TE­LE­VI­SÃO: “POWERS”

En­tre­vis­ta com Su­san Heyward, a atriz que in­ter­pre­ta De­e­na

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MAR­TINS

Num mun­do on­de con­vi­vem su­per-he­róis e hu­ma­nos, Ch­ris­ti­an Wal­ker (Sharl­to Co­pley) é da­que­les que já te­ve po­de­res e que ago­ra já não tem. Na mu­dan­ça de vi­da, tor­na-se um de­te­ti­ve de ho­mi­cí­di­os e, jun­ta­men­te com a co­le­ga Den­na Pil­grim (Su­san Heyward), in­ves­ti­gam os cri­mes que en­vol­vem “su­per-hu­ma­nos”. O metro con­ver­sou com a in­tér­pre­te de De­e­na – a atre­vi­da de­te­ti­ve que é apa­nha­da de sur­pre­sa nes­te mun­do pa­ra lá de es­tra­nho, mas en­tu­si­as­man­te – so­bre os de­sa­fi­os da 2.ª tem­po­ra­da, que es­tre­ou na se­ma­na pas­sa­da em Por­tu­gal.

Já sa­be­mos que a sua per­so­na­gem, a de­te­ti­ve De­e­na Pil­grim, não tem po­de­res! Mas ela não vê is­so co­mo uma des­van­ta­gem no seu tra­ba­lho, até por­que tem uma coi­sa fan­tás­ti­ca: a co­ra­gem!

E ado­ro is­so ne­la. Tem um co­ra­ção enor­me. Ela es­tá sem­pre pre­pa­ra­da pa­ra ir pa­ra a fren­te, mes­mo sem sa­ber de que for­ma é que há de en­fren­tar o pro­ble­ma. Se é pre­ci­so fa­zer al­gu­ma coi­sa, ela vai e não fi­ca à es­pe­ra que acon­te­ça. Es­ta tem­po­ra­da – e sem que­rer re­ve­lar mui­to – va­mos vê-la com o [Ch­ris­ti­an] Wal­ker a tra­ba­lhar co­mo equi­pa. Na pri­mei­ra, ha­via mui­ta fric­ção en­tre eles por cau­sa das ori­gens e es­ti­los. Ago­ra, mes­mo ha­ven­do di­fe­ren­ças, tra­ba­lham em con­jun­to mos­tran­do uma be­lís­si­ma par­ce­ria.

Sa­ben­do as li­nhas com que se co­se, a De­e­na é ho­je uma de­te­ti­ve mais fo­ca­da, mais efi­caz?

Há mui­ta de­si­lu­são ne­la na 1.ª tem­po­ra­da – por­que aper­ce­be-se que, às ve­zes, pa­ra fa­zer a coi­sa cer­ta, é pre­ci­so fa­zer a er­ra­da. A fi­bra mo­ral da De­e­na é, nes­ta tem­po­ra­da, le­va­da a ou­tros ex­tre­mos, por­que há mais coi­sas em jo­go: se não se fi­zer na­da, o mun­do vai re­ben­tar. E ago­ra ela vai aper­ce­ber-se que aqui­lo que tem de fa­zer pa­ra so­bre­vi­ver vai sur­pre­en­dê-la... e aos es­pe­ta­do­res tam­bém!

Há al­gum po­der que gos­ta­ria de ter ou que a sua per­so­na­gem pu­des­se ter pa­ra ser uma me­lhor de­te­ti­ve?

(ri­sos) Acho que a De­e­na ia ado­rar ser su­per rá­pi­da e po­der vo­ar. Coi­sas fí­si­cas, de al­to ní­vel. Pa­ra mim? Cres­ci a ver as sé­ri­es dos X-Men, por is­so ado­ra­va po­der ma­ni­pu­lar ele­men­tos, bo­las de fo­go, cri­ar tor­na­dos ou pro­vo­car ter­re­mo­tos (ri­sos).

Na sé­rie, os su­per­po­de­res vão e vêm – al­gu­mas per­so­na­gens têm, ou­tras já ti­ve­ram... a De­e­na tam­bém po­de vir a ga­nhar al­gum su­per­po­der?

Tal­vez. Há mui­tas sur­pre­sas pa­ra acon­te­cer nes­ta tem­po­ra­da... sa­be­mos quais são as ca­pa­ci­da­des das per­so­na­gens, mas ao fim de al­guns epi­só­di­os per­ce­be­mos que não é bem as­sim. Tal­vez se­ja a De­e­na, tal­vez não! Vão ter mes­mo de ver.

A Su­san já era uma fã des­ta his­tó­ria em ban­da de­se­nha­da?

Não co­nhe­cia, se­quer! Quan­do ti­ve a opor­tu­ni­da­de de ir à au­di­ção, fi­quei im­pres­si­o­na­da com es­te mun­do on­de exis­te a com­bi­na­ção de sé­rie po­li­ci­al e de su­per­po­de­res! Quan­do co­me­cei a pes­qui­sa, fui a uma li­vra­ria aqui em No­va Ior­que e en­con­trei es­te mun­do in­crí­vel que o Bri­an [Mi­cha­el Ben­dis, cri­a­dor] e o Mi­cha­el [Avon Oe­ming, de­se­nha­dor] cri­a­ram. Pas­sei ho­ras a ler, a ver as ima­gens e tor­nei-me uma fã.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.