti­ma­ti­va pa­ra o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co, es­pe­ran­do ago­ra que o PIB por­tu­guês cres­ça 1,2% em 2016 e 1,3% em 2017, qu­an­do em no­vem­bro an­te­ci­pa­va avan­ços de 1,6% e de 1,5%, res­pe­ti­va­men­te.

LU­SA

O ex-mi­nis­tro e atu­al eco­no­mis­ta na OCDE, Ál­va­ro San­tos Pe­rei­ra, dis­se on­tem, em Pa­ris, que se a CGD for re­ca­pi­ta­li­za­da, o dé­fi­ce de Por­tu­gal “se­rá cer­ta­men­te aci­ma dos 3%”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.