Cai­xa Ge­ral de De­pó­si­tos vai ser au­di­ta­da

Na­ci­o­nal. Go­ver­no in­cum­be no­va ad­mi­nis­tra­ção do ban­co de ava­li­a­ção in­de­pen­den­te aos atos de ges­tão

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA -

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças dis­se on­tem es­pe­rar que a au­di­to­ria in­de­pen­den­te que vai ser pe­di­da à CGD pos­sa es­cla­re­cer dú­vi­das e tra­var a “per­tur­ba­ção” so­bre o ban­co, no­me­a­da­men­te sus­ci­ta­da pe­la ex-mi­nis­tra Ma­ria Luís Al­bu­quer­que.

“A for­ma de con­ter es­sa per­tur­ba­ção pas­sa cla­ra­men­te por dar es­te si­nal do Go­ver­no de que aqui­lo que é o pas­sa­do da CGD pos­sa ser ana­li­sa­do nes­te mo­men­to de tran­si­ção”, vin­cou Cen­te­no, na con­fe­rên­cia de im­pren­sa que se se­guiu à reu­nião de do Con­se­lho de Mi­nis­tros.

O mi­nis­tro nun­ca ci­tou di­re­ta­men­te a ex-ti­tu­lar das Fi­nan­ças, mas no co­mu­ni­ca­do do Con­se­lho de Mi­nis­tros é re­al­ça­do que “mem­bros do go­ver­no an­te­ri­or, no­me­a­da­men­te a ex-mi­nis­tra das Fi­nan­ças, sus­ci­ta­ram dú­vi­das so­bre a le­ga­li­da­de de atos de ges­tão pra­ti­ca­dos até 2015, re­la­ti­va­men­te aos quais nun­ca so­li­ci­ta­ram in­for­ma­ção adi­ci­o­nal”.

CM

“A Cai­xa não po­de ser ins­tru­men­to par­ti­dá­rio. É uma em­pre­sa que fun­ci­o­na num mer­ca­do mui­to com­pe­ti­ti­vo e te­mos de con­tri­buir pa­ra a ga­ran­tia de que é um ban­co só­li­do”, diz Cen­te­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.