His­tó­ri­cos Tu­xe­do­mo­on vão to­car o clás­si­co “Half-Mu­te” no Te­a­tro Ti­vo­li

TU­XE­DO­MO­ON

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRUNO MARTINS

A len­dá­ria ban­da es­tá em di­gres­são a to­car o clás­si­co de 1980, “Half-Mu­te”. Blai­ne Rei­nin­ger re­ve­la co­mo se­rá o con­cer­to de se­gun­da-fei­ra no Te­a­tro Ti­vo­li BBVA.

O con­cer­to de se­gun­da-fei­ra vai ser­vir pa­ra a ban­da to­car, “do iní­cio ao fim”, o ál­bum de es­treia do gru­po que nas­ceu em São Fran­cis­co, nos EUA. Mas Rei­nin­ger apos­ta ain­da em mos­trar “al­gu­mas can­ções de ou­tros pe­río­dos” da his­tó­ria do gru­po, dis­se ao metro.

Quan­do fa­la­mos de “Half-Mu­te”, fa­la­mos de um dis­co mar­can­te na his­tó­ria da mú­si­ca ele­tró­ni­ca ex­pe­ri­men­tal e de can­ções com mais de 36 anos. Co­mo é to­cá-las ho­je? Al­gu­mas nun­ca pa­rá­mos de as to­car, co­mo “What Use?”, “Se­e­ding the Clouds” ou “Vo­lo Vi­va­ce”. Ao lon­go dos anos, te­mos vin­do a fa­zer di­fe­ren­tes ar­ran­jos, mas ago­ra é vol­tar ao iní­cio.

Mui­tas coi­sas mu­da­ram na for­ma co­mo as mú­si­cas se in­ter­pre­tam ho­je em dia, se­ja no equi­pa­men­to, se­ja nos ins­tru­men­tos. É es­se o de­sa­fio? No que to­ca ao equi­pa­men­to, sem dú­vi­da. O que exis­te nos di­as de ho­je é mui­to mais fá­cil de uti­li­zar. Al­guns dos sons que fa­ço ho­je nos meus sin­te­ti­za­do­res vêm do meu lap­top. As má­qui­nas de rit­mo que usá­va­mos são ho­je softwa­res – o som é o mes­mo, mas mais mo­der­no. Mas, de res­to, te­mos na mes­ma vi­o­li­no, gui­tar­ra, sa­xo­fo­ne, um ór­gão...

Há 36 anos, quan­do fi­ze­ram es­tas can­ções, a pi­a­da da coi­sa era, pre­ci­sa­men­te, ser mais tra­ba­lho­so, mais com­pli­ca­do tra­ba­lhar com tan­tos equi­pa­men­tos? Po­dia ser com­ple­xo. Nun­ca era fá­cil to­car ao vi­vo por­que mui­tas das má­qui­nas não es­ta­vam adap­ta­das pa­ra con­cer­tos – má­qui­nas co­mo a drum ma­chi­ne Ro­land CR-78 ou os sin­te­ti­za­do­res Mi­cro­mo­og e Poly­mo­og tor­na­ram-se clás­si­cos.

O rock do fim dos anos 70 e iní­cio dos anos 80, quan­do co­me­ça­ram, era mui­to ins­pi­ra­do por gui­tar­ras, mais pu­ro. Co­mo che­ga­ram a es­te uni­ver­so? To­dos nos in­te­res­sá­va­mos por mú­si­cas de fran­ja des­de os anos 1960. Ou­vía­mos Pink Floyd, Cap­tain Be­efhe­art, as par­tes mais psi­ca­dé­li­cas dos The Be­a­tles. No meu ca­so, sem­pre ti­ve mui­to in­te­res­se na mú­si­ca ele­tró­ni­ca. Um dos meus pro­fes­so­res mos­trou-me mui­to ce­do dis­cos de Ed­gard Varè­se; Wendy Car­los, a ban­da so­no­ra de “A La­ran­ja Me­câ­ni­ca”. E, cla­ro, Kraftwerk ou David Bowie no pe­río­do de Ber­lim. Tu­do is­so aju­dou!

O Blai­ne es­tu­dou nu­ma uni­ver­si­da­de em São Fran­cis­co que, em 1977, já ti­nha for­ma­ção em mú­si­ca ele­tró­ni­ca. Aju­dou? Sim, São Fran­cis­co ti­nha até mais do que uma es­co­la com mú­si­ca ele­tró­ni­ca. Ha­via la­bo­ra­tó­ri­os de sin­te­ti­za­do­res de­se­nha­dos pe­la [mar­ca] Bu­ch­la. Ha­via mui­ta ex­pe­ri­men­ta­ção tec­no­ló­gi­ca em to­da a San Fran­cis­co Bay Area – ain­da ho­je is­so vê-se, ob­vi­a­men­te, pe­lo Si­li­con Val­ley, mas já vem de trás.

Es­sa for­ma­ção aju­dou a que, quan­do se mu­da­ram pa­ra a Eu­ro­pa, ti­ves­sem já uma ou­tra abor­da­gem à mú­si­ca que era fei­ta no Ve­lho Con­ti­nen­te? Pro­cu­rá­mos sem­pre tra­ba­lhar com pes­so­as do nos­so es­pec­tro, ca­so do John Foxx, dos Ul­tra­vox, ou a mal­ta dos Ca­ba­ret Vol­tai­re e edi­to­ras do gé­ne­ro. Ha­via mui­tos ti­pos do uni­ver­so dos sin­te­ti­za­do­res em Bru­xe­las. Foi óti­mo vir pa­ra cá: po­día­mos to­car mui­to ao vi­vo e as­sim pu­de­mos fa­zer mui­tos dis­cos.

SUE BRISK

© SUE BRISK

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.