KESO LAN­ÇA “KSX2016”

Tu­do so­bre o no­vo ál­bum do rap­per por­tu­en­se

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MARTINS

Co­mo tan­tos por­tu­gue­ses, Keso te­ve de pas­sar uma lon­ga tem­po­ra­da fora do País. Em 2011, foi à pro­cu­ra do tra­ba­lho que não con­se­guia en­con­trar por cá. “Um ano de­pois de re­gres­sar de Lon­dres, pa­re­ce que as coi­sas ainda es­tão pi­o­res”, de­sa­ba­fa. “Há mais gen­te a pen­sar ir pa­ra fora. Os jo­vens já vão pa­ra a fa­cul­da­de com a ideia de se ins­truí­rem pa­ra se­rem ‘ex­por­ta­dos’”, la­men­ta. “Já nem pro­je­tam o fu­tu­ro aqui!”

“KSX2016” é o ter­cei­ro tra­ba­lho de Keso. Pa­ra mui­tos, um no­me de­ma­si­a­da­men­te re­cen­te, pa­ra ou­tros, uma re­fe­rên­cia no rap do Por­to. “As mi­nhas pri­mei­ras mú­si­cas fo­ram fei­tas com 13 anos”, diz, co­mo quem, por di­rei­to, pu­xa dos ga­lões. O 1.º dis­co foi edi­ta­do quan­do ti­nha 15 anos (“Rai­os Te Par­tam”, em 2003). Dez anos de­pois, via sair o bri­lhan­te “O Re­vól­ver En­tre As Flo­res” – ainda que te­nha si­do gra­va­do em 2009, nu­ma al­tu­ra em que mo­ra­va e es­tu­da­va ci­ne­ma em Lis­boa. O ter­cei­ro dis­co é uma re­fle­xão da sua pas­sa­gem por Lon­dres, num tra­ba­lho fei­to em ca­sa de­pois de um pe­río­do de re­clu­são au­toim­pos­ta. “Ti­nha-me per­di­do com­ple­ta­men­te de mim pró­prio. Ti­nha es­ta­do cin­co anos a tra­ba­lhar sem pa­rar, sem fé­ri­as, sem fa­zer al­go que gos­tas­se... e aper­ce­bi-me que não es­ta­va a le­var a vi­da que que­ria. Foi uma es­pé­cie de re­en­con­tro co­mi­go pró­prio. Fe­char-me no mes­mo quar­to em que me fe­chei há 10 ou 12 anos.”

“KSX2016” é um tra­ba­lho mui­to sé­rio. Um re­tra­to ho­nes­to de con­tem­po­ra­nei­da­de que me­re­ce ser ou­vi­do e vis­to. No re­gres­so a ca­sa, no Por­to – ao bair­ro on­de nas­ceu –e o aban­do­no da vi­da de “bac­kof­fi­ce” em Lon­dres – “nem se­quer vi­ves a ci­da­de ou aqui­lo que é o país. An­da-se ali na par­te de trás de qual­quer coi­sa e nun­ca che­gas a ser um ci­da­dão” – deu a Keso o con­for­to que ne­ces­si­ta­va pa­ra se agar­rar à MPC (Mu­sic Pro­duc­ti­on Cen­ter), co­me­çar a pro­du­zir be­ats e a es­cre­ver ri­mas. “As du­as pri­mei­ras fai­xas são dra­má­ti­cas e cla­ras”, diz Keso. A vi­a­gem des­de o ae­ro­por­to Sá Car­nei­ro até aos su­búr­bi­os de Lon­dres, Bru­ce Gro­ve. “Saí de um gue­to pa­ra aca­bar num gue­to”, la­men­ta-se em “De­fei­to Sé­rio”. “Não há mui­ta di­fe­ren­ça en­tre vi­ver num sí­tio ou no ou­tro”, su­bli­nha nes­ta con­ver­sa. “Só que no meu gue­to, ao me­nos, ainda sou al­guém. Te­nho fa­mí­lia e ami­gos. Sa­bem o meu no­me. Res­pei­to-as e elas res­pei­tam-me.”

O Al­cân­ta­ra To­ca Dis­cos co­me­ça às 18h na Ca­pe­la de Sto. Ama­ro com Sur­ma. Às 22h se­gue pa­ra o Vil­la­ge Un­der­ground. Mais in­fo em fa­ce­bo­ok.com/ vil­la­geun­der­groun­dlis­boa

© AN­DRÉ HENRIQUES

AN­DRÉ HENRIQUES

Keso atua ho­je no even­to Al­cân­ta­ra To­ca Dis­cos, on­de atu­am ainda Sur­ma (18h), Pro’Se­eds, Blasph & Bewa­re Jack, Kro­ni­ko & SP De­vil­le.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.