ENTREVISTA: DJ KAMALA

Con­ver­sa com o cu­ra­dor do Pal­co NOS Club­bing

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - PATRÍCIA TADEIA

Co­mo sur­ge o con­vi­te pa­ra fa­zer es­ta pro­gra­ma­ção a que cha­mou “NOS Ali­ve e os nossos”? Foi uma con­sequên­cia do que fiz o ano pas­sa­do no fes­ti­val. En­quan­to to­dos es­ta­ri­am à es­pe­ra de um set de ani­ma­ção, pre­pa­rei um show com mui­tos con­vi­da­dos sur­pre­sa a dar cor­po e al­ma à mú­si­ca na­ci­o­nal. Te­ve um im­pac­to tão gran­de no pú­bli­co que fez com que es­te ano sur­gis­se es­te con­vi­te. Foi tu­do uma sur­pre­sa, até mes­mo pa­ra a or­ga­ni­za­ção. Foi al­go mais den­tro do hip hop, que nem é mui­to a praia do Ali­ve. Foi com­pli­ca­do es­co­lher os mú­si­cos pa­ra es­te ali­nha­men­to? Te­ve mais a ver com dis­po­ni­bi­li­da­de de ca­da um. Há mui­tos mais que po­di­am es­tar no car­taz. Mas acho que é um ali­nha­men­to mais equi­li­bra­do e com o qual me iden­ti­fi­co. Co­mo fo­ram as re­a­ções ao con­vi­te? Não hou­ve qu­em não qui­ses­se par­ti­ci­par, ti­ran­do dis­po­ni­bi­li­da­des de agen­da. Nun­ca é fá­cil... há agen­das, mas os ar­tis­tas são to­dos meus co­nhe­ci­dos/ami­gos, por is­so hou­ve dis­po­ni­bi­li­da­de ime­di­a­ta. Há aqui es­se fa­tor de ami­za­de. Vai ser um dia em fa­mí­lia? Sem dú­vi­da. E is­so es­tá a dar-me um go­zo bru­tal. Sa­ber que no meio do stress to­do e da exi­gên­cia to­da que um pal­co num fes­ti­val des­tes acar­re­ta, va­mos es­tar to­dos no backs­ta­ge. No­mes da ve­lha es­co­la, da no­va es­co­la. Is­to só en­ri­que­ce a nos­sa ce­na mu­si­cal. É uma res­pon­sa­bi­li­da­de acres­ci­da fa­zer a cu­ra­do­ria de um pal­co na 10ª edi­ção do even­to? É es­pe­ci­al... mas mais res­pon­sa­bi­li­da­de do que ter uma cu­ra­do­ria de um pal­co num dia de um dos me­lho­res fes­ti­vais da Eu­ro­pa é di­fí­cil. Qu­em me co­nhe­ce, sa­be que le­vo o meu tra­ba­lho mui­to a sé­rio. Tal co­mo acon­te­ceu no ano pas­sa­do, vou ten­tar que se­ja me­lhor do que as pes­so­as es­tão à es­pe­ra. Es­ta pal­co vai jun­tar ban­das di­fe­ren­tes que te­rão tam­bém de­sa­fi­os... Sim. Aqui en­tra a ideia da 10.ª edi­ção do Ali­ve. Fez sen­ti­do pa­ra mim, não só fa­zer a pro­gra­ma­ção, co­mo ofe­re­cer ao fes­ti­val mo­men­tos úni­cos. Nun­ca hou­ve um con­cer­to con­jun­to do NBC, Sir Scrat­ch e Bob da Ra­ge Sen­se. Eles vão re­vi­si­tar al­guns dos seus te­mas mais mar­can­tes e apre­sen­tar coi­sas no­vas que fi­ze­ram pa­ra o fes­ti­val. De­pois, va­mos jun­tar os HMB com o Fi­li­pe Gon­çal­ves e co­mi­go e vi­a­jar não só pe­lo hip hop “tu­ga”, mas pe­la his­tó­ria da mú­si­ca na­ci­o­nal. De uma for­ma ge­ral, vai ha­ver uma fu­são de ar­tis­tas na­ci­o­nais com ín­do­les mu­si­cais dis­tin­tas. O que me é mais im­por­tan­te é pu­xar pe­la mú­si­ca na­ci­o­nal. Qual o mo­men­to pe­lo qual aguar­da mais an­si­o­sa­men­te nes­se dia? Hei de gos­tar de tu­do. Es­pe­ro gos­tar mais de che­gar a ca­sa de sor­ri­so na ca­ra e per­ce­ber que tu­do cor­reu bem e que a pre­sen­ça nes­te fes­ti­val e nes­te con­teú­do foi uma apos­ta ga­nha.

© JOÃO FERRÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.