Ze­roZe­ro, “mam­ma mia!”

Res­tau­ran­te. Não, es­te tex­to não é so­bre o re­sul­ta­do de um jogo de fu­te­bol. Ze­roZe­ro é mes­mo o no­me de um res­tau­ran­te ita­li­a­no si­tu­a­do no Prín­ci­pe Re­al – imperdível!

Metro Portugal (Lisbon) - - CULTO -

Quem pas­sa pe­lo nú­me­ro 32 da Rua da Es­co­la Po­li­téc­ni­ca, em Lis­boa, até po­de dei­xar es­ca­par o que es­te res­tau­ran­te es­con­de lá mais pa­ra den­tro. Até por­que a en­tra­da dá pa­ra uma char­cu­ta­ria e pa­ra um bal­cão que po­de­ria per­fei­ta­men­te ser o de uma tas­qui­nha – mui­to re­quin­ta­da, é cer­to. É des­ta char­cu­ta­ria ita­li­a­na que vêm os in­gre­di­en­tes pa­ra mui­tas das igua­ri­as que ire­mos pro­var em se­gui­da. E o char­mo­so bal­cão em ma­dei­ra é par­te in­te­gran­te da “pro­sec­che­ria” do Ze­roZe­ro, com uma car­ta com­pos­ta ape­nas por vi­nhos ita­li­a­nos.

É nas tra­sei­ras do Ze­roZe­ro – que vai bus­car o no­me a uma fa­ri­nha es­pe­cí­fi­ca pa­ra mas­sa de piz­za de lon­ga fer­men­ta­ção – que fi­ca­mos bo­qui­a­ber­tos. Pri­mei­ro pe­la sa­la aco­lhe­do­ra e re­quin­ta­da, on­de es­tão os for­nos a le­nha de azi­nho pa­ra co­zi­nhar as piz­zas e pas­tas; e de­pois pe­la es­pla­na­da on­de es­co­lhe­mos al­mo­çar com vis­ta pa­ra o ar­vo­re­do do Jar­dim Bo­tâ­ni­co de Lis­boa, re­fres­ca­dos pe­la som­bra e por um gi­ar­di­no di pro­sec­co, an­tes de pro­var­mos um co­po de vi­nho bran­co oriun­do da re­gião da Si­cí­lia.

As piz­zas são o ex-li­bris do es­pa­ço – ex­pe­ri­men­tá­mos a For­mag­gi­o­sa e a apu­ra­da Di­a­vo­la – mas im­por­ta su­bli­nhar o sa­bo­ro­sís­si­mo Car­pac­cio di Man­zo ou as pas­tas (lin­gui­nis, ra­vi­o­lis, gnoc­chis) de as­si­na­tu­ra fi­na. E as so­bre­me­sas… ai, “mam­ma mia”! Com um aten­di­men­to sim­pá­ti­co, co­nhe­ce­dor e ze­lo­so, o Ze­roZe­ro re­ve­la-se um ver­da­dei­ro jar­dim dos sau­dá­veis pe­ca­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.