En­tre­vis­ta com Pan­da Be­ar, dos Ani­mal Co­lec­ti­ve, so­bre o no­vo ál­bum

Ao vi­vo. Pri­mei­ro em Bar­ce­lo­na, ago­ra no Por­to. Os Ani­mal Col­lec­ti­ve têm dis­co no­vo e to­cam, quin­ta-fei­ra, no Pri­ma­ve­ra Sound, na In­vic­ta. Pan­da Be­ar con­ta-nos co­mo nas­ceu o ál­bum.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA -

“Pain­ting With” é o dé­ci­mo dis­co edi­ta­do pe­lo co­le­ti­vo nas­ci­do em Bal­ti­mo­re – que ho­je se es­pa­lha en­tre Los An­ge­les, Washing­ton DC e Lis­boa. No­ah Len­nox – aka Pan­da Be­ar – já se sa­be: é al­fa­ci­nha des­de há um par de anos, quando en­con­trou por cá o amor – mu­lher, fi­lhos e o Ben­fi­ca. Apro­vei­tan­do uma pa­ra­gem na digressão da ban­da do no­vo tra­ba­lho, e uma vi­si­ta a ca­sa, con­ver­sá­mos com o mú­si­co pa­ra per­ce­ber co­mo nas­ceu es­te su­ges­ti­vo “Pain­ting With”, des­cri­to co­mo sen­do “mais mi­ni­mal, mes­mo que al­gu­mas pes­so­as não o ou­çam as­sim”, diz-nos No­ah. “O nos­so ins­tin­to tem si­do sem­pre fa­zer o opos­to do dis­co an­te­ri­or.” E se o an­te­ri­or “Cen­ti­pe­de Hz” se re­ve­lou co­mo um tra­ba­lho den­so e in­ten­so, o dé­ci­mo dis­co apre­sen­ta-se co­mo “mais des­pi­do e mais vo­ca­li­za­do”, al­go que, diz Pan­da Be­ar, os Ani­mal Col­lec­ti­ve “ain­da não ti­nham fei­to an­tes”. “A ideia era cri­ar mú­si­ca pa­ra dois can­to­res – mas sem ha­ver aque­le ‘se­tup’ tra­di­ci­o­nal, de uma pri­mei­ra par­te de voz e de­pois ou­tra se­cun­dá­ria que em­be­le­za a pri­mei­ra. São mes­mo dois can­to­res em que jun­tos cri­am uma só voz, um ele­men­to me­ló­di­co.”

De­pois de te­rem tra­ba­lha­do com De­a­kin (Josh Dibb), os Ani­mal Col­lec­ti­ve vol­ta­ram ago­ra a tra­ba­lhar co­mo trio: Avey Ta­re (Da­vid Port­ner), Pan­da Be­ar e Ge­o­lo­gist (Bri­an Weitz). Nos cré­di­tos in­clu­em-se ain­da al­guns con­vi­da­dos es­pe­ci­ais, co­mo o sa­xo­fo­nis­ta Co­lin Stet­son e sua ex­ce­lên­cia John Ca­le, um dos fun­da­do­res dos Vel­vet Un­der­ground e um dos gran­des no­mes da mú­si­ca ex­pe­ri­men­tal con­tem­po­râ­nea, que con­tri­buiu na fai­xa “Ho­cus Po­cus” com “uma sé­rie de equi­pa­men­tos ele­tró­ni­cos”.

A com­po­si­ção de um dis­co dos Ani­mal Col­lec­ti­ve é sem­pre um tra­ba­lho com­ple­xo. A aca­bar, cla­ro, nas tex­tu­ras so­no­ras que o trio gos­ta de apli­car nas mú­si­cas, que são tu­do me­nos do que li­ne­a­res. Mas a co­me­çar pe­la dis­tân­cia que se­pa­ra os três mú­si­cos. E aju­da mui­to co­nhe­ce­rem-se há qu­a­se 20 anos: “Sa­be­mos, mais ou me­nos, aqui­lo que ca­da um vai tra­zer pa­ra as dis­cus­sões, as sen­si­bi­li­da­des de ca­da um e aqui­lo que nos en­tu­si­as­ma”, diz-nos No­ah Len­nox. “[A com­po­si­ção] é co­mo um pro­ces­so de sub­tra­ção e adi­ção, co­mo se mol­dás­se­mos al­go em plas­ti­ci­na. Acres­cen­ta­mos e ti­ra­mos pa­ra con­se­guir dar for­ma à pe­ça. Des­ta vez, es­se pro­ces­so acon­te­ceu de uma for­ma mui­to mo­der­na: atra­vés de SMS”, sor­ri No­ah.

Pa­ra­le­la­men­te ao dis­co, os Ani­mal Col­lec­ti­ve lan­ça­ram tam­bém uma apli­ca­ção mó­vel as­so­ci­a­da à ideia do ál­bum. Se à vol­ta de “Pain­ting With” há uma es­té­ti­ca vi­su­al re­sul­tan­te de uma ideia de pin­tu­ras li­vres, o co­le­ti­vo quis tam­bém pu­xar pe­la cri­a­ti­vi­da­de dos fãs: “Es­tas mú­si­cas sur­gem de uma ex­pe­ri­ên­cia con­jun­ta da ban­da, de al­go que fa­ze­mos jun­tos. Mas tam­bém que­re­mos par­ti­lhar is­so com os fãs que a ou­vem”, ex­pli­ca Pan­da Be­ar. “Eles tam­bém fa­zem par­te des­se pro­je­to. São mú­si­cas que nos per­ten­cem a to­dos. A ‘app’ que criá­mos é uma ex­ten­são des­sa ideia”. Ba­si­ca­men­te, a pro­pos­ta é des­car­re­gar uma apli­ca­ção que per­mi­te, co­mo diz o tí­tu­lo, pôr os fãs a pin­tar fi­gu­ras e ima­gens uns com os ou­tros, nu­ma ló­gi­ca de co­mu­ni­da­de. Pa­re­ce ser nes­se ter­ri­tó­rio in­clu­si­vo que os Ani­mal Col­lec­ti­ve se gos­tam de mo­ver: da co­mu­nhão de ex­pres­sões ar­tís­ti­cas. Nos dis­cos, no no­vo mun­do das apli­ca­ções mó­veis e, sem­pre, nos con­cer­tos ao vi­vo – co­mo o de quin­ta-fei­ra (à 1h10) no Pal­co NOS do Pri­ma­ve­ra Sound, no Por­to, ins­ta­la­do no Par­que da Ci­da­de.

“Tem si­do o nos­so ins­tin­to, ál­bum após ál­bum, fa­zer o opos­to do an­te­ri­or ou ir pa­ra uma di­re­ção mui­to di­fe­ren­te” Pan­da Be­ar, mem­bro dos Ani­mal Col­lec­ti­ve

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.