Ci­ta­ção

Metro Portugal (Lisbon) - - CINEMA -

“Em Mar­ro­cos, on­de fil­má­mos, uma vez es­ti­ve­mos dois di­as de­bai­xo de uma tem­pes­ta­de de areia co­mo eu nun­ca ima­gi­nei que fos­se pos­sí­vel. Não con­se­guia ver mui­to pa­ra além das mi­nhas mãos” He­mingway, de ga­ro­ta em pe­ri­go no mar al­to, de di­plo­ma­ta da ONU e, cla­ro, sen­do ela loi­ra, de me­te­o­ro­lo­gis­ta da TV com ti­que de psi­co­pa­tia e de­do no ga­ti­lho. Sal­ti­ta fa­cil­men­te en­tre a fic­ção, a atu­a­li­da­de e o de­do na fe­ri­da. A no­va trans­for­ma­ção é ra­di­cal e ob­ti­da às mãos de Wer­ner Her­zog, o mí­ti­co re­a­li­za­dor ale­mão mo­vi­do a energia nu­cle­ar. Em “Rai­nha do De­ser­to” apre­sen­ta-nos uma mu­lher que, no Mé­dio Ori­en­te do pa­tri­ar­ca­do per­pé­tuo, as­su­miu pa­pel de­ter­mi­nan­te no de­se­nho do ma­pa po­lí­ti­co atu­al. Lá vai ela, Ni­co­le do véu ao ven­to, co­mo a vi­são que sem­pre foi. Os seus fil­mes apre­sen­tam um mun­do que é sem­pre tão gran­de, di­ver­so, com­pli­ca­do. Fa­le-me das fil­ma­gens no de­ser­to des­ta his­tó­ria épi­ca: al­gu­ma vez a Mãe Na­tu­re­za foi im­per­doá­vel? Nun­ca me vi me­ti­da nu­ma tem­pes­ta­de enor­me no de­ser­to da Aus­trá­lia. Mas em Mar­ro­cos, on­de fil­má­mos, uma vez es­ti­ve­mos dois di­as de­bai­xo de uma tem­pes­ta­de de areia co­mo eu nun­ca ima­gi­nei que fos­se pos­sí­vel. Não con­se­guia ver mui­to pa­ra além das mi­nhas mãos. As pes­so­as es­ta­vam sem­pre a fa­lar de tem­pes­ta­des de areia e eu só per­gun­ta­va: “Mas is­so acon­te­ce mes­mo? Por fa­vor di­gam­me que não é ape­nas mi­to.” Não era. Foi ex­tra­or­di­ná­rio. Na Aus­trá­lia te­mos imen­sa sor­te em poder dis­por de zo­nas enor­mes de de­ser­to. Os es­pa­ços am­plos, aber­tos. Fa­zem-me tão bem ao es­pí­ri­to. Sei que soa a lou­cu­ra, mas creio mes­mo que a ma­gia da Aus­trá­lia vem mui­to daí, da imen­si­dão se­ca, da ter­ra sem ho­ri­zon­te fi­ni­to. Não im­por­ta se es­tou na Aus­trá­lia ou em Mar­ro­cos ou nou­tro pon­to de Áfri­ca. Sin­to-me sem­pre co­mo a gran­de aman­te de es­pa­ços com es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas. Dá-se bem com o frio? Não te­nho pro­ble­ma. Por ve­zes vou pa­ra o Ca­na­dá fa­zer es­qui com a fa­mí­lia to­da, na qua­dra na­ta­lí­cia. So­mos umas 20 pes­so­as na co­mi­ti­va. Es­tá tan­to, tan­to frio lá no nor­te. Há al­tu­ras em que fi­ca­mos blo­que­a­dos, dentro de portas, por cau­sa da quan­ti­da­de de ne­ve que caiu à noi­te. Mas gos­ta­mos imen­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.